PARIS, 14 de setembro (Reuters) – O ministro das Relações Exteriores da França criticou na terça-feira os planos de trazer mercenários russos ao Mali, dizendo que tal movimento era “incompatível” com a presença militar francesa em sua ex-colônia.

Fontes diplomáticas e de segurança disseram à Reuters que um acordo foi alcançado entre a empresa militar privada russa Wagner Group e a junta governante do Mali para permitir que os mercenários treinem os militares malineses e protejam altos funcionários.

Questionado pelos legisladores sobre o relatório, o Ministro das Relações Exteriores Jean-Yves Le Drian disse: “Wagner é uma milícia que mostrou no passado na Síria e na República Centro-Africana que cometeu abusos e todos os tipos de violações que não correspondem a qualquer solução e, portanto, é incompatível com a nossa presença. “

“Digo isso para que seja ouvido”, disse ele.

A ministra das Forças Armadas Federais, Florence Parly, disse em uma audiência separada que estava “extremamente preocupada” com tal acordo.

As fontes disseram à Reuters que Paris tomou medidas diplomáticas para impedir a junta – que assumiu o poder por meio de um golpe em maio – de implementar o acordo. Paris consideraria sair do Mali se o acordo fosse fechado, disseram eles.

A França teme que a chegada de mercenários russos prejudique sua operação antiterrorista de uma década contra a Al-Qaeda e os insurgentes afiliados ao Estado Islâmico no Sahel da África Ocidental, assim que começa a reduzir sua missão de 5.000 homens lá para que eles remodelem com mais aliados europeus , disseram as fontes diplomáticas.

O presidente Emmanuel Macron anunciou esses planos em julho. A França teve algumas vitórias contra os militantes nos últimos meses, mas a situação é extremamente frágil, agravada pelos distúrbios no Mali após o golpe.

Uma fonte europeia que rastreia a África Ocidental e uma fonte de segurança na região disse que pelo menos 1.000 mercenários podem estar envolvidos no negócio do Grupo Wagner. Duas outras fontes acreditavam que o número era menor, mas não forneceram nenhum número.

Quatro fontes disseram que o Grupo Wagner receberá aproximadamente 6 bilhões de francos CFA (US $ 11 milhões) por mês por seus serviços. A Reuters não conseguiu entrar em contato com o grupo Wagner para comentar

Reportagem de John Irish; Adaptação de Angus MacSwan

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

By Carlos Eduardo

"Fã de música. Geek de cerveja. Amante da web. Cai muito. Nerd de café. Viciado em viagens."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *