A virada abrupta veio depois que autoridades de saúde em Ramallah inspecionaram o primeiro carregamento de quase 90.000 latas na tarde de sexta-feira, disse o ministro da Saúde palestino.

“Verificou-se que as latas não atendiam às especificações técnicas previamente acordadas e que seu prazo de validade era curto”, disse o ministro Mai Alkaila, de acordo com a agência de notícias oficial palestina Wafa.

“É por isso que recorremos ao primeiro-ministro Muhammad Shtayyeh e foi decidido cancelar o negócio”, acrescentou Alkaila.

O governo israelense anunciou na manhã de sexta-feira que iria transferir os estoques excedentes de vacinas Pfizer de Israel para os palestinos nos Territórios Ocupados, um acordo que, de acordo com relatos da mídia israelense, já estava em andamento no governo Netanyahu anterior.

Uma declaração do governo confirmou que as vacinas estavam “prestes a expirar”, mas não estava exatamente claro quanto tempo as autoridades de saúde palestinas teriam para administrar as doses antes da data de validade.

Israel está transferindo pelo menos 1 milhão de vacinas Covid-19 para palestinos sob um acordo de troca

De acordo com a Reuters, Alkaila disse que Israel notificou a AP que as vacinas expiraram em julho ou agosto, mas descobriu-se que a data real era junho.

Sob o acordo acordado, um carregamento de vacinas da Pfizer com destino à Autoridade Palestina no final do ano deveria ser enviado para Israel. A AP diz que agora está pedindo à Pfizer que agilize a entrega aos palestinos de acordo com o contrato original.

Os líderes de Israel receberam considerável reconhecimento internacional pela introdução extremamente bem-sucedida das vacinas Covid-19 do país para sua população de 9 milhões no início deste ano.

Mas eles foram criticados por não fornecer vacinas aos palestinos que vivem na Cisjordânia e em Gaza, o que Israel é obrigado a fazer de acordo com as Convenções de Genebra.

Israel argumentou que foi liberado dessas obrigações pelos Acordos de Oslo, assinados por líderes israelenses e palestinos na década de 1990, que atribuíram a responsabilidade pelos cuidados médicos à Autoridade Palestina.

Quase 450.000 palestinos na Cisjordânia e na Faixa de Gaza receberam até agora a vacina Covid-19, de acordo com a PA, dos quais pouco mais de 270.000 receberam duas doses. Os dois territórios têm uma população entre 4,5 milhões e 5 milhões de pessoas.

By Carlos Eduardo

"Fã de música. Geek de cerveja. Amante da web. Cai muito. Nerd de café. Viciado em viagens."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *