Primeiro-ministro etíope diz que negociações com OLA começarão esta semana |  mensagens de conflito

Esta é a primeira vez que o governo etíope declara oficialmente que negociará com o Exército de Libertação de Oromo.

O primeiro-ministro etíope, Abiy Ahmed, anunciou que seu governo iniciará negociações com o grupo rebelde Exército de Libertação Oromo (OLA) na Tanzânia nesta semana.

Esta é a primeira vez que o governo etíope disse oficialmente que negociará com o OLA, que vem lutando contra o governo há décadas.

“Uma negociação com Oneg Shene começará depois de amanhã na Tanzânia”, disse Abiy no domingo, usando um nome diferente para o OLA.

Não houve explicação imediata da OLA.

O OLA é um grupo dissidente banido da Frente de Libertação Oromo, um partido de oposição anteriormente banido que voltou do exílio depois que Abiy assumiu o cargo em 2018. As queixas do grupo estão enraizadas na suposta marginalização do povo Oromo e na negligência do governo federal.

dívida cambial

OLA e o governo federal culpam um ao outro por uma série de ataques na região de Oromiya, na Etiópia, a região mais populosa do país, que mataram dezenas de civis.

Em fevereiro, a Comissão Estadual de Direitos Humanos disse que pelo menos 50 pessoas foram mortas em um ataque atribuído ao OLA.

Em outubro, o OLA e outro grupo Oromo culparam o governo etíope por ataques aéreos que, segundo eles, mataram vários civis.

“O povo da Etiópia e o governo precisam urgentemente dessas negociações”, disse Abiy em uma cerimônia em homenagem a um acordo de paz anterior entre o governo federal e as forças armadas na região de Tigray, onde os combates começaram em novembro de 2020 e terminaram em novembro de 2022.

A luta entre o OLA e o governo federal é separada da luta em Tigray, mas o OLA forjou uma aliança com a Frente Popular de Libertação de Tigray (TPLF) em 2021.

By Carlos Eduardo

"Fã de música. Geek de cerveja. Amante da web. Cai muito. Nerd de café. Viciado em viagens."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *