Os advogados de Donald Trump prometeram, no entanto, apelar para a Suprema Corte, apesar da avaliação dos juízes revelando que “as alegações da campanha não são válidas”.

“Eleições livres e justas são a força vital da nossa democracia. As acusações de injustiça são graves. Mas chamar uma eleição injusta não significa que seja. As acusações exigem alegações específicas e, em seguida, evidências. Não temos nenhum aqui ”, escreveu o juiz Stephanos Bibas, indicado por Trump, que faz parte de um painel de três juízes, todos indicados por presidentes republicanos.

Este pedido para contestar os resultados da eleição foi discutido na semana passada no tribunal federal pelo advogado de Donald Trump, Rudy Giuliani, que argumentou durante um discurso de cinco horas que a eleição presidencial deste ano foi marcada por fraude generalizada na Pensilvânia.

No entanto, nenhuma prova concreta foi apresentada em tribunal.

O juiz Matthew Brann enfatizou que a reclamação da equipe de Trump era falha e “como o monstro de Frankenstein, foi costurada ao acaso”, negando o direito do advogado de alterá-la uma segunda vez.

O tribunal de apelação classificou as mudanças como “fúteis” em um painel formado pelo juiz chefe Brooks Smith e pelo juiz Michael Chagares, junto com Stephanos Bibas.

“Os eleitores, não os advogados, escolhem o presidente. Os boletins de voto, e não os argumentos, decidem as eleições ”, disse Bibas no parecer, que também negou o pedido da campanha de Trump para impedir o estado de certificar os resultados.

Autoridades da Pensilvânia anunciaram na terça-feira que certificaram sua contagem de votos a favor do presidente eleito Joe Biden, que derrotou Trump por mais de 80.000 votos naquele estado.

Nacionalmente, Biden e o vice-presidente Kamala Harris conquistaram cerca de 80 milhões de votos, um recorde nas eleições presidenciais dos Estados Unidos.

Donald Trump revelou que espera que a Suprema Corte intervenha nesses processos como fez em 2000, quando ele decidiu interromper a contagem de votos na Flórida e entregou a eleição ao republicano George W. Bush.

Desde as eleições de 3 de novembro, Trump e sua equipe classificaram a votação como fraudulenta e entraram com uma série de ações judiciais para tentar bloquear os resultados em seis estados-chave para o resultado da eleição.

Até agora, eles obtiveram pouca ‘simpatia’ por parte dos juízes, com praticamente todos rejeitando reclamações sobre a alegada falha de segurança nos votos postais usados ​​por milhões de pessoas devido à pandemia covid-19.

By Carlos Eduardo

"Fã de música. Geek de cerveja. Amante da web. Cai muito. Nerd de café. Viciado em viagens."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *