O Conselho da União Europeia (UE) recomendou que os Estados-Membros retirassem gradualmente as restrições de viagem a oito países terceiros, aconselhando em particular a retomar as ligações às regiões administrativas de Macau e Hong Kong, mas apenas por reciprocidade.

Em nota, o Conselho informou que atualizou a “lista de países [terceiros] para as quais as restrições de viagem devem ser retomadas ”, conforme acordado pelos Estados-Membros em junho, ao adotar uma recomendação sobre o levantamento gradual das restrições temporárias às viagens não essenciais para a UE no auge da pandemia covid-19.

Neste contexto, e “com base nos critérios e condições” estabelecidos nesta recomendação, a estrutura em que os países estão representados tem defendido que, a partir de hoje, “os Estados-Membros devem retirar gradualmente as restrições de viagem nas fronteiras externas” para oito países , nomeadamente para “as regiões administrativas especiais chinesas – Hong Kong e Macau -, sob reserva de confirmação de reciprocidade”.

É também nessa condição de reciprocidade que a China permanece, ou seja, até que o país asiático reabra suas fronteiras com a UE, como já vem acontecendo.

Incluindo a China, oito países terceiros estão cobertos, incluindo Austrália, Japão, Nova Zelândia, Ruanda, Cingapura, Coréia do Sul e Tailândia.

Dada a lista anterior, divulgada no final de outubro, o Conselho da UE deixa de fora o Uruguai.

Países como os Estados Unidos da América, Rússia, Índia e Brasil também permanecem de fora, assim como todos os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) e Timor-Leste, que de facto nunca fizeram parte desta ‘lista verde’, dada a situação epidemiológica.

Na nota hoje divulgada, o Conselho da UE recordou que “os critérios para determinar os países terceiros para os quais a atual restrição de viagens deve ser levantada abrangem, em particular, a situação epidemiológica e as medidas de contenção, incluindo a distância física, bem como as considerações económicas e sociais”.

“Esses critérios são aplicados cumulativamente. A reciprocidade também deve ser levada em conta regularmente e caso a caso ”, disse a estrutura.

Para a elaboração desta lista de países terceiros para os quais podem ser retomadas as ligações com a Europa, foram determinados critérios como o número de casos de contágio nos últimos 14 dias – e por 100.000 habitantes – idêntico ou inferior à média da UE. , e há uma estabilização ou redução da tendência de casos novos nesse período em relação aos 14 dias anteriores.

Outro critério é também a resposta global à pandemia, levando em consideração aspectos como os exames realizados, medidas de contenção, vigilância e tratamentos.

Estão isentos dessas restrições às viagens de países terceiros para a UE os cidadãos europeus e membros da família, os residentes de longa duração na União e as suas famílias e os viajantes com funções ou necessidades especiais.

A pandemia covid-19 causou pelo menos 1.649.927 mortes resultantes de mais de 74,1 milhões de casos de infecção em todo o mundo, de acordo com um relatório da agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detectado no final de dezembro de 2019 em Wuhan, uma cidade no centro da China.

By Carlos Henrique

"Introvertido amigável. Estudante. Guru amador de mídia social. Especialista em Internet. Ávido encrenqueiro."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *