A Prefeitura do Recife decidiu indicar o conjunto arquitetônico do colégio Sagrada Família como Imóvel de Preservação Especial (IEP).

A indicação é feita por meio da Diretoria de Preservação do Patrimônio Cultural (DPPC), da Secretaria de Planejamento Urbano e da Secretaria de Mobilidade e Controle Urbano do Recife, após o aval do prefeito Geraldo Júlio.

A decisão veio após o anúncio do fechamento da escola, localizada na Praça de Casa Forte, a partir de 2021. A indicação ocorre de acordo com a Lei Municipal nº 16.284 / 97 e visa “resguardar o patrimônio educacional do Recife”, segundo à gestão municipal.

O Colégio da Sagrada Família faz parte de uma congregação francesa fundada por Santa Emília de Rodat e instalada no atual local, terras do antigo Engenho Casa Forte, desde 1907.

A propriedade, composta por um convento, um colégio e uma capela, encontra-se preservada e localiza-se na parte inferior da Praça Casa-Forte, recentemente tombada pelo IPHAN, como obra do Paisagista Burle Marx (1936), formando-se em conjunto com o Igreja da Casa Forte um importante complexo arquitetônico da Zona Norte do Recife.

A iniciativa está em linha com o processo iniciado pela Prefeitura do Recife com a elaboração do Plano de Ordenamento do Território, no qual o DPPC propôs uma atualização conceitual das Zonas Especiais de Preservação do Patrimônio Histórico-Cultural (ZEPH), que foram renomeadas para Zonas Especiais de Preservação do Patrimônio Cultural (ZEPP), permitindo uma maior cobertura do rico patrimônio da cidade.

As propostas, inseridas no âmbito da atualização da Lei de Parcelamento, Uso e Ocupação do Solo (LPUOS), incluem também a ampliação dos polígonos ZEPH existentes e a criação de novas Zonas em vários bairros da cidade, incluindo o bairro da Casa Forte. No entanto, essas iniciativas, que contemplarão não apenas propriedades isoladas, mas áreas urbanas, dependem da aprovação do Plano Diretor, que há dois anos aguarda votação na Câmara Municipal do Recife.

De acordo com a Lei, para a classificação do imóvel como IEP é necessário a elaboração de parecer técnico do DPPC para avaliação do atendimento aos requisitos exigidos. Depois de elaborado, o parecer é submetido ao Conselho de Desenvolvimento Urbano (CDU), que vota pela sua inclusão, ou não, na lista dos IEPs por meio de Decreto Municipal.

A análise do parecer sobre o património do Colégio da Sagrada Família pela CDU está prevista para a próxima reunião do Conselho, que deverá ter lugar no final de novembro.

By Carlos Henrique

"Introvertido amigável. Estudante. Guru amador de mídia social. Especialista em Internet. Ávido encrenqueiro."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *