O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, perdeu um processo em Wisconsin com o objetivo de desqualificar mais de 221.000 cédulas e desfazer a derrota do democrata Joe Biden nesse estado, informou a AP.

O juiz Stephen Simanek decidiu contra todos os argumentos que os advogados de Trump fizeram contra as cédulas nos dois maiores condados do estado, fundamentando a decisão do tribunal de que a eleição ocorreu corretamente e o que não houve irregularidades como afirmou o atual presidente Donald Trump.

“O ponto principal aqui é que o tribunal deve fazer de tudo para que prevaleça a vontade do eleitor”, justificou o juiz.

Face a isto, Trump rapidamente apelou da decisão desfavorável ao Supremo Tribunal Tribunal de Wisconsin, controlado por conservadores, para anular a decisão do tribunal inferior.

A Suprema Corte de Wisconsin recusou-se anteriormente a considerar o caso de fraude eleitoral de Trump antes que o caso fosse aos tribunais inferiores.

A maioria dos juízes também questionou se as cédulas de desqualificação, como Trump pretendia, seriam apropriadas.

Trump pediu aos juízes do tribunal inferior que decidissem rapidamente para que ele pudesse apelar antes do Colégio Eleitoral se reunir na segunda-feira e dar a Biden 10 votos em Wisconsin.

Isso criou a possibilidade de uma decisão inusitada a ser tomada no fim de semana pelo Supremo Tribunal Federal.

Biden venceu em Wisconsin por cerca de 20.600 votos, uma escassa margem de 0,6%, que resistiu a uma recontagem solicitada por Trump nos dois maiores condados do estado: Milwaukee e Dane. Trump ainda não contestou nenhum boletim de voto nos condados em que ganhou.

Trump pretende desqualificar cédulas de ausentes dados antecipadamente e pessoalmente, dizendo que não houve nenhum pedido por escrito adequado para as cédulas, bem como votos de ausentes lançados por pessoas que alegaram estar em status “indefinidamente confinado”.

Também estão em disputa os votos ausentes coletados pelos funcionários eleitorais nos parques de Madiso e cédulas ausentes, nas quais os funcionários preencheram as informações que faltavam nos envelopes de votação.

Um dos advogados de Trump, Troupis, argumentou que os funcionários do condado de Milwaukee e Dane erraram ao confiar na orientação da Comissão Eleitoral de Wisconsin sobre votos de ausentes.

Troupis argumentou que as diretrizes, algumas das quais existem há anos ou foram modificadas em face da pandemia do coronavírus para facilitar o confinamento das pessoas nas pesquisas, contradizem a lei estadual.

O advogado de Biden, John Devaney, argumentou que todos os que votaram nas eleições presidenciais o fizeram “em total conformidade com as leis em vigor na época da eleição”.

Em sua opinião, não há evidência de fraude ou atividade ilegal, Devaney sustentou, alegando que Trump dirigiu “cinicamente” as cédulas lançadas nos dois condados mais urbanos não brancos em Wisconsin para desqualificar as cédulas.

Devaney observou que ninguém contestou as leis que estavam em vigor antes desta eleição, incluindo Trump quando ele venceu no estado de Wisconsin na eleição presidencial de 2016.

O juiz concordou com os advogados de Biden que a lei de Wisconsin foi aplicada durante a eleição e recontagem.

Trump e seus aliados sofreram uma série de derrotas em Wisconsin e em todo o país em ações judiciais baseadas em alegações de fraude generalizada e abuso eleitoral.

Um juiz federal nomeado por Trump em Wisconsin admitiu que o processo do presidente foi “incrível”, “bizarro” e “muito estranho”, e que anular os resultados das eleições seria “a decisão mais notável na história do sistema judicial federal”.

By Carlos Eduardo

"Fã de música. Geek de cerveja. Amante da web. Cai muito. Nerd de café. Viciado em viagens."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *