Músicos afegãos em Portugal falam de “genocídio cultural”

Emitida em:

Braga (Portugal) (AFP) – “Estamos aqui para salvar a nossa música”, proclama Ramiz, um jovem músico afegão que foi acolhido em Portugal juntamente com outros alunos da escola nacional de música que abandonou enquanto fugia da repressão cultural talibã.

“Esperamos que um dia possamos voltar ao nosso país”, disse à AFP o jovem de 19 anos, segurando seu rubab, um instrumento tradicional de cordas feito de madeira com incrustações de madrepérola.

Ramiz é um dos 58 alunos do Instituto Nacional de Música do Afeganistão (Anim), com idades compreendidas entre os 13 e os 21 anos, que se instalaram nas cidades de Braga e Guimarães, no norte de Portugal.

Aterrissou em Lisboa com seus colegas, vários professores e alguns de seus familiares em dezembro de 2021, meses após a tomada do poder pelos talibãs.

Os 273 refugiados fugiram do Afeganistão temendo represálias do Talibã, que proibiu a música não religiosa.

“Quando o Talibã chegou aos portões de Cabul, ficou claro que deveríamos sair”, lembrou o diretor do Anim, Ahmad Sarmast, que fez todo o possível para evacuar os alunos e funcionários do instituto de música.

“É nada menos que um genocídio cultural e musical”, diz Ahmad Sarmast, diretor do Instituto Nacional de Música do Afeganistão em Portugal © PATRICIA DE MELO MOREIRA / AFP

“O Afeganistão é uma nação silenciosa”, disse o homem de 61 anos.

“Quando a música de um país é proibida, uma nação inteira é silenciada”, acrescentou Sarmast, que perdeu parte da audição em um ataque do Talibã em 2014, quando eram rebeldes.

“Não é nada menos que um genocídio cultural e musical”, acrescentou o especialista em música afegão, que se dedica a preservar o património musical do seu país e a recriar em Portugal a escola de música que fundou no Afeganistão em 2010.

“Toda apresentação é um protesto”

Enquanto esperam encontrar um lugar para renascer, os seus alunos exilados foram acolhidos no Conservatório de Música de Braga, onde continuam a tocar música como acto de resistência.

“Cada apresentação de nossa escola é um protesto contra o que está acontecendo no Afeganistão”, disse Sarmast.

Um desses protestos musicais ocorreu no início deste mês em um show com a aclamada violinista japonesa Midori Goto.

O Talibã tomou o poder no Afeganistão em agosto de 2021, prometendo uma versão mais branda de seu regime brutal de 1996-2001, notório por abusos dos direitos humanos.

Mas eles expulsaram as mulheres de quase todas as esferas da vida pública, recentemente impedindo-as de frequentar o ensino médio e superior, de trabalhar no setor público e de visitar parques e banhos.

A baterista Shogufa, de 19 anos, que trabalha com uma colega noutra secção do Conservatório de Braga, tenta desfrutar da liberdade que a sua nova vida em Portugal oferece.

Nas horas vagas, a fã de Beethoven gosta de compor músicas, cozinhar, comer hambúrgueres ou malhar com os amigos na academia local.

Enquanto as mulheres não podem estudar no Afeganistão, Shogufa em Portugal fica feliz com a oportunidade de fazê-lo todos os dias.

Ela continua traumatizada com a memória de instrumentos musicais destruídos e queimados pelo Talibã em Cabul.

“Meu grande sonho é um dia voltar ao Afeganistão”, disse ela.

“Acredito que tudo ficará bem porque o Talibã… não é para sempre.”

“Nossa música não está morta”

Ramiz, que está a fazer uma pausa nos treinos de rubab, também está optimista e espera um dia regressar ao Afeganistão “e mostrar que a nossa música não morreu”.

Mas seu humor escurece quando ele pensa em sua família em casa.

Ramiz:
Ramiz: “A vida é muito perigosa” no Afeganistão © PATRICIA DE MELO MOREIRA / AFP

Ele espera que eles possam se juntar a ele em Portugal em breve, pois “a vida é muito perigosa para eles”.

Ele fala com a mãe todos os dias. “Se ela não ouvir a minha voz uma noite, não vai dormir”, acrescentou o jovem, cujo pai e dois irmãos também são músicos.

Shogufa, que passou mais de sete meses em condições precárias num antigo hospital militar em Lisboa antes de rumar para Braga, tem preocupações semelhantes por aqueles que deixou para trás, incluindo os seus seis irmãos e irmãs.

“Todo mundo fica em casa… não tem planos para o futuro.”

By Gabriel Ana

"Passionate student. Twitter nerd. Avid bacon addict. Typical troublemaker. Thinker. Webaholic. Entrepreneur."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *