O Brasil de Marta e o USWNT de Megan Rapinoe enfrentam outro grande jogo da SheBelieves Cup

FRISCO, Texas – Em um sorteio da Copa do Mundo, o destino de um país na fase de grupos será decidido em parte pela forma como as bolas de pingue-pongue saem dos potes no palco. Mas as programações de torneios amigáveis ​​são criações humanas.

Então, quando o US Soccer decidiu a ordem de jogo na SheBelieves Cup, o jogo entre os EUA e o Brasil foi obviamente colocado em último lugar. Os organizadores sabiam que era hora de trazer de volta os holofotes para um dos grandes confrontos do futebol feminino.

Não é bem uma rivalidade como, por exemplo, entre Estados Unidos e Canadá. Mas poucos dos principais adversários da América produziram tantos fogos de artifício ao longo dos anos quanto aqueles nas famosas camisetas amarelas.

Houve três confrontos nas Olimpíadas, incluindo os jogos da medalha de ouro de 2004 e 2008; e quatro em Copas do Mundo, incluindo dois dos jogos não finais mais famosos da história dos torneios femininos.

Nas meias-finais de 2007, Marta deu-se a conhecer ao mundo com um “hat-trick” na vitória do Brasil por 4-0. Nas quartas de final de 2011, os EUA venceram nos pênaltis após um empate de 2 a 2 – o jogo em que Megan Rapinoe cruzou para Abby Wambach para marcar indiscutivelmente o gol mais dramático da história feminina dos EUA.

» LEIA MAIS: Kristie Mewis joga jogo de declaração para o USWNT enquanto o relógio avança para a Copa do Mundo

Essas equipes também se encontraram em momentos importantes em projetos de construção nos Estados Unidos entre as Copas do Mundo. Em dezembro de 2014, os EUA disputaram dois sets na capital brasileira, Brasília, sem vencer: derrota por 3 a 2 e empate sem gols. Em julho de 2017, em San Diego, os EUA perderam por 3 a 1 aos 78 minutos para vencer por 4 a 3 com gols de Christen Press, Rapinoe e Julie Ertz.

E em 2018, um subúrbio de Chicago sediou um jogo que ainda é reverenciado pelos muitos fãs que o assistiram. Na final do efêmero Torneio das Nações, um equivalente de verão da SheBelieves Cup, os Estados Unidos tiveram que vencer o Brasil por dois gols para vencer um round robin com Austrália e Japão.

A diferença aumentou para três aos 16 minutos, quando Tierna Davidson desistiu de um gol contra. Mas os EUA voltaram e marcaram quatro gols consecutivos para vencer com a armação de Rapinoe e Tobin Heath.

» LEIA MAIS: O último grande gol de Mallory Swanson leva o USWNT à vitória por 1 a 0 sobre o Japão na SheBelieves Cup

Os EUA e o Brasil se enfrentaram duas vezes desde então, mas ambas as competições foram bastante moderadas: uma vitória dos EUA por 1 a 0 na Copa SheBelieves de 2019 e uma vitória dos EUA por 2 a 0 em um torneio atingido pela pandemia em 2021.

O confronto de quarta-feira (19h TNT, Universo, HBO Max, Peacock) será menor do que poderia ser devido à derrota do Brasil para o Canadá no domingo. Ainda assim, este ano de Copa do Mundo parece um bom momento para outro clássico, com o Toyota Stadium e o National Soccer Hall of Fame como pano de fundo.

Muitos dos atuais jogadores americanos um dia usarão os blazers vermelhos do estádio. Espero que a superestrela brasileira Marta também o faça, tendo sido famosa anteriormente na NWSL e WPS.

Mas desta vez, Marta não é a única atração do Brasil – e é por isso que este jogo tem tanto potencial. Debinha, Kerolin e Geyse também são grandes talentos e a técnica Pia Sundhage pediu à Federação Brasileira que invista mais recursos nos bastidores.

» LEIA MAIS: Em meio a meses de perguntas, o meio-campo do USWNT agora oferece respostas

Debinha (ao centro) comemora o gol do Brasil contra o Japão pela SheBelieves Cup na última quinta-feira..continue lendoPhelan M. Ebenhack/AP

“Na minha opinião, Marta é a melhor jogadora que já jogou em nosso esporte”, disse Rapinoe na terça-feira em um treino nos Estados Unidos. “Ser capaz de conectar aquela sabedoria ancestral da Marta com jogadoras como Debinha, Kerolin – quer dizer, é uma loucura. Eles provaram seu valor na liga e sempre são apenas um punhado irritante em nível internacional”.

Não que Sundhage precise explorar tanto os EUA. Embora já se passaram 11 anos desde que ela treinou os EUA para sua segunda medalha de ouro olímpica consecutiva, ela ainda conhece o programa melhor do que ninguém.

“Tenho 100% de certeza de que os EUA começarão a 110 mph”, brincou ela.

É quase certo que o papel de Marta será limitado, tendo acabado de retornar à ação após 10 meses com uma lesão no LCA. As americanas, porém, sabem que até como reserva podem virar o jogo – como fez com uma brilhante assistência para Debinha contra o Japão, em Orlando, na última quinta-feira.

» LEIA MAIS: Emily Fox jogou de volta pelo USWNT contra o Canadá. Isso é bom ou ruim?

Lá e no domingo em Nashville, o público a aplaudiu de pé quando ela entrou em campo. Os fãs americanos sabem quando estão vendo uma lenda, não importa de que lado estejam, e todas as oportunidades de ver Marta são dignas de nota.

De sua parte, a jogadora de 37 anos saudou a torcida ao entrar em sua sexta Copa do Mundo neste verão como a única jogadora a marcar em cinco Copas do Mundo – homens ou mulheres.

“É algo que faz você se sentir mais motivado todos os dias”, disse ela no domingo, depois que um vídeo de seus torcedores encorajadores durante o aquecimento pré-jogo se tornou viral. “Quero fazer um bom show, fora do campo, mas na maioria das vezes no campo para essas pessoas, porque elas merecem.”

» LEIA MAIS: A SheBelieves Cup marca um marco nos novos acordos de igualdade salarial do futebol americano com seus jogadores

By Gabriel Ana

"Passionate student. Twitter nerd. Avid bacon addict. Typical troublemaker. Thinker. Webaholic. Entrepreneur."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *