Zâmbia concorda com plano de alívio da dívida ‘marco’ com a China e outros credores

Receba atualizações gratuitas da Zâmbia

A China e outros credores chegaram a um acordo para reestruturar bilhões de dólares em empréstimos à Zâmbia, encerrando um longo impasse sobre a inadimplência do país africano em 2020, que ampliou a divergência entre Pequim e os credores ocidentais sobre como resolver uma série de crises de dívida nos países em desenvolvimento. mundo revelou.

O presidente da Zâmbia, Hakainde Hichilema, elogiou na sexta-feira o presidente chinês, Xi Jinping, por “nos ajudar a alcançar este importante marco” depois que os credores liderados pela China concordaram em renovar US$ 6,3 bilhões em empréstimos concedidos. O governo do presidente francês Emmanuel Macron ajudou a fechar este acordo Cúpula Mundial de Finanças e Clima em Paris.

“Estamos plenamente conscientes de que ainda há muito trabalho a ser feito”, acrescentou Hichilema, observando que a Zâmbia ainda não finalizou os termos com cada credor bilateral e fechou um acordo separado para emprestar US$ 6,8 bilhões adicionais. dívida pessoal.

O segundo maior produtor de cobre da África se viu em um limbo financeiro, incapaz de obter mais acesso a um pacote de resgate de US$ 1,3 bilhão do FMI, enquanto a China, o maior credor do país, e outros credores lutaram por meses sobre uma proposta que o valor de quase US$ 13 bilhões reduzir a dívida externa total em cerca de metade.

Como parte do avanço, os credores bilaterais liderados pela China concordaram com um período de carência de três anos para pagamentos de juros e uma extensão dos vencimentos, abrindo caminho para a Zâmbia retomar o financiamento do FMI e iniciar negociações com credores privados.

Excepcionalmente entre os acordos de reestruturação da dívida com credores oficiais, o acordo também prevê menos alívio da dívida no caso de a economia da Zâmbia se sair melhor do que o esperado nos próximos anos.

“Este acordo único e inovador estabelece um tratamento básico e contingente que será acionado automaticamente se a avaliação do desempenho econômico e das políticas da Zâmbia melhorar”, disse Kristalina Georgieva, diretora-gerente do FMI.

Os analistas dizem que são necessários mais detalhes sobre a quantidade de alívio da dívida que a Zâmbia realmente receberá à medida que sua economia melhorar.

O acordo foi uma vitória diplomática de Macron na cúpula de Paris, que reuniu líderes mundiais para discutir reformas do sistema de crédito entre países ricos e pobres.

O acordo com a Zâmbia também aumentará as esperanças para outros países como Gana e Etiópia, que estão em negociações semelhantes para reestruturar suas dívidas, financiadas principalmente por empréstimos da China. Pequim se tornou o maior credor para países em desenvolvimento na última década.

A China tem relutado em aceitar cancelamentos diretos de empréstimos estrangeiros por seus bancos e, no caso da Zâmbia, propôs a credores multilaterais de desenvolvimento como o Banco Mundial que tomassem uma medida sem precedentes e se juntassem à reestruturação.

Um investidor de dívida envolvido nas negociações disse que os bancos de desenvolvimento provavelmente fornecerão empréstimos concessionais em vez de amortizações para ajudar a fechar um acordo.

Preocupada com a estabilidade financeira doméstica, a Zâmbia excluiu sua dívida em moeda local da reestruturação, incluindo participações estrangeiras dessa dívida. O Departamento do Tesouro disse na quinta-feira que os credores oficiais concordaram com essa posição.

O investidor disse que os compradores estrangeiros da dívida soberana doméstica de Lusaka parecem ter reduzido suas participações de US$ 3,2 bilhões para menos de US$ 2 bilhões desde o final do ano passado, temendo que empréstimos domésticos como os de Gana e Sri Lanka possam ser incluídos na reestruturação.

O Departamento do Tesouro disse em outubro passado que o serviço dessas participações absorveria cerca de 80% do dinheiro disponível para pagar a dívida externa.

Eswar Prasad, professor de economia da Universidade de Cornell, disse: “Para a China, o fim do jogo parece ser uma solução que limitará suas perdas financeiras enquanto espalha a culpa pela situação onerosa e insustentável em que muitas economias altamente endividadas se encontram distribuídas”.

A empresa de investimentos Lazard assessorou a Zâmbia em suas negociações com os credores.

By Carlos Eduardo

"Fã de música. Geek de cerveja. Amante da web. Cai muito. Nerd de café. Viciado em viagens."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *