Pexels

Mesmo antes do isolamento social, a solidão já era mencionada como uma nova epidemia global. Estudos eles estimam que um terço da população mundial é afetada e que uma em cada três pessoas tem mais condições crônicas.

Afinal, o que é solidão? Os neurocientistas distinguem “estar sozinho” de “solidão”. Estar sozinho é uma conseqüência do modo de vida moderno, especialmente o ocidental. Em pouco menos de um século, as famílias se tornaram cada vez mais nucleares, menores e os indivíduos começaram a se mover constantemente por causa do trabalho. Nos Estados Unidos, uma em cada quatro pessoas vive sozinha, a vida se tornou mais comum. A solidão tem a ver com a percepção de isolamento, e uma pessoa não precisa ficar sozinha, pode haver solidão mesmo em grupos ou em uma multidão.

A sensação de que existe só pode ser benéfica porque faz uma pessoa procurar companhia. Pelo contrário, a solidão é identificada com a ansiedade, torna-se mais grave quando o sentimento de afastamento do contato social é intensificado, aumentando o sentimento de inadequação do indivíduo. Mais do que desconforto, a solidão pode ser considerada uma doença.

Um homem é programado para viver em grupos, e há ansiedade quando está fora de seu grupo, sozinho ou morando com um grupo de estranhos. No passado, esses estranhos podiam até matar um estranho em um grupo. Hoje, felizmente, as leis proíbem isso e vivemos em uma configuração social diferente. Esse sentimento desencadeia uma reação de fuga ou luta, com um estado de hiper vigília, que deixa as pessoas acordadas, ansiosas e estressadas.

Momentos de isolamento social por coronavírus

A quarentena que experimentamos está muito próxima de um estado de solidão. O isolamento social fecha as pessoas, sem contato social aumento da ansiedade e tristezaA grande diferença é que o isolamento em quarentena é temporário! Lembrando que a solidão crônica se refere a um indivíduo que aumenta o estresse ao contemplar uma abordagem social e se torna cada vez mais isolado. Vamos analisar alguns estudos sobre esse tipo de solidão.

A quarentena alienou as pessoas de suas redes de apoio, relações familiares e profissionais, sem contar com outros grupos, como esportes ou cerveja. Um homem sem contato social se torna cada vez mais propenso a sentimentos de solidão. E mesmo com repetição, ainda passaremos muito tempo a uma distância “segura” uma da outra para impedir que ela se espalhe coronavírusPortanto, esse isolamento será estendido ainda mais.

Solidão não faz bem à saúde. NO estudos de meta-análise com mais de 300.000 pessoas, o pesquisador Holt-Lunstad confirmou evidências de mais de 100 estudos sobre o assunto. A quantidade e a qualidade das relações sociais afetam não apenas a saúde mental, mas também a longevidade das pessoas. É um fator de risco independente para morbimortalidade. Os cientistas concluíram que o impacto da solidão na saúde é igual ao dos cigarros. Outro estudo constatou que a chance de ter um evento cardiovascular aumenta com a solidão e o isolamento social.

Comprimidos de solidão

Como os efeitos estressantes da solidão são prejudiciais à saúde, como reverter ou aliviar a solidão?

Ela é um dos grupos que estuda o tópico Universidade de Chicago, liderado por John Cacioppo (falecido em 2018) e sua esposa Stephanie. Em um pequeno estudo, os cientistas identificaram um potencial composto para tratar a solidãoEste medicamento é recente Aprovado pela FDA como a primeira cura para a depressão pós-parto. É um neurosteróide produzido pelo cérebro, alopregnanolona, ​​encontrado em pessoas que não são equilibradas em isolamento social. O estudo mostrou uma redução nos sintomas associados ao estresse de isolamento. O grupo Cacioppo expandiu este estudo, que está em fase clínicae veja o efeito desse composto na percepção do isolamento social.

Por outro lado, há grandes críticas à medicalização da vida, na qual as pílulas abordam sintomas e doenças. Finalmente, o problema da epidemia de solidão é complicado por mudanças sociais e de trabalho.

Na direção oposta à medicalização, outros estudos sobre solidão indicaram que a forma crônica melhorou com o surgimento das relações sociais, o que seria óbvio se não fossem pessoas com aversão ao contato social.

Os cientistas, no entanto, perceberam que, quando essas pessoas afetadas cronicamente tinham um propósito maior que seu auto-isolamento e auto-exame, podiam se comunicar com outras pessoas e se beneficiar da participação em um grupo social. Esse objetivo maior poderia ser, por exemplo, proteção ambiental ou engajamento político, ou mesmo trabalho.

Como sair do isolamento social durante uma pandemia, sentir-se conectado e não sair de casa ao mesmo tempo? É hora de repensar vários relacionamentos, incluindo os familiares. Mas talvez a trilha seja para esse propósito maior.

By Carlos Eduardo

"Fã de música. Geek de cerveja. Amante da web. Cai muito. Nerd de café. Viciado em viagens."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *