Por três meses, o australiano e seu cachorro ficaram à deriva de peixes crus até que pescadores mexicanos o resgataram

MANZANILLO, México – Um marinheiro australiano que foi resgatado por um barco de pesca de atum mexicano depois de ficar à deriva no mar com seu cachorro por três meses disse na terça-feira que estava grato por estar vivo, tendo morrido pela primeira vez desde que sua provação começou terra.

Timothy Lyndsay Shaddock, 54, desembarcou na cidade mexicana de Manzanillo após ser examinado a bordo do barco que o resgatou, o Maria Delia.

“Sou muito grato ao capitão e à empresa de pesca que salvou minha vida. Estou vivo e não pensei que conseguiria”, disse Shaddock, acrescentando que ele e sua cadela “maravilhosa”, Bella, estão bem.

Shaddock se descreveu como uma pessoa quieta que adora ficar sozinha no mar. Quando perguntado por que ele deixou a Península de Baja, no México, em abril, para cruzar o Oceano Pacífico até a Polinésia Francesa, ele inicialmente ficou perplexo.

“Não tenho certeza se tenho uma resposta para isso, mas gosto muito de velejar e amo as pessoas no mar”, disse ele. “São as pessoas no mar que nos unem. O oceano está dentro de nós. Nós somos o oceano.”

O catamarã do homem de Sydney partiu da cidade mexicana de La Paz, mas ficou paralisado pelo mau tempo semanas após o início da viagem. Ele disse que a última vez que viu terra foi no início de maio, quando navegou do Golfo da Califórnia para o Pacífico. Era lua cheia.

Shaddock disse que estava bem cuidado, mas uma tempestade prejudicou sua eletrônica e habilidade de cozinhar. Ele e Bella comiam peixe cru.

“Houve muitos, muitos, muitos dias ruins e muitos dias bons”, disse ele.

“A energia, a fadiga é a coisa mais difícil”, disse ele. Ele passava o tempo consertando as coisas e se mantendo positivo entrando na água para “simplesmente gostar de estar na água”.

Quando o helicóptero do barco atuneiro avistou o catamarã de Shaddock a cerca de 1.930 quilômetros da terra, foi o primeiro sinal de pessoas que viu em três meses, disse Shaddock. O piloto jogou-lhe uma bebida e depois voou, apenas para voltar mais tarde do María Delia em uma lancha, disse ele.

O Grupomar, operador da frota pesqueira, não forneceu informações sobre o momento do resgate. No entanto, um comunicado disse que Shaddock e seu cachorro estavam em condições “péssimas” quando foram encontrados, sem provisões e abrigo e a tripulação do barco de atum lhes deu atenção médica, comida e hidratação.

Shaddock disse que o barco de atum se tornou seu país e Bella foi um sucesso instantâneo com a tripulação. Ele também explicou como ele e o cachorro se conheceram.

“Bella de alguma forma me encontrou no meio do México. Ela é mexicana”, disse ele. “Ela é o espírito do centro do país e não me deixou ir. Tentei três vezes encontrar um lar para ela e ela continuou me seguindo na água. Ela é muito mais corajosa do que eu, com certeza.”

Talvez seja por isso que Bella não deixou o barco até que Shaddock partisse na terça-feira. Ele já havia escolhido Genaro Rosales, um tripulante de Mazatlan, para adotá-la com a condição de que cuidasse bem do cachorro.

Shaddock disse que voltará para a Austrália em breve e espera ver sua família novamente.

Houve outras histórias de extrema sobrevivência no mar, mas nem todas tiveram finais felizes.

Em 2016, um pescador colombiano foi resgatado depois de passar dois meses à deriva no Oceano Pacífico. Três de seus tripulantes morreram. Ele foi resgatado por um navio mercante a mais de 2.000 milhas (3.220 quilômetros) a sudeste do Havaí. Ele e os outros estavam pescando na costa colombiana quando o motor do barco falhou e eles ficaram à deriva.

Em 2014, um pescador salvadorenho foi levado à praia no pequeno atol de Ebon, no Pacífico, nas Ilhas Marshall, depois de ficar à deriva no mar por 13 meses. José Salvador Alvarenga deixou o México em dezembro de 2012 para um dia de pesca de tubarão. Ele disse que sobreviveu à base de peixes, pássaros e tartarugas antes de seu barco dar à costa a 8.850 quilômetros de distância.

Em outros casos, os barcos são encontrados, mas sem sobreviventes ou são perdidos.

Segundo a Organização Internacional para Migração, mais de 20.000 migrantes morreram tentando cruzar o Mar Mediterrâneo para a Europa desde 2014.

Antonio Suarez, presidente do Grupomar, disse na terça-feira que esta pode ser a última viagem do María Delia, pois está modernizando a frota da empresa e o barco é o menor e tem mais de 50 anos.

Se assim for, seria uma “despedida maravilhosa que salva vidas”, disse Suarez.

___

O repórter da Associated Press, Christopher Sherman, da Cidade do México, contribuiu para este relatório.

By Carlos Eduardo

"Fã de música. Geek de cerveja. Amante da web. Cai muito. Nerd de café. Viciado em viagens."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *