Luísa Castel-Branco não conteve as lágrimas desta sexta-feira, 4, em conversa com Júlia Pinheiro em que ele fala de um passado de pressão psicológica e falta de amor de seus pais.

O escritor, que está promovendo o novo livro, ‘Quando Eu era pequeno‘, começa a falar sobre a relação do pai consigo mesmo, com a mãe, Olga Amélia Pires, a falta de amor-próprio e o que redescobriu ao reviver episódios infantis.

O pai, o jornalista José Manuel Vieira Pereira da Costa, tinha uma relação estreita com os filhos. “Naquela época, os pais não beijavam, [ele] apenas inclinou o rosto“, diz Luísa, mas não era apenas uma questão cultural, toda a relação do pai com a família parecia rígida.

“Um homem de amor e de consternação. Ele magoou minha mãe sem dúvida, e naquela época o professor Marcelo Caetano deu-lhe a escolha: ou deixava a mulher com quem tinha filho ou ia embora. E ia para a África […] Ele era um homem de regime e com a extrema direita que [as relações extra-conjugais] não pode acontecer “.

Apesar da dor, Luísa frisa ao longo da entrevista que foi o melhor que o pai e a mãe puderam oferecer. “No meio de tudo isso, no meio de um casal em um momento que não pode ser separado, a verdade é que ao mesmo tempo cada um deles me transmitiu coisas muito importantes”, diz ele, logo após dizer que ela se sentia “sempre rejeitada”.

Dislexia, gagueira e maus-tratos na escola

Quando saí de casa, encontrei outros desafios na escola. Luísa Castel-Branco é canhota, mas teve de aprender a escrever com a mão direita. Além disso, ele é diagnosticado com dislexia. “Foi um desastre. Eu tinha um braço amarrado, [recebia] regulou para escrever com a direita, mas o pior para mim foram as orelhas de burro no papelão ”.

“A raiva sempre me acompanhou, talvez seja uma das razões de eu estar mal de saúde“, declara.

Além disso, o escritor de 66 anos sentir gagueira no momento. “Na minha família tem muita gente que gagueja, mas comecei a gaguejar muito mais na escola. Eu tinha horror a comida e como não comia [na hora do almoço] não havia playground. Estava lá “.

O médico aconselha medicamentos para tentar parar os problemas. “Comecei a tomar calmantes aos 11 anos, dados pelo médico. Já tinha muitos problemas e não conseguia tomar nada no estômago”.

Saúde mental da mãe

Luísa arranca o episódio mais marcante da sua infância. Também aos 11 anos, o seu pai obrigou-a a acompanhar a mãe na ambulância que ia para o Hospital Júlio Matos, em Lisboa.

“De todas as coisas, foi a que mais marcou […] Minha infância acabou aí. Foi um estalo de realidade completa. […] Eu sei exatamente o que é o tecido [do colete de forças]como fecha“, relatórios.

Inês Castel-Branco recebe duras críticas da própria mãe por causa da escolha do look

A falta de sentimentos em casa sempre a acompanha. “Queria ser amado, incondicionalmente, ser amado, ter a noção de que alguém pela primeira vez te diz o quanto você é linda […] Toda a minha vida tive um complexo de ser feio e uma aversão total ao meu corpo. Hoje eu olho para minha filha [Inês Castel-Branco] e eu acho que foi muito estúpido

O pai de Luísa faleceu com 54 anos em 1982. Sua mãe, Olga Amélia Pires, faleceu em julho aos 90 anos.

By Gabriel Ana

"Passionate student. Twitter nerd. Avid bacon addict. Typical troublemaker. Thinker. Webaholic. Entrepreneur."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *