Jogadoras indígenas brasileiras de olho na Copa do Mundo Feminina

PERUIBE, Brasil (AP) – A Copa do Mundo Feminina deste ano na Austrália e na Nova Zelândia está a um mundo de distância da líder indígena brasileira Guaciane da Silva Gomes, que vive na remota aldeia de Tapirema, no sul do estado de São Paulo. Mas ela e seus companheiros ainda podem sonhar com isso.

Gomes e seus amigos, indígenas e não indígenas, jogam futebol em um campo empoeirado entre um lago e palmeiras na cidade de Peruíbe, 138 quilômetros ao sul de São Paulo. Encontrando apenas um punhado de outros jogadores, ela se junta aos homens e trabalha duro para manter sua paixão. Uma paixão que ela acredita que crescerá com a Copa do Mundo Feminina.

“Com certeza vou encontrar tempo e lugar para assistir, aprender algumas técnicas e ver o melhor dos melhores”, disse Gomes no fim de semana passado, depois de jogar nos primeiros Jogos Indígenas de Peruíbe. “O que eles fazem lá também nos inspira aqui. Estamos todos em busca de visibilidade.”

As mulheres indígenas do Brasil costumam liderar suas aldeias e grupos, mas por muitos anos foram menosprezadas quando tentavam jogar futebol. À medida que o país sul-americano melhora sua estrutura para as jogadoras, as indígenas dizem que também se sentem estimuladas a praticar o esporte. Eles fizeram isso em todo o país, inclusive no coração da Amazônia, onde o time subalterno Hiwi FC e seus cinco jogadores indígenas estão baseados.

Gomes e suas companheiras de equipe em Peruíbe esperam que o Brasil 2027 possa sediar a próxima edição da Copa do Mundo Feminina para que possam jogar ao vivo ou assistir às partidas. Uma das jovens indígenas que sonha em jogar em casa é a meia adolescente Suri Jará.

“Ser um jogador de futebol profissional seria ótimo, assim como arco e flecha e luta livre”, disse Jurá à Associated Press, respirando pesadamente após um jogo nos Jogos Indígenas. “Definitivamente precisamos de mais estrutura para ter uma chance. Jogamos principalmente amistosos aqui, não há grandes clubes por perto e é difícil jogar na cidade e voltar. No entanto, podemos sonhar.”

O clube da primeira divisão mais próximo de Peruíbe é o Santos, que fica a cerca de 80 quilômetros da aldeia indígena. O Santos, ex-casa do astro do futebol Pelé, pode ter um time profissional de futebol feminino, mas os olheiros do clube raramente buscam talentos femininos muito longe de suas sedes.

Para muitas mulheres indígenas brasileiras que vivem em regiões remotas onde a televisão via satélite é escassa, assistir à Copa do Mundo Feminina não será fácil. Conexões de internet são menos difíceis de encontrar e muitos na aldeia usam seus telefones para assistir aos jogos.

Quando a tecnologia não for mais um problema, muitas jovens indígenas provavelmente terão filhos para cuidar. A cultura do grupo na maioria das regiões prega que mulheres com mais de 10 anos já são adultas, o que muitas vezes as leva a casamentos e gravidezes precoces, diminuindo suas chances de jogar.

Dora Dina, uma anciã da aldeia de Tapirema, disse à margem de um jogo de futebol que era muito mais difícil para as mulheres praticar esportes quando eram jovens.

“Eu nunca poderia ter sonhado em fazer isso. Agora nossas meninas estão sonhando com novos sonhos e o futebol é um deles”, disse Dina enquanto as jogadoras tropeçavam no campo. “Não posso dizer se algum deles fará isso profissionalmente, mas o que importa agora é que eles possam se divertir. No passado, muitas mulheres nunca poderiam aproveitar como fazem hoje.”

Fora da aldeia, uma equipe de mulheres indígenas conseguiu prosperar em São Paulo. O Team Xondarias Guarani foi formado em janeiro de 2019 após a fusão de dois clubes regionais. Eles jogam torneios locais de futebol de salão e treinam duas vezes por semana na esperança de serem vistos por um olheiro um dia.

Vanessa Fernandes dos Santos é uma das que aguardam uma chamada para entrar num clube. Dos Santos, de 19 anos, joga na lateral direita e é uma grande fã da estrela brasileira Marta, que pode estar fazendo sua última aparição na Copa do Mundo este ano aos 37 anos. Dos Santos não admite, mas seus companheiros dizem que ela quer suceder a rainha do futebol brasileiro.

“É bom se sentir importante para o time. É por isso que quero me tornar profissional um dia”, disse a tímida dos Santos após uma partida de futsal perto de sua vila de Jaraguá. “Estou feliz que meninos e meninas querem nos ver jogar. Eu sei que não era assim antes.”

A goleira do Guarani, Jacileide Martins, do Xondária, assistirá ao Mundial Feminino de sua vila na zona norte de São Paulo. Ela não espera mais ser profissional, sonho que acalentava há muitos anos, mas tem um plano B.

“Quero muito que uma mulher do Guarani jogue em um grande clube e talvez na seleção”, disse Martins, de 32 anos. “Estamos mais perto disso agora do que quando comecei minha carreira.”

___

Mais AP Soccer: https://apnews.com/hub/Soccer e https://twitter.com/AP_Sport

By Carlos Jorge

"Proud coffee expert. Webaholic. Zombie guru. Introvert. Avid beer aficionado. Analyst. Total TV practitioner. Award-winning foodie. Student."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *