Reformas previdenciárias na França: Macron assina lei que aumenta a idade de aposentadoria para 64 anos
  • Por Catherine Armstrong
  • BBC Notícias

descrição da imagem,

Desde janeiro, são 12 dias de manifestações contra a reforma da previdência do governo Macron.

O presidente francês, Emmanuel Macron, sancionou a extremamente impopular reforma previdenciária de seu governo, elevando a idade legal de aposentadoria de 62 para 64 anos.

Isso ocorreu horas depois que o principal órgão constitucional da França aprovou a emenda.

O Conselho Constitucional rejeitou os apelos da oposição para um referendo – mas também descartou alguns aspectos das reformas, citando deficiências legais.

Após a decisão do conselho, os manifestantes atearam fogo em Paris e 112 pessoas foram presas.

As manifestações contra as reformas já duram doze dias desde janeiro.

Os sindicatos prometeram continuar se opondo às reformas e pediram aos trabalhadores de toda a França que retornem às ruas no primeiro de maio.

O presidente Macron argumenta que as reformas são essenciais para evitar o colapso do sistema previdenciário. Em março, o governo usou um poder constitucional especial para aprovar as mudanças sem votação.

Ele assinou as reformas na madrugada deste sábado.

O ministro do Trabalho, Olivier Dussopt, disse esperar que as reformas entrem em vigor no início de setembro.

Após a decisão de sexta-feira do Tribunal Constitucional, os sindicatos fizeram um apelo de última hora infrutífero ao presidente para não aprovar o aumento legal da pensão.

Os sindicatos apontaram que seis concessões somadas às reformas foram rejeitadas pela Justiça, dizendo que o que já era injusto agora está “ainda mais desequilibrado”.

Entre as reformas anuladas pelos nove membros do Conselho Constitucional estava o chamado “Índice de Cidadãos Idosos”, projetado para instar empresas com mais de 1.000 funcionários a contratar trabalhadores com mais de 55 anos.

Dussopt prometeu melhorar as taxas de emprego para os maiores de 50 anos para acalmar as preocupações sobre o impacto financeiro do aumento da idade de aposentadoria.

As autoridades proibiram manifestações do lado de fora do prédio do Conselho Constitucional em Paris até a manhã de sábado, mas multidões de manifestantes se reuniram nas proximidades na sexta-feira e a decisão foi recebida com escárnio.

legenda de vídeo,

Assista: reforma previdenciária de Macron é ‘violenta’, diz manifestante em Paris

Alguns manifestantes gritaram que continuariam protestando até que as emendas fossem retiradas.

Posteriormente, vários incêndios foram iniciados em toda a cidade enquanto a tropa de choque tentava conter a situação, às vezes usando gás lacrimogêneo. Um policial de Paris disse que 112 pessoas foram presas.

Incêndios também foram acesos em manifestações em Rennes e Nantes, enquanto em Lyon houve às vezes confrontos tensos entre manifestantes e policiais.

Lucy, 21, estava entre os manifestantes que se reuniram em frente à prefeitura e disse à BBC que estava desapontada “não temos mais o poder”.

“Ninguém nos ouve, não importa o quanto gritemos”, acrescentou ela, prometendo continuar falando.

descrição da imagem,

Lucy (à esquerda) e Raphaëlle (à direita) estão entre os que protestaram contra a reforma da Previdência

Raphaëlle, também de 21 anos, disse que esperava que a decisão do conselho incluísse algo que refletisse o amplo consenso nas ruas contra as reformas.

Cordões foram erguidos nas ruas perto do tribunal e a tropa de choque foi acionada em caso de novos protestos, possivelmente violentos.

Lucas, 27, disse estar preocupado com o futuro e com o que Macron planejou para o resto de sua presidência.

A aliança política de esquerda Nupes foi um dos grupos que recorreram à Justiça contra as reformas, e seu líder Jean-Luc Mélenchon disse que a “luta” vai continuar.

“A decisão do Conselho Constitucional mostra que está mais atento às necessidades da monarquia presidencial do que às do povo soberano”, afirmou.

Marine Le Pen, do partido de extrema-direita Rally Nacional, que também entrou com um processo judicial, respondeu nas redes sociais que “o destino político da reforma previdenciária não está selado”.

A primeira-ministra Élisabeth Borne twittou na sexta-feira que “não há vencedor nem perdedor esta noite”.

Enquanto o tribunal rejeitou uma proposta inicial de referendo sobre as reformas, no mês que vem decidirá sobre outra proposta de votação nacional pela esquerda.

O cientista político francês Antoine Bristielle disse à BBC que não achava que os protestos, que vêm ocorrendo em toda a França nos últimos três meses, terminariam em breve.

“Muita gente disse que as reformas iriam acontecer e que o Tribunal Constitucional não iria evitá-las, por isso não é uma surpresa”, disse.

“Mas acho que veremos muitos tumultos e greves no país nas próximas horas e no fim de semana porque 70% da população francesa ainda é contra a reforma.”

By Carlos Eduardo

"Fã de música. Geek de cerveja. Amante da web. Cai muito. Nerd de café. Viciado em viagens."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *