Após as homenagens a Sean Connery, o ator que morreu no último sábado, 31, agora vem a público as declarações mais polêmicas do astro de Hollywood. Em entrevistas nas décadas de 1960 e 1980, o eterno 007 defendia a violência contra a mulher e até explicava a técnica que ia usar para bater.
“Acho que não há nada de particularmente errado em bater em mulheres – embora eu não recomende fazer da mesma forma que bater em um homem. Uma placa de mão aberta é justificada se todas as outras alternativas falharem e os respectivos avisos tiverem sido dados. Se uma mulher fosse uma cabra, histérica ou teimosa, ela iria bater nele“explicou o ator e fisiculturista em uma entrevista com ‘Playboy’ em 1965. Embora controversas, as declarações poderiam passar despercebidas na década de 1960 e Sean Connery teria muitas oportunidades de redenção. Em 1987, ele foi questionado sobre o que ele disse sobre o violência contra as mulheres.

“Eu não mudei de ideia”, respondeu Barbara Walters. “Se você tentou todas as alternativas e eles não conseguem esquecer o assunto … As mulheres são muito boas nisso. Eles sempre querem ter a última palavra – e você até lhe dá a última palavra, mas eles não estão satisfeitos. Eles querem repetir coisas e criar uma situação de provocação. Então eu acho que está perfeitamente justificado ”, disse ele.

Em Portugal, a violência contra as mulheres tornou-se crime público há 20 anos. Em caso de ofensa à integridade física, o crime é punível com prisão de 2 a 8 anos.

Lembre-se de Sean Connery, o eterno 007

By Gabriel Ana

"Passionate student. Twitter nerd. Avid bacon addict. Typical troublemaker. Thinker. Webaholic. Entrepreneur."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *