A polícia angolana reprimiu os protestos em Luanda, capital de Angola, tendo usado gás lacrimogéneo e canhões de água para dispersar os manifestantes. O número de feridos é indeterminado nos confrontos com a polícia, entre eles Nito Alves, atingido na cabeça por uma bala de borracha. Também houve várias prisões, incluindo O rapper Descendente de portugueses Luaty Beirão (Ikonoklasta), entretanto libertado.

Há dúvidas se um dos manifestantes, identificado como Lando Lukombo, foi morto. A polícia negou sua morte na noite de quarta-feira. Porém, esta quinta-feira, um médico confirmou à Televisão Pública Angolana a morte de um manifestante de 26 anos que foi atendido no Hospital Américo Boavida.

“Esta não é a Angola que merecemos”, disse ao PÚBLICO Benedito (Dito) Dalí, um dos organizadores dos protestos, denunciando o uso de força “desproporcionada” por parte das autoridades.

“Vivemos em um ambiente de terror, um verdadeiro estado policial, onde os direitos e liberdades dos cidadãos não são respeitados”, disse Dalí.

Os protestos na capital angolana marcam o 45º aniversário da independência de Angola, com manifestantes a sair às ruas para exigir melhores condições de vida e a realização das primeiras eleições autárquicas no país, adiadas pelo Governo angolano devido à pandemia de covid-19.

DR

As medidas sanitárias para evitar a propagação do coronavírus foram, precisamente, o argumento utilizado pelo governo provincial de Luanda para proibir os protestos desta quarta-feira. No entanto, os manifestantes decidiram desafiar as autoridades, que proíbem encontros com mais de cinco pessoas, e foram às ruas.

“A pretexto de combater a pandemia covid-19, não podemos permitir que os direitos fundamentais, nomeadamente o direito à liberdade de expressão, sejam desrespeitados”, disse ao PÚBLICO João Malavindele, administrador executivo da organização não governamental OMUNGA. de Benguela, onde também ocorreram protestos.

“As pessoas querem falar. E a solução que encontraram neste momento foi a rua ”, acrescentou Malanvindele, denunciando que muitos jovens“ foram violentamente violados pela Polícia Nacional, uma manifestação clara de que as instituições públicas não defendem o povo ”.

Repressão policial

Durante a repressão aos protestos desta quarta-feira, a polícia angolana, uma das menos confiantes entre os seus cidadãos no continente africano, de acordo com Afrobarômetro, fez várias prisões e os números oficiais ainda não foram divulgados.

Nito Alves ficou gravemente ferido e foi levado ao Hospital do Prenda
DR

Um dos detidos era o ativista Luaty Beirão, que gravava um vídeo ao vivo na manifestação em Luanda, transmitido em redes sociais, quando foi abordado pela polícia, que levou sua câmera e depois seu celular. No vídeo, você ouve o rapper pede que seja dado o mandado de prisão, ao qual o policial responde com um “está sob custódia”, pedindo ao ativista que o entregue antes que a transmissão seja cortada.

Mónica Almeida, ex-mulher de Luaty, confirmou ao PÚBLICO que o activista esteve várias horas detido, acabando por ser libertado no final da tarde. PUBLIC tentou entrar em contato diretamente com o rapper, mas o telefone estava desligado.

A intenção dos manifestantes, que procuravam concentrar-se no cemitério de Santa Ana, era marchar até ao Largo 1.º de Maio. No entanto, tropas de choque intervieram e os dispersaram, usando gás lacrimogêneo, o que causou vários desmaios entre os residentes da área, incluindo crianças, diz o New Journal.

Na sequência de confrontos com a polícia, a activista Laurinda Gouveia ficou ferida, segundo a Angop. Manuel Nito Alves, um dos organizadores da manifestação, foi transportado em estado grave para o Hospital do Prenda, em Luanda, onde está a receber tratamento.

O pai do activista, Fernando Baptista, disse ao PÚBLICO que a polícia tentou deter Nito Alves no hospital, mas devido ao seu estado de saúde – considerado grave mas estável – não o conseguiu.

Nito Alves, tal como Luaty Beirão e Laurinda Gouveia, faz parte do grupo de jovens conhecidos pelo 15 + 2, detidos e acusados ​​pela Justiça angolana em 2015 pelo crime de rebelião, por debaterem o livro Ferramentas para destruir o ditador e evitar a nova ditadura – Filosofia Política de Libertação para Angola, de Domingos da Cruz, criado a partir do Da Ditadura à Democracia, de Gene Sharp.

O activista tem sido uma das principais vozes de protesto em Luanda. Em junho, foi detido pela polícia portuguesa em Lisboa por protestos na entrada do Consulado Geral de Angola, tendo sido libertado horas depois. Foi acusado de calúnia, difamação e incentivo à desordem pela diplomacia angolana.

“Vamos continuar a lutar”

Durante os protestos, relata a Lusa, o correspondente da Reuters em Angola foi agredido pela polícia e foi detido por alguns momentos. “Fui identificado, mostrei meu passe, levantei minhas mãos, mesmo assim eles saíram por agressão, quase quebraram a câmera e me detiveram por alguns minutos”, disse Lee Bogotá, que ficou com marcas no corpo devido ao agressões.

Antes das manifestações, o presidente João Lourenço lamentou a detenção de jornalistas que cobriam as manifestações do passado 24 de outubro, altura em que foram detidas mais de cem pessoas, e garantiu que isso não voltaria a acontecer.

Enquanto os confrontos decorriam perto do cemitério de Santa Ana, o Presidente, João Lourenço, inaugurou o Hotel Intercontinental, no bairro de Miramar, um dos mais luxuosos do país, nacionalizado em outubro.

Em discurso à nação na terça-feira, no âmbito do 45º aniversário da independência de Angola, João Lourenço reafirmou o compromisso do seu Governo no “combate à corrupção” e apelou aos angolanos para que tomem “os passos necessários ao desenvolvimento económico e social” do país.

Referindo-se à pandemia covid-19, João Lourenço disse, sem nomear, que há “quem [tirar] vantagem de uma situação que ocorre concomitantemente em todo o mundo e que não foi criada pela boa ou má ação dos governos ”.

Apesar das promessas do chefe de Estado no combate à corrupção e na realização de reformas no sistema político angolano, os jovens, que lideraram os protestos, denunciam o elevado custo de vida e o desemprego no país.

Além disso, exigem que o Governo convoque as prometidas eleições municipais e reforma o sistema eleitoral do país.

“Continuaremos lutando e pressionando até que o regime faça reformas profundas e claras”, garante Dito Dalí. “Vamos continuar a lutar muito. O povo é soberano e tem poder. ”

(Notícia atualizada com dúvidas sobre a morte de um manifestante, que havia sido anunciada pelos ativistas)

By Carlos Henrique

"Introvertido amigável. Estudante. Guru amador de mídia social. Especialista em Internet. Ávido encrenqueiro."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *