Não perca o pico da chuva de meteoros Lyrid
Meteoros Lyrid sobre o Novo México

Imagem composta de meteoros Lyrid e não Lyrid sobre o Novo México em abril de 2012. Crédito: NASA/ MSFC/ Danielle Moser

A chuva de meteoros Lyrid atinge o pico em 23 de abril, com até 15 meteoros por hora.

O chuveiro é um dos mais antigos da história, com registros que remontam a 2.700 anos. As erupções Lyrid permanecem difíceis de prever, então observações regulares são cruciais para melhorar os modelos. Para observar os lyrids, encontre um ponto escuro longe das luzes da cidade, dê aos seus olhos 30 minutos para se ajustar e evite telas brilhantes. Os meteoros atingirão o pico no início da manhã do dia 23 às 10-15 por hora, mas taxas mais baixas são visíveis nas noites adjacentes.

A chuva de meteoros Lyrids deste ano atingirá o pico nas primeiras horas da manhã de 23 de abril. Em média, a chuva pode produzir até 15 meteoros por hora em condições ideais de visibilidade. Os Lyrids ocorrem em meados de abril de cada ano, quando a Terra cruza a trilha de detritos deixada pelo cometa C/1861 G1 Thatcher. Esses fragmentos de cometa queimam quando atingem a atmosfera da Terra, criando essa chuva de estrelas cadentes. A chuva leva o nome da constelação de Lyra, o ponto no céu onde os meteoros parecem se formar. Ao contrário dos Perseids ou Gemini, os Lyrids não são conhecidos por bolas de fogo brilhantes. O que os torna especiais é sua imprevisibilidade.

Meteoros Lyrid da constelação de Lyra

Meteoros Lyrid da constelação de Lyra. Crédito e direitos autorais: Petr Horálek

O primeiro registro da chuva de meteoros Lyrids remonta a 2.700 anos, tornando-se um dos mais antigos da história. Pesquisadores vasculhando registros antigos encontraram descrições de grandes erupções Lyrid. Por exemplo, uma anotação do bispo francês Gregório de Tours em abril de 582 dC afirma: “Em Soissons vemos o céu em chamas.” Em 1803, uma erupção Lyrid também foi vista nos Estados Unidos. Um artigo no Virginia Gazette and General Advertiser descreve a chuva: “De um a três, esses meteoros estelares pareciam cair de todos os pontos do céu em números que se assemelhavam a uma chuva de foguetes do céu.” A última explosão Lyrid foi em 1982, quando observadores na Flórida registraram 75 meteoros por hora.

O tema comum aqui é que as explosões de Lyrid são surpresas. Além disso, ao contrário de alguns outros chuveiros, os meteorologistas não podem prever explosões Lyrid. É por isso que é importante fazer observações todos os anos para que os modelos de sua atividade possam ser aprimorados.

Em 21 de abril, a chuva de meteoros Lyrids de 2012 atingiu o pico no céu acima da Terra. Enquanto[{” attribute=””>NASA allsky cameras were looking up, astronaut Don Pettit aboard the International Space Station trained his video camera on Earth below. Video footage has revealed breathtaking images of meteors ablating — or burning up — over Earth at night. This video is a composite of 310 still frames from that evening. Credit: NASA/JSC/Don Pettit

How can you best observe the Lyrids? After 10:30 p.m. local time on the night of April 22, find a dark place away from city lights with open sky free of clouds and look straight up. It will take about 30 minutes for your eyes to get acclimated to the dark. Don’t look at your cell phone – the bright light from its screen will interrupt your night vision. You will begin to see Lyrids, and as the night progresses the meteors will appear more often, reaching 10 to 15 per hour in the pre-dawn hours of the 23rd. You can see Lyrids on the night before and after the peak, but the rates will be lower, maybe five per hour or so.

By Gabriel Ana

"Passionate student. Twitter nerd. Avid bacon addict. Typical troublemaker. Thinker. Webaholic. Entrepreneur."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *