Pazuello diz que as críticas de Gilmar não o abalaram: "a missão é mais importante"

O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, disse que não foi afetado pelas críticas de Gilmar Mendes, ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), sobre sua presença no comando de uma carteira em meio a uma nova pandemia. coronavírusEm entrevista à revista Veja, o general disse que estava em uma “missão muito mais importante”.

Na semana passada, Gilmar Mendes criticou a presença de militares no Ministério da Saúde, dizendo que a “lacuna” no comando do portfólio não era aceitável. O ministro do STF também disse que os militares estão ligados ao “genocídio” na gestão da pandemia no Brasil.

“Essa acusação não me incomodou. Em combate, o general do departamento é quem cuidará da sua vida e da vida de sua família. Você acha que esse general pode se machucar porque o cara disse isso ou aquilo? A missão é muito mais importante , Estou em guerra com uma doença que já matou 75.000 pessoas [76.822, segundo último boletim], enfrentando interesses e gangues desnecessários que precisam ser derrotados. Com tantos problemas, você está indo para Portugal ou tentando aliviar tudo “, disse Pazuello. Gilmar Mendes fez a declaração durante sua estadia em Portugal, durante o intervalo do STF.

Segundo Pazuell, a declaração do ministro foi “riscada”, mas a conversa por telefone já amenizou sua reação. O ministro disse ainda que enviou um convite a Gilmar Mendes para visitar o Ministério da Saúde.

“Quem são os genocídios? 5.000 funcionários do ministério? 18 funcionários que eu trouxe para trabalhar comigo? Foi uma conversa muito ruim, riscada, na hora errada e uma pessoa que não deveria ter dito isso. Mas eu e o ministro Gilmar já conversamos”, disse ele. é.

“Ele me ligou, eu não pude responder, mas retornei mais tarde. Foi uma conversa tranquila. Eu disse a ele: ‘Não é sua culpa que você tenha informações tão abreviadas que faz essa afirmação.’ Se você quer saber Venha me visitar. “Ele concordou e nos disse para conversar. Se ele entende que precisa conhecer o ministério, verifique o trabalho que fazemos e ainda acha que é genocídio, é seu direito. Mostre tudo. Ele verá até que não há militarização do ministério”, disse ele.

Especificamente em relação às críticas ao excesso de pessoal militar no Ministério da Saúde, Pazuello disse que a maioria das nomeações é para cargos técnicos e que o estigma sobre o assunto precisa terminar.

“Quando o presidente, ainda como secretário executivo, me convocou um acordo para trazer as pessoas em quem confio. O ministério do dia administra cerca de US $ 600 milhões. Eu precisava de um gerente para administrar esse recurso. Em suma, eles trouxeram dezoito militares – quinze “serviço ativo. Apenas quatro militares estão em posições de liderança, o resto é técnico. É a militarização do ministério. Qual é o problema? O militar é um recurso humano treinado e pago pelo contribuinte. precisa ser concluído”, afirmou.

By Daiana Juli

"Typical internet junkie. Entrepreneur. Reader. Web lover. Thinker. Future teen idol. Bacon scholar. Music aficionado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *