A Bíblia hebraica mais antiga e completa em exibição em Israel antes da venda

descrição da imagem,

O Museu ANU do Povo Judeu em Tel Aviv espera que cerca de 10.000 visitantes vejam o Codex Sassoon

A Bíblia hebraica mais antiga e completa está em exibição antes de ser vendida em um leilão na cidade israelense de Tel Aviv.

Acredita-se que o Codex Sassoon tenha sido criado há cerca de 1.100 anos por um escriba no Egito ou no Levante.

É o mais antigo exemplo sobrevivente de um único manuscrito contendo todos os 24 livros da Bíblia Hebraica com pontuação, vogais e acentos.

Ele irá a leilão na Sotheby’s em Nova York em maio, onde pode chegar a US$ 30 milhões a US$ 50 milhões (£ 24 milhões a US$ 41 milhões).

Ele pode se tornar o documento histórico mais caro já vendido em leilão se superar os US$ 43,2 milhões pagos há dois anos por uma rara primeira edição da Constituição dos Estados Unidos.

A Bíblia Hebraica consiste em 24 livros divididos em três partes: o Pentateuco, os Profetas e os Escritos. Os cristãos se referem a ele como o Antigo Testamento.

O texto da Bíblia hebraica permaneceu em fluxo até o início da Idade Média, quando estudiosos judeus conhecidos como massoretas começaram a compilar uma coleção de notas padronizando-o.

O Código de Alepo, compilado por volta de 930, é considerado o texto massorético de maior autoridade. No entanto, devido a um incêndio na cidade síria de Aleppo em 1947, apenas 295 das 487 páginas originais sobreviveram.

O Codex Sassoon, cuja datação por carbono mostra que foi criado por volta de 900, está faltando apenas 12 páginas, de acordo com a Sotheby’s.

“Ele nos apresenta a primeira aparição de um livro quase completo da Bíblia Hebraica, com os pontos vocálicos, cantilação e notas de fundo dizendo aos escribas como o texto correto deve ser escrito”, disse Sharon Mintz, especialista executivo em artefatos judeus no leilão. casa, disse à agência de notícias AFP.

descrição da imagem,

É o mais antigo exemplo sobrevivente de um único manuscrito contendo todos os livros da Bíblia Hebraica com sua pontuação, vogais e acentos.

Séculos de anotações e inscrições mostram que o manuscrito foi vendido por um homem chamado Khalaf ben Abraham para Isaac ben Ezekiel al-Attar, que mais tarde transferiu a propriedade para seus dois filhos, Ezekiel e Maimon.

No século 13, o códice foi dedicado a uma sinagoga em Makisin, no nordeste da Síria.

Depois que a cidade foi posteriormente destruída pelos mongóis no século 13 ou pelos timúridas no início do século 15, o manuscrito foi confiado a Salama ibn Abi al-Fakhr para custódia.

Ele então desapareceu na história por 500 anos antes de ser adquirido em 1929 por David Solomon Sassoon, que reuniu em sua casa em Londres a maior e mais importante coleção particular de manuscritos hebraicos do mundo.

O Codex Sassoon só esteve em exibição pública uma vez na história moderna – em 1982 na Biblioteca Britânica.

A curadora do Museu ANU do Povo Judeu de Tel Aviv, Orit Shaham Gover, disse que espera cerca de 10.000 visitantes para a “rara e comovente” exposição de uma semana da “primeira Bíblia a resistir ao teste da história”.

“A Bíblia é a base da cultura judaica”, acrescentou ela. “Como israelense e judeu, acho muito importante que o povo de Israel veja esta Bíblia tão importante.”

By Carlos Eduardo

"Fã de música. Geek de cerveja. Amante da web. Cai muito. Nerd de café. Viciado em viagens."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *