Com mais tecnologia, Walmart está pisando no freio nas contratações

As pressões inflacionárias levam o gigante do varejo Walmart a desacelerar as contratações, segundo reportagem da Reuters.

O CFO do Walmart, John David Rainey, disse aos investidores durante uma reunião anual que o crescimento mais lento dos funcionários foi um fator na mudança da empresa para mais automação e tecnologia. Rainey também disse aos investidores que, embora espere que a inflação caia para apenas 3% até o final do ano, a empresa ainda está sentindo os efeitos dos preços mais altos.

A inflação atingiu o setor de supermercados com mais força, e os mantimentos representam mais de 56% das vendas do Walmart. Os preços dos alimentos nos EUA subiram 9,5% em fevereiro em relação ao ano anterior, de acordo com um relatório do Departamento do Trabalho. A marca própria do Walmart se destacou no último ano, respondendo por mais de 20% (mais de US$ 600 bilhões) das vendas totais.

Durante a mesma reunião com investidores no início desta semana, o Walmart fez o anúncio que até 2026 cerca de 65% das lojas serão automatizadas. A notícia chega pouco depois que o Walmart demitiu centenas de funcionários em instalações de atendimento online.

O orçamento de investimento de US$ 15 bilhões da empresa este ano tem como tema a tecnologia automatizada. Além da mudança na loja, o Walmart disse que mais da metade de todos os pacotes serão movidos por meio de centros de atendimento automatizados até 2026, o que melhorará os custos unitários médios em cerca de 20%.

Não houve sinais de novas demissões nos próximos meses. Com cerca de 1,7 milhão de funcionários, o Walmart é o maior empregador privado dos EUA. As autoridades dizem que a automação substituirá as funções onde os salários são mais baixos. A mudança parece ser no sentido de pagar mais aos funcionários para fazer menos trabalho físico.

Aproximadamente 200 trabalhadores em Pedricktown, NJ e mais centenas em Fort Worth, Texas; Chino, Califórnia; Davenport, Flórida; e Bethlehem, na Pensilvânia, foram demitidos no final de março devido a uma redução ou eliminação dos turnos noturnos e de fim de semana, segundo a Reuters.

“As expectativas dos clientes estão mudando e estamos nos movendo rapidamente para atender e superar suas necessidades”, disse o Walmart em comunicado. “À medida que a demanda aumenta, estamos maximizando nossa rede de lojas e centros de atendimento para entregar itens aos clientes online quando e como eles quiserem. Recentemente, ajustamos o número de funcionários de nosso FC em mercados selecionados para estarmos mais bem preparados para as futuras necessidades dos clientes. Essa decisão não foi tomada de ânimo leve e estamos trabalhando em estreita colaboração com os funcionários afetados para ajudá-los a entender quais oportunidades de carreira estão disponíveis em outros locais do Walmart”.

By Carlos Henrique

"Introvertido amigável. Estudante. Guru amador de mídia social. Especialista em Internet. Ávido encrenqueiro."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *