“Foi uma votação fraudulenta”, proclamou Trump, ao falar por videoconferência a vários senadores republicanos durante a Assembleia local da Pensilvânia.

Este estado, que é predominantemente republicano e um dos mais importantes do Colégio Eleitoral, certificou nesta terça-feira a vitória do candidato democrata e agora presidente eleito Joe Biden.

A certificação dos resultados, para Trump, apenas cimenta a fraude eleitoral perpetrada pelos democratas e, portanto, é necessário “reverter esta eleição”.

No entanto, aos poucos, o ainda chefe de Estado norte-americano vai ficando mais isolado nas acusações infundadas de tentar mexer nos resultados presidenciais.

A transição entre administrações que estava sendo bloqueada pelo atual executivo, que apoiou a decisão na crença infundada de que os resultados presidenciais eram fraudulentos.

“No melhor interesse de nosso país, eu recomendei Emily [Murphy, responsável da Administração dos Serviços Gerais dos EUA] e sua equipe para fazer o que deve ser feito em relação aos protocolos iniciais [de transição de administrações]e disse à minha equipe para fazer o mesmo ”, escreveu Trump na rede social Twitter na noite de segunda-feira.

No entanto, o ainda chefe de estado americano não admitiu a derrota nas eleições presidenciais e considerou, no mesmo tweet, que ainda há chance de reversão dos resultados eleitorais.

“Nosso caso continua forte, vamos manter a luta e acredito que vamos vencer”, explicou Donald Trump.

Como vários estados, especialmente aqueles que Biden conseguiu ‘virar’ e que são ‘de grande peso’ dentro do Colégio Eleitoral, como Geórgia e Pensilvânia, anunciaram a vitória do democrata, a candidatura de Trump intensificou alegações nunca fundamentadas de fraude eleitoral.

Joe Biden será o 46º presidente dos Estados Unidos.

By Carlos Eduardo

"Fã de música. Geek de cerveja. Amante da web. Cai muito. Nerd de café. Viciado em viagens."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *