O estudo, que foi publicado na semana passada na Nature, acompanhou a movimentação de 98 milhões de pessoas nas áreas metropolitanas de Atlanta, Chicago, Dallas, Houston, Los Angeles, Miami, Nova York, Filadélfia, São Francisco e Washington DC.

Os pesquisadores concluíram que em áreas onde a taxa de infecção é mais elevada é possível estabelecer uma ligação com a movimentação de pessoas em “pontos de interesse” muito específicos. Em particular os espaços comerciais lotados em áreas onde a população tem baixos rendimentos.

“Nosso modelo prevê que uma pequena minoria de pontos de interesse é responsável por uma grande maioria das infecções e que restringir a capacidade máxima em cada um desses pontos de interesse é mais eficaz do que reduzir uniformemente a mobilidade”, diz o estudo. . “Também descobrimos que os grupos com maiores dificuldades financeiras não têm conseguido reduzir a mobilidade tanto quanto os outros grupos e que os pontos de interesse que visitam estão mais lotados e, por isso, apresentam maior risco ”.

Este trabalho de pesquisa fortalece as decisões de saúde pública para reduzir a aglomeração em espaços públicos e para fechar certos negócios para controlar a taxa de infecção de Covid-19.

Para New York Times, um dos pesquisadores, Jure Leskovec, disse que o estudo também descobriu que os restaurantes são os espaços mais preocupantes. “De longe os espaços mais arriscados”, disse ele. “Cerca de quatro vezes mais que ginásios ou cafés, seguidos de hotéis”.

Ainda esta semana, no 360 da RTP 3, o pneumologista António Diniz explicou que o risco é maior nos restaurantes porque duas medidas essenciais de higiene respiratória são automaticamente abandonadas. A proximidade, muitas vezes com as pessoas cara a cara e a falta da máscara, que é retirada para as pessoas comerem.

O estudo da University of Standford também concluiu que em restaurantes em áreas menos favorecidas o risco é maior, pois o espaço tende a ser menor e a ser mais lotado.

No mesmo sentido, lojas em áreas de baixa renda têm 60% mais pessoas por metro quadrado e as pessoas tendem a ficar mais tempo dentro delas, indica o estudo. Mais uma vez, o risco é maior.

Os pesquisadores, portanto, alertam para o risco de abrir todos os negócios 100 por cento. O impacto na taxa de infecção seria exponencial. “A primeira conclusão importante a que chegamos com este modelo é que, se as pessoas continuassem suas vidas sem restrições, um terço da população nas 10 maiores cidades americanas seria infectada após um mês”, disse Jure Leskovec.

A solução, acrescenta, é abrir a economia em diversos níveis.

By Carlos Eduardo

"Fã de música. Geek de cerveja. Amante da web. Cai muito. Nerd de café. Viciado em viagens."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *