Rubio tem como alvo a fábrica de baterias proposta pela Ford nos EUA usando tecnologia chinesa

WASHINGTON, 9 de março (Reuters) – O senador norte-americano Marco Rubio apresentou nesta quinta-feira uma legislação visando o acordo da Ford Motor (FN) para adquirir tecnologia da empresa chinesa de baterias CATL (300750.SZ) como parte do plano da montadora de gastar US$ 3,5 bilhões construindo uma bateria fábrica em Michigan.

Rubio, o principal republicano no Comitê de Inteligência, apresentou uma legislação que bloquearia os créditos fiscais para baterias de veículos elétricos feitas com tecnologia chinesa, dizendo que isso “limitaria substancialmente a elegibilidade dos créditos fiscais do IRA e impediria que as empresas chinesas se beneficiassem deles”.

A Ford disse em resposta a Rubio que “é muito melhor fazer essas baterias aqui em casa do que continuar contando apenas com importações estrangeiras como fazem outras montadoras. Uma subsidiária integral da Ford sozinha construirá, possuirá e operará esta fábrica. Nenhuma outra empresa receberá dinheiro dos contribuintes dos EUA para este projeto.”

No mês passado, Rubio pediu ao governo Biden que revisasse o acordo da Ford para usar a tecnologia da CATL.

última atualização

Assista mais 2 histórias

Rubio pediu uma revisão imediata do contrato de licença Ford-CATL pelo Comitê de Investimentos Estrangeiros nos Estados Unidos (CFIUS).

Rubio disse que o acordo “só vai aprofundar a dependência dos EUA do Partido Comunista Chinês para a tecnologia de baterias e provavelmente foi projetado para desafiar a fábrica pelos créditos fiscais da Lei de Redução da Inflação (IRA)”.

O CFIUS é um órgão interinstitucional liderado pelo Departamento do Tesouro dos EUA que revisa as transações propostas para garantir que não comprometam a segurança nacional.

O Departamento do Tesouro se recusou a comentar, mas a secretária de Energia, Jennifer Granholm, disse no mês passado que o acordo com a Ford “trará capacidades avançadas de fabricação no exterior para os Estados Unidos é a chave para nossa competitividade, impulsionará nossa economia e criará empregos americanos com altos salários”.

A Ford anunciou que a fábrica criará 2.500 empregos e iniciará a produção de baterias de lítio-ferro-fosfato de baixo custo e recarregáveis ​​mais rapidamente em 2026.

O IRA de US$ 430 bilhões impõe restrições à aquisição de baterias e visa afastar os Estados Unidos da cadeia de suprimentos de veículos elétricos (EV) da China. O IRA eventualmente congelará os empréstimos se os componentes da bateria para veículos elétricos forem fabricados por uma “empresa estrangeira preocupante”, em uma disposição voltada para a China.

Separadamente, o senador democrata Joe Manchin criticou os comentários de um assessor da Casa Branca de que as empresas chinesas serão “grandes participantes” no aumento da produção doméstica de energia.

“É irresponsável alguém falando em nome da Casa Branca não apenas tolerar, mas também endossar a transferência de dinheiro dos contribuintes americanos para empresas chinesas”, disse Manchin.

Reportagem de David Shepardson Editor de Lincoln Feast e Diane Craft

Nossos padrões: A Política de Confiança da Thomson Reuters.

By Carlos Henrique

"Introvertido amigável. Estudante. Guru amador de mídia social. Especialista em Internet. Ávido encrenqueiro."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *