Macacos fazendo flocos de pedra provocam perguntas sobre os primeiros humanos: tiros

Os macacos usam pedras como martelos para abrir alimentos como mariscos e nozes.

Lydia V. Lucz


Ocultar legenda

alternar legenda

Lydia V. Lucz

Os macacos usam pedras como martelos para abrir alimentos como mariscos e nozes.

Lydia V. Lucz

Quando os macacos na Tailândia usam pedras como martelos e bigornas para quebrar nozes, eles muitas vezes criam acidentalmente lascas de pedra afiadas que se parecem com as ferramentas de corte de pedra dos primeiros humanos.

Esta descoberta surpreendente descrito no diário avanços científicosOs arqueólogos estão se perguntando se precisam reconsiderar suas suposições sobre alguns dos artefatos de pedra feitos pelos primeiros ancestrais humanos há mais de um milhão de anos.

“Você tem um monte de primatas não humanos criando objetos que se parecem muito com coisas que queríamos atribuir exclusivamente ao comportamento humano e aos ancestrais humanos”, diz ele. Jéssica Thompsonum paleoantropólogo da Universidade de Yale que não fazia parte da equipe que conduziu esta nova pesquisa.

Ela observa que a criação de ferramentas afiadas de pedra, que podem datar de 3,3 milhões de anos atrás, há muito é vista como uma inovação tecnológica fundamental na história humana, incorporada a uma variedade de suposições sobre a evolução de seres exclusivamente humanos. Características.

Mas agora, diz Thompson, os arqueólogos estão lutando com o problema de descobrir se lascas de pedra afiadas foram feitas intencionalmente ou acidentalmente.

“Tem implicações que vão desde quando as primeiras ferramentas de pedra foram feitas pelos primeiros humanos até quando as pessoas começaram a se mudar para a América do Sul”, diz ela.

Os cientistas costumavam pensar que fabricar e usar ferramentas era uma atividade puramente humana, mas agora eles sabem que o uso de ferramentas não é tão incomum em animais.

Ainda assim, o uso de ferramentas de pedra por primatas é bastante raro.

Um pequeno número de chimpanzés na África Ocidental é conhecido por usar rochas como pedras de martelo, embora não deixem muitos flocos, talvez por causa do tipo de rocha que usam.

E foi demonstrado que macacos-prego no Brasil batem sementes e nozes com pedras – algo que eles parecem fazer há centenas de anos, deixando para trás sua própria arqueologia registro.

É por isso que alguns pesquisadores chamaram recentemente Perguntar Algumas das primeiras evidências no Brasil de quando os humanos podem ter entrado no continente dizem que sítios antigos podem ter sido criados por macacos em vez de humanos há 50.000 anos.

Os macacos-prego às vezes também quebram pedras intencionalmente, batendo-as juntas por razões desconhecidas (eles também às vezes lambem ou cheiram as pedras esmagadas).

Esta atividade cria acumulações de flocos de bordas afiadas que podem ver como ferramentas de pedra feitas propositadamente – embora esses macacos no Brasil nunca usem os flocos quebrados como ferramentas, relataram cientistas em 2016.

Alguns dos pesquisadores envolvidos neste estudo agora voltaram sua atenção para os macacos selvagens de cauda longa na Tailândia. Esses macacos rotineiramente usam pedras como bigorna e martelo para quebrar nozes de óleo de palma.

“Eles são um pouco maiores que amendoins e podem ser bem duros”, diz ela Tomos Profitt, com o Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva. “Você coloca a noz de dendê na bigorna e usa uma pedra de martelo em uma ou nas duas mãos.”

Como os macacos tentam repetidamente acertar a noz, às vezes eles erram e, em vez disso, acertam as duas pedras juntas. Isso cria fragmentos de rocha que se acumulam ao redor da bigorna.

“Essas ferramentas e esses fragmentos pareciam muito semelhantes a algumas das coisas que veríamos nos primeiros registros arqueológicos”, diz Proffitt.

David Brownum arqueólogo da Universidade George Washington, diz que na verdade foi “um pouco perturbador” para ele entrar na floresta e ver centenas de artefatos no chão, “e saber que não há ninguém fazendo isso”.

Uma pedra de bigorna e martelo usada por um macaco de cauda longa para quebrar nozes.

Lydia V. Lucz


Ocultar legenda

alternar legenda

Lydia V. Lucz

Uma pedra de bigorna e martelo usada por um macaco de cauda longa para quebrar nozes.

Lydia V. Lucz

Se arqueólogos como ele encontrassem essas ferramentas em uma escavação há um milhão de anos, “teríamos diagnosticado: ‘Ah, eles fazem flocos para cortar as coisas'”. Mas eles não são.”

Ninguém viu esses macacos fazerem nada com os flocos – aparentemente eles não têm nada que queiram cortar. “Assim que um floco cai no chão, ele simplesmente fica onde está”, diz Proffitt.

Ele e seus colegas analisaram mais de mil pedaços de rocha associados aos macacos, que eles descrevem como “o conjunto de dados mais abrangente de penugem e lascas de primatas não humanos até agora”.

Quando compararam essas pedras com coleções de artefatos de pedra ou conjuntos de antigos sítios ancestrais humanos na Tanzânia, Quênia e Etiópia, eles encontraram muitas semelhanças e sobreposições.

Existem maneiras de distinguir ferramentas de pedra feitas especificamente para corte, como a presença de ossos de animais com marcas de corte ou modificações adicionais para tornar as ferramentas mais sofisticadas ou evidências de que a pedra foi importada de outro local especificamente para a fabricação de ferramentas.

Os arqueólogos também podem observar o núcleo da rocha que foi atingido para produzir lascas para ver se há algum padrão que sugira que o fabricante de ferramentas entendeu os padrões de fratura e os explorou.

No entanto, Braun diz que uma pessoa poderia jogar “um monte” de flocos produzidos por macacos em uma escavação de artefatos humanos primitivos e ninguém notaria.

“As agregações que vemos no registro fóssil são feitas por macacos? Provavelmente não”, diz Braun.

Mas ele acredita que os arqueólogos agora precisam considerar seriamente que alguns, se não muitos, dos flocos pontiagudos que eles veem em sítios humanos podem ter sido acidentais.

“É inteiramente possível que parte do disco que supomos estar associado à criação de arestas vivas seja, na verdade, tecnologia percussiva”, diz ele.

Em particular, Thompson acredita que este estudo pode contribuir para o debate sobre a natureza de um arqueólogo. Propriedade no Quênia há 3,3 milhões de anos.

Este site tem o que parece ser ferramentas de pedra muito primitivas que são as mais antigas já encontradas. Eles são tão velhos que devem ter vindo de uma espécie mais antiga que os primeiros humanos do mundo. homo Gênero.

Emma Feinsteinum especialista em ferramentas de pedra do Museu de História Natural de Cleveland, diz que é interessante manter essa nova pesquisa em mente ao pensar sobre o primeiro uso de ferramentas de pedra na história da humanidade.

“Poderia ter começado com o comportamento percussivo se tornando mais proeminente, e então os flocos apareceram como um subproduto da percussão?” Ela diz. “Talvez esta seja uma pista de como as ferramentas de pedra começaram.”

Chimpanzés e outros primatas com caninos afiados não precisam de facas porque podem rasgar qualquer coisa que quiserem com os dentes, diz Braun.

Embora primatas selvagens não tenham sido observados usando ferramentas cortantes, primatas cativos podem ser treinados para usá-las, e um orangotango cativo não treinado foi observado usar espontaneamente uma pedra afiada para cortar alguma coisa.

Ao longo da evolução humana, os dentes diminuíram à medida que os cérebros cresceram, diz Braun, e ferramentas de corte afiadas tornaram-se uma necessidade se os humanos quisessem usar caça grossa como fonte de alimento.

A crescente percepção de que uma variedade de primatas inadvertidamente cria lascas de pedra mostra que os primeiros ancestrais humanos provavelmente teriam muitas ferramentas possíveis ao seu alcance se e quando algo precisasse ser cortado.

“Certamente eles os teriam produzido ou poderiam tê-los produzido”, diz ele, “muito mais cedo do que realmente precisavam deles.”

By Gabriel Ana

"Passionate student. Twitter nerd. Avid bacon addict. Typical troublemaker. Thinker. Webaholic. Entrepreneur."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *