O controverso plano do Brasil de afundar um navio de 34.000 toneladas no mar

SEm algum lugar no Atlântico Sul, agora, 34.000 toneladas, 870 pés. O porta-aviões flutua sem rumo nas ondas. O navio, envolvido em uma disputa internacional sobre seu conteúdo tóxico, está prestes a se tornar um dos maiores destroços do oceano.

O São Paulo, único porta-aviões da frota da Marinha do Brasil, está no limbo há cinco meses. O Brasil vendeu o navio de 60 anos para um estaleiro turco para demolição em 2021 e partiu para a Turquia de uma base naval no Rio de Janeiro em agosto de 2022. Mas enquanto estava em andamento, a Turquia revogou sua permissão de entrada, dizendo que o Brasil não poderia provar que o São Paulo estava livre de amianto – um mineral tóxico usado na construção de muitos navios do século 20. Então o barco virou.

No entanto, o Brasil não o quer de volta. Em setembro, um porto do litoral pernambucano bloqueou a atracação do navio. O porto argumentou que o risco de abandono do navio era muito grande, cabendo às autoridades portuárias arcar com a conta do transporte e remoção do amianto. Com isso, o São Paulo circulou pela costa brasileira até o dia 20 de janeiro, quando chegou a Marinha do Brasil anunciado que havia empurrado o navio para águas internacionais, onde permanece. A Marinha diz que teve que fazer isso porque o navio envelhecido, que sofreu danos em seu casco durante sua odisséia, poderia encalhar ou afundar na costa brasileira, ameaçando outras embarcações e a vida selvagem costeira.

A solução da Marinha é deixar o São Paulo no mar. No sábado, fontes militares contado do Brasil Folha de São Paulo Jornal que a Marinha planejava usar explosivos para afundar o navio na quarta-feira, pois via nisso a única forma de encerrar sua polêmica saga.

Mas na noite de terça-feira, o Ministério Público do Brasil respondeu às preocupações de uma agência ambiental federal arquivado um processo civil contra a Marinha pedindo a um tribunal federal que ordenasse a suspensão imediata de qualquer plano de explodir o navio.

A decisão do tribunal determinará se o São Paulo se torna ou não um caso extremo de abandono – um problema que tem atormentado conservacionistas marinhos e comunidades costeiras em todo o mundo. Os guardiões do oceano dizem que afundar um barco tão grande e antigo como o São Paulo seria um desastre ambiental; Além do amianto, o navio contém centenas de toneladas de outras substâncias tóxicas em seus depósitos de fiação elétrica, tinta e combustível, segundo a ONG Basel Action Network (BAN).

Deixá-lo no mar constituiria “negligência grosseira” e violaria três convenções ambientais internacionais distintas, diz Jim Puckett, executivo-chefe da BAN. “Estamos falando de um navio que contém materiais perigosos e valiosos – ele será trazido para o território brasileiro e gerido de forma ambientalmente correta”, diz Puckett. “Você não pode simplesmente afundá-lo.”

Solicitada a comentar, a Marinha do Brasil disse à TIME Isso é oficialmente anúncios, dizendo apenas que a Marinha não permitirá que o São Paulo volte ao Brasil.

Vários partidos de oposição, sindicatos e ONGs da Turquia realizaram uma manifestação em massa contra o desmantelamento do porta-aviões brasileiro Nae São Paulo no distrito de Aliaga em Izmir, Turquia, em 4 de agosto de 2022.  (Berkcan Zengin—GocherImagery/Reuters)

Vários partidos de oposição, sindicatos e ONGs da Turquia realizaram uma manifestação em massa contra o desmantelamento do porta-aviões brasileiro Nae São Paulo no distrito de Aliaga em Izmir, Turquia, em 4 de agosto de 2022.

Berkcan Zengin – GocherImagery/Reuters

Não é incomum que barcos sejam abandonados. Como sua manutenção e descarte são caros, dezenas de milhares de navios indesejados – normalmente muito menores que um porta-aviões – são abandonados em portos, praias ou no mar a cada ano. na Nigéria, milhares Naufrágios de navios de carga e embarcações de pesca comercial espalham-se pelas costas, destruindo os ecossistemas de praia e tornando a passagem por vias navegáveis ​​perigosa para a população local. Em Veneza, em volta 2.000 pequenos barcos de recreio abandonados obstruem um pântano local. Nos Estados Unidos, o Government Accountability Office estimativas que 5.600 barcos foram abandonados em águas dos EUA de 2013 a 2016 – provavelmente uma estimativa muito baixa, de acordo com Nancy Wallace, diretora do programa de detritos marinhos da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica.

O problema é que o que fica a bordo desses barcos não fica a bordo. “Qualquer navio abandonado no mar deve pensar primeiro em produtos químicos tóxicos que podem ser muito prejudiciais à vida selvagem”, diz Wallace. Barcos abandonados de todos os tamanhos podem causar derramamentos de óleo e lixiviar tintas químicas e microplásticos na água, enquanto os detritos podem se soltar como redes e pescar.

Navios mais antigos também podem conter PCBs, um grupo de produtos químicos altamente cancerígenos que eram comumente usados ​​em fiação elétrica antes da década de 1970 e foram proibidos em todo o mundo em 2001. Convenção de Estocolmo. quando são lançados ao mar, cientistas dizem Os PCBs sobem na cadeia alimentar marinha, afetando desde pequenos crustáceos até orcas. A BAN estima que o São Paulo, construído na França na década de 1960, contenha cerca de 300 toneladas de PCBs com base em análises do navio irmão Clemencau. A ONG diz que deixar o navio no mar também violaria a Convenção de Estocolmo o Protocolo de Londres de 1996.

No Brasil, o problema do abandono de navios é a Baía de Guanabara, no estado do Rio de Janeiro, onde cerca de 200 navios, entre cargueiros e petroleiros, foram abandonados por proprietários com problemas financeiros ou jurídicos. ONGs locais dizer Os derramamentos de óleo e produtos químicos resultantes reduziram drasticamente as populações nativas de manguezais, tartarugas e golfinhos e afetaram os meios de subsistência dos pescadores locais. A baía ganhou as manchetes nacionais em novembro, quando uma tempestade causou uma cachoeira de 200 metros. navio cargueiro se desprender de seus berços e colidir no Rio-Niterói – a maior ponte sobre a água da América Latina.

Restos de navios abandonados são vistos na costa da Baía de Guanabara em Niterói, Brasil, em 28 de dezembro de 2022.  (Pilar Olivares – Reuters)

Restos de navios abandonados são vistos na costa da Baía de Guanabara, em Niterói, Brasil, em 28 de dezembro de 2022.

Pilar Olivares-Reuters

A remoção desses navios é uma grande dor de cabeça para os governos. A recuperação pode variar de US$ 8.000 (o custo por barco para 14 barcos recreativos recentemente levantados na Carolina do Sul) a US$ 1,8 milhão (o custo de remoção de um barco de pesca de 83 pés em Saipan). em 2021que passou seis anos devastando um recife de coral próximo nas Ilhas Marianas do Norte depois de ter sido muito danificado por uma tempestade de 2015 para seus proprietários consertarem.)

Mas, felizmente, é muito incomum um navio tão grande como o São Paulo ser abandonado intencionalmente. Isso ocorre porque grandes barcos, como navios de cruzeiro, porta-contêineres e porta-aviões, contêm grandes quantidades de metais preciosos de alto valor, especialmente aço, que podem ser recuperados e revendidos. (A reciclagem também é boa para o meio ambiente, já que a fabricação de aço novo é extremamente intensiva em carbono.)

Puckett, do BAN, diz que a ideia de afundar o São Paulo não faz sentido financeiro para o Brasil. “Existem milhões de dólares em aço para serem reciclados, o que supera em muito o custo de manuseio desses materiais perigosos”, diz ele. “Nunca vi um navio tão valioso afundar deliberadamente.”

BAN pede intervenção do novo presidente esquerdista do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva. Cumprir os tratados internacionais, incluindo o Convenção da Basileia Para limitar a exportação de lixo tóxico, Puckett diz que a Marinha deve rebocar o São Paulo até uma base naval, reparar os danos no casco e depois oferecer o contrato de reciclagem a novos estaleiros na Europa, que possam remover o amianto com segurança antes de desmontar o navio .

O processo movido pelo Ministério Público brasileiro abre uma porta de última hora para isso. Pede ao tribunal que obrigue a Marinha a proceder a uma avaliação técnica de todas as opções de alienação do navio e a encontrar uma forma de o fazer “sem risco para o ambiente e para a saúde pública”. Isso pode salvar o São Paulo de uma sepultura aquosa tóxica.

Mais leituras obrigatórias da TIME


escrever para Ciara Nugent em [email protected].

By Gabriel Ana

"Passionate student. Twitter nerd. Avid bacon addict. Typical troublemaker. Thinker. Webaholic. Entrepreneur."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *