Cientistas usam tecnologia espacial para rastrear camelos selvagens

O cientista de sensoriamento remoto Liu Shaochuang enquanto trabalhava nas remotas cordilheiras das Montanhas Tangula no Condado de Amdo, Região Autônoma do Tibete, onde sua equipe confirmou as cabeceiras do rio Nujiang. [Shui Xiaojie/China News Service]

No escritório do cientista de sensoriamento remoto Liu Shaochuang está pendurada uma foto gigante de um camelo que ele tirou há uma década na Região Autônoma Uigur de Xinjiang. Vestido com roupas de camuflagem, ele se agachou por horas em uma poça de água no deserto de Gobi para tirar a foto.

Este é o objeto de sua pesquisa.

Desde 2012, ele lidera uma equipe de rastreamento e estudo de camelos selvagens usando tecnologia de sensoriamento remoto por satélite. Ao contrário dos zoólogos que se concentram nas espécies, Liu estudou a inter-relação entre animais ameaçados e seu ambiente, o que, segundo ele, ajudará a desenvolver melhores estratégias de conservação diante das mudanças climáticas.

No período que antecedeu o Dia Mundial do Animal, em 3 de março, a pesquisa de Liu está no centro das atenções, pois foi apontada como um exemplo bem-sucedido de como a tecnologia espacial avançada pode beneficiar os esforços de conservação dos animais na Terra.

Liu trabalha no Instituto de Pesquisa de Informações Aeroespaciais da Academia Chinesa de Ciências. Seus estudos cobriram muitas áreas, incluindo expedições científicas para regiões polares e mapeamento das cabeceiras dos principais rios ao redor do mundo, enquanto ele também desenvolveu os sistemas de navegação e localização para os rovers lunares da China e rovers marcianos.

Seu interesse por camelos selvagens começou quando sua equipe estava testando um protótipo de rover lunar Yutu no deserto. Habitando os desertos inóspitos do noroeste da China e do sudoeste da Mongólia, o camelo de dedos retos está listado como criticamente ameaçado pela União Internacional para a Conservação da Natureza. Especialistas estimam que a população atual dessa espécie seja inferior a 1.000, incluindo cerca de 650 na China.

“Dez anos atrás, a pesquisa baseava-se apenas na observação humana, que era muito primitiva”, diz Liu. Como os camelos bactrianos selvagens são totalmente migratórios e podem viajar grandes distâncias, os cientistas aprenderam seus hábitos examinando pegadas e excrementos. Era difícil encontrar, quanto mais rastrear, um camelo no deserto.

No entanto, Liu pensou que sua experiência em navegação por satélite e sensoriamento remoto poderia ser útil no estudo de camelos selvagens.

Não foi fácil no começo. Liu aprendeu zoologia do zero. Sua equipe tinha que passar várias semanas por ano enfrentando poeira e tempestades de areia no vasto deserto de Gobi para rastrear camelos. Uma cicatriz em sua sobrancelha direita é resultado de um capotamento em uma estrada montanhosa acidentada em Xinjiang.

“O momento mais emocionante foi colocar rastreadores nos camelos selvagens”, lembra Liu. Em 6 de maio de 2012, a equipe de Liu conseguiu pela primeira vez colocar um colar de posicionamento por satélite em um camelo selvagem – uma fêmea – no deserto de Lop Nur, em Xinjiang.

O colar rastreador, equipado com receptores especiais, pesa apenas algumas centenas de gramas, pode se soltar automaticamente e não causa nenhum impacto negativo na vida diária dos animais. Segundo Liu, pelo menos sete camelos selvagens estão atualmente equipados com coleiras de rastreamento e suas localizações são transmitidas diariamente via satélite. Usando dados de rastreamento, os cientistas podem aprender sobre seus caminhos de migração, habitats e ameaças potenciais.

A função de mensagem curta do sistema de navegação por satélite BeiDou da China permite que o colar transmita e receba sinais em tempo real. Mesmo quando o sinal da rede de comunicação é ruim, as coleiras com chips BeiDou podem enviar de volta as posições de camelos selvagens por meio de satélites chineses. Em seu escritório em Pequim, Liu também pode acessar informações sobre o meio ambiente, incluindo temperatura, vegetação e fontes de água, em seu computador.

Sua última descoberta é que a mudança climática reduziu severamente a variedade de habitats adequados e que os camelos selvagens migraram posteriormente para as montanhas mais frias de Altun, na China, e para as regiões de altitude mais elevada da Mongólia.

Isso significa que os animais podem enfrentar mais perigos, diz Liu. Por exemplo, o estreitamento dos habitats pode levar a uma maior probabilidade de ataque de lobos, uma redução na água potável e um maior risco de doenças.

Liu pede uma expansão das zonas de proteção existentes e o estabelecimento de um parque nacional maior para os camelos selvagens. Enquanto isso, ele propõe a construção de um sistema integrado de vigilância espaço-ar-solo, que usará satélites de sensoriamento remoto no espaço, aeronaves no céu e sensores inteligentes sem fio no solo para fortalecer as capacidades de observação.

Para Liu, vale o grande esforço científico e técnico para estudar uma espécie tão rara. Os cientistas descobriram que o DNA do camelo selvagem difere do dos camelos domésticos em 2 a 3 por cento, enquanto a diferença de DNA entre humanos e chimpanzés é de apenas 1 por cento. Camelos selvagens são mais resistentes em ambientes hostis, e alguns pesquisadores acreditam que seus genes podem fornecer informações úteis para o tratamento de câncer e diabetes.

Liu admitiu que levaria muito tempo para as pessoas entenderem completamente essa espécie rara. Muito é desconhecido sobre sua população, distribuição e hábitos. O pesquisador chinês de 60 anos planeja intensificar a colaboração com seus colegas mongóis para melhorar a proteção de camelos selvagens este ano e aplicar as técnicas de rastreamento para estudar outras espécies.

“Gosto de explorar o desconhecido”, diz Liu.

Mais de 40 satélites de navegação BeiDou estão atualmente em órbita. A China lançará mais três a cinco este ano para melhorar sua constelação. Liu diz que a proteção e a pesquisa da vida selvagem estão se tornando mais precisas e eficientes com a ajuda da tecnologia.

By Carlos Henrique

"Introvertido amigável. Estudante. Guru amador de mídia social. Especialista em Internet. Ávido encrenqueiro."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *