Folhapress

OCDE recomenda que governo expanda o programa Bolsa Família

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – Em relatório sobre a situação econômica do Brasil, a OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) recomendou que o governo aumentasse o número de beneficiários e valorizasse as parcelas do programa Bolsa Família. O documento, divulgado nesta quarta-feira (16) pelo organismo internacional conhecido como clube dos países ricos, sugere que essa expansão deve ser feita a partir da economia gerada com o objetivo de reajustes acima da inflação para os benefícios da previdência social. A OCDE também defende a reestruturação do serviço público, reforma tributária e ações que reduzam os gastos obrigatórios do governo. Segundo a entidade, sem reajuste automático do valor dos benefícios do Bolsa Família, os repasses do programa caíram 22% em termos reais (considerando o efeito da inflação) em 15 anos. “Essas transferências têm forte impacto sobre a pobreza e a desigualdade”, diz o relatório, entregue formalmente ao governo. “O aumento dos benefícios e dos limites de elegibilidade tem grande potencial para reduzir ainda mais a pobreza”. A entidade afirma que os gastos com o Bolsa Família representam 0,5% do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro e levam a uma redução de 15% nas taxas de pobreza, atingindo a parcela mais vulnerável da população. A OCDE argumenta que o ajuste automático dos benefícios da seguridade social tem geralmente ajudado famílias não pobres. Por isso, ele defende que as pensões e pensões deveriam ser reajustadas apenas pela inflação, sem ganho real, o que abriria espaço para mais gastos com o Bolsa Família. “A revisão dos atuais arranjos de indexação poderia liberar recursos para transferências mais eficientes e gerar reduções significativas na pobreza a um baixo custo fiscal”, diz o relatório. A entidade também defende adequações no programa de assistência para que o trabalhador dispensado receba o benefício rapidamente – hoje, a espera pode levar meses. Também afirma que as parcelas devem ter uma redução gradual de valor, e não um corte abrupto, para quem encontra trabalho. Durante a pandemia, o governo tentou acelerar um plano de reforço do Bolsa Família, que passaria a se chamar Renda Brasil. O novo programa substituiria a ajuda emergencial, que termina neste mês. O plano acabou enterrado após desentendimentos entre a equipe econômica, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e líderes partidários. A equipa do ministro Paulo Guedes (Economia) defende a fusão das ações sociais existentes num programa alargado. A ideia foi vetada pelo Bolsonaro. Após críticas, o plano apresentado pelos parlamentares e pelo governo de financiar o programa com recursos dos precatórios, dívidas da União reconhecidas na Justiça, também foi arquivado. Nesta semana, Bolsonaro disse que não haverá extensão da ajuda emergencial ou a criação de um novo programa de distribuição de renda. Segundo ele, a ideia é “aumentar um pouco” o Bolsa Família. A OCDE diz que a pandemia do coronavírus lançou o Brasil em uma recessão profunda e argumentou que o governo deveria melhorar a eficiência dos gastos, aumentar a produtividade e melhorar as políticas de treinamento profissional. “O ajuste fiscal deve ser retomado após a crise, mas pode ser feito melhorando a eficiência dos gastos, sem a necessidade de aumento de impostos por meio de alíquotas mais altas ou novos impostos e sem comprometer o crescimento ou a inclusão”, diz o documento. O relatório afirma que há muito espaço para revisar os incentivos fiscais e defende uma reestruturação do sistema tributário do país. A OCDE enfatiza que a reforma administrativa (reestruturação do serviço público) irá gerar economia e melhorar a qualidade do serviço público. A organização também diz que é inevitável revisar os gastos obrigatórios do governo e as regras que indexam os gastos públicos. Entre as medidas citadas, a entidade pede a aprovação da autonomia formal do BC (Banco Central). O projeto já foi aprovado no Senado e ainda depende de votação na Câmara. A OCDE ressalta que o desmatamento no país voltou a aumentar e argumenta que o governo deve liberar recursos adicionais para expandir os esforços de fiscalização nesta área.

By Carlos Jorge

"Proud coffee expert. Webaholic. Zombie guru. Introvert. Avid beer aficionado. Analyst. Total TV practitioner. Award-winning foodie. Student."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *