Por meio de um estudo publicado em 27 de outubro em Relatórios Científicos, paleontólogos da Universidade da Califórnia, Berkeley, Estados Unidos, compartilharam relatórios sobre o exame de fósseis realizado no osso do pé de um pássaro coletado na Ilha Seymour, na Antártica. Segundo a documentação, o traço data de aproximadamente 50 milhões de anos atrás e fazia parte de uma espécie de ave com dimensões colossais e envergadura de até 6,4 metros.

O osso foi encontrado nos arredores da ilha polar na década de 1980, quando foi transportado com segurança para o Museu de Paleontologia da Universidade da Califórnia após uma série de análises. Então, já em 2015, os olhos do aluno de graduação Peter Kloess se voltaram para o fóssil, algo que lhe trouxe uma nova descoberta após um olhar mais atento às notas publicadas.

“Eu adoro ir a coleções e apenas encontrar tesouros lá”, disse Kloess, em um comunicado publicado no EurekAlert!. “Alguém me chamou de rato de museu, e considero isso uma medalha de honra. Adoro correr por aí, encontrar coisas que as pessoas ignoram. ”

(Fonte: Peter Kloess / UC Berkeley)
(Fonte: Peter Kloess / UC Berkeley)

A nova viagem ao fóssil da ave determinou, portanto, que o enorme animal sobrevoasse as terras antárticas há cerca de 50 milhões de anos, divergindo das conclusões anteriores que indicavam uma datação de 40 milhões de anos. Segundo o palentologista, a rocha em que o osso foi inserido não pertencia a um grupo localizado entre os tipos originalmente apontados, nem pertencia a pelagornitídeos – grupos de animais com dentes pontiagudos em grandes projeções ósseas – muito maiores que a maioria dos os indivíduos.

Ave de proporções monstruosas

Segundo os estudiosos, o osso da Ilha Seymour pertencia a um pássaro que tinha uma envergadura de 6,4 metros. Além disso, o dono do pé fossilizado aparentemente tinha um comprimento semelhante ao de um caminhão de transporte da empresa americana U-Haul, que pode chegar a 14 metros em alguns modelos.

Os dentes dos pelagornitídeos foram adaptados para o Caçando e armazenamento dos restos mortais de outros animais, sendo os pássaros enormes considerados predadores que pertenceram ao topo da cadeia alimentar durante sua existência. Seus últimos registros de vida datam de 2,5 milhões de anos atrás.

By Gabriel Ana

"Passionate student. Twitter nerd. Avid bacon addict. Typical troublemaker. Thinker. Webaholic. Entrepreneur."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *