Rodrigo Maia não se rende a Paolo Guedes: "CPMF não passa no Congresso" - Blog para Tales Faria

A programação é para a guerra. Ministro da Economia, Paulo Guedes, decidiu desafiar o prefeito Rodrigo Mai e anunciou que o projeto de reforma tributária do governo incluiria um imposto sobre transações financeiras digitais.

Na prática, esse será o equivalente moderno da antiga CPMF, uma contribuição temporária para transações financeiras, que foi encerrada em 2007.

A diferença é que, na época, a maioria das transações era feita por cheque ou papel-moeda. Hoje, a mídia digital domina as transações financeiras. Portanto, o conceito não muda: haverá um imposto sobre o que é pago e o que é recebido.

Rodrigo Maia disse milhares de vezes que é contra esse imposto. Durante a presidência da Câmara, a nova CPMF não será votada.

Mas o ministro Paulo Guedes insistiu na fórmula novamente. Desta vez, ao que parece, com o apoio da Planalta. O vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, disse aqui no UOL que agora pensa que o imposto será aprovado pelo Congresso. E que até Rodrigo Maia deveria mudar de idéia.

Bem, fui perguntar ao prefeito se, por insistência do governo, ele não acha que é agora. Maia me respondeu irresistivelmente: “Não passe”.

É por isso que digo que um cenário de guerra foi definido.

Guedes não aposta na aprovação de impostos. Hoje, o Palácio do Planalto tem um apoio importante, além dos generais de plantão. A peça central, esse bloco informal de partidos, sem cores ideológicas, reúne cerca de 200 deputados ou algo do tipo, o que geralmente dá vitória ao governo ou à oposição, dependendo de quem apóia os votos em plenário.

Rodrigo Maia foi eleito prefeito com o apoio do centro. Até recentemente, ele era considerado o comandante do grupo. Ele evitou esse selo, mas quando foi reeleito para o comando da Câmara dos Deputados, acabou com uma declaração no bloco.

Mas Bolsonaro seduziu o centro com o que esse grupo de partidos exige mais, uma parte tangível do poder: posições e fundos públicos. O centro estava contra a CPMF. Graças a esse bloco, o Congresso desistiu de impostos em 2007. Agora, porém, não é mais exatamente o oposto.

Arthur Lira, líder do maior partido do centro, o PP, me disse que não achava que o novo imposto fosse CPMF. Em outras palavras, o discurso de Guedes foi adotado: é uma contribuição para transações financeiras, como a CPMF, mas não a CPMF.

A propósito, Lira já está sendo tratada como candidata ao legado de Rodrigo Maia, que é responsável pelas Câmaras.
Mas a verdade é que ninguém no Congresso ainda sabe quem terá mais poder nos votos: um governo com líderes de centro ou Rodrigo Maia, com aquela parte do bloco que não se une ao Planalt, acrescentou à oposição.

Bem, não saberemos até contarmos os mortos e feridos nessa guerra.

O ex-prefeito Marco Maciel repetiu o mantra sobre o jogador de Futebol Clube do Porto, em Portugal. O nome dele era João Pinto. E sempre que perguntavam como a disputa surgiria, ele respondia: “A previsão é apenas no final do jogo”.

É mais provável que a CPMF seja aprovada. Mas haverá uma guerra e o resultado que ninguém sabe ainda.

By Daiana Juli

"Typical internet junkie. Entrepreneur. Reader. Web lover. Thinker. Future teen idol. Bacon scholar. Music aficionado."

One thought on “Rodrigo Maia não se rende a Paolo Guedes: “CPMF não passa no Congresso” – Blog para Tales Faria”
  1. É que vai mexer com o rico dinheirinho deles que até parece que foi ganho suadamente, veja se a maior parte dos brasileiros falam alguma coisa. Bolsonaro abra o olho, põe o exército pra quebrar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *