O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, anunciou neste sábado um novo confinamento na Inglaterra, depois que o Reino Unido ultrapassou o limite de um milhão de infectados pelo coronavírus, em um momento em que o sistema de saúde começa a afundar.

As novas medidas foram anunciadas no final da tarde em uma coletiva de imprensa na Downing Street, com Johnson anunciando que o confinamento entrará em vigor na madrugada de 4 de novembro e durará pelo menos até 2 de dezembro.

“Ninguém quer impor essas medidas em lugar nenhum (…), [mas] se não agirmos, teremos mais mortes do que em abril ”, disse o primeiro-ministro britânico. “Devemos agir agora. Se não o fizermos, podemos ter milhares de mortes no país diariamente ”, alertou.

Nesse sentido, todos os ingleses devem ficar em casa a partir da próxima quinta-feira, exceto em exceções como ir ao trabalho ou ir à escola, fazer compras essenciais, cuidar de familiares necessitados, fazer exercícios ao ar livre ou questões médicas.

O teletrabalho, quando possível, torna-se obrigatório e bares, cafés, pubs e os restaurantes ficarão a portas fechadas, podendo funcionar apenas em Leve embora. Lojas não essenciais, serviços de lazer e entretenimento devem fechar.

Por outro lado, lojas essenciais – como mercearias -, universidades, escolas e creches permanecerão abertas. “Não podemos deixar o vírus causar ainda mais danos ao futuro de nossos filhos”, disse Johnson.

Os jogos do principal campeonato inglês de futebol (Liga Premiada) vai continuar, com as restrições atuais, o Primeiro-Ministro também anunciou.

Os locais de culto permanecerão abertos, mas apenas para orações privadas, enquanto os funerais serão limitados aos membros da família.

As novas medidas serão publicadas oficialmente na terça-feira e serão votadas pelos deputados na quarta-feira. Se forem aprovadas, como é de se esperar, dada a maioria dos conservadores no Parlamento, elas entrarão em vigor no dia seguinte.

Por enquanto, o confinamento se aplica apenas à Inglaterra. Irlanda do Norte, Escócia e Gales eles podem estabelecer suas próprias medidas.

O objetivo do Governo britânico, que seguiu o conselho dos epidemiologistas, é introduzir medidas mais rígidas nesta fase para tentar evitar mais confinamento durante o período de Natal. As medidas serão revistas em um mês, mas Boris Johnson não descarta a possibilidade de prolongá-los.

“O Natal será diferente este ano, talvez bastante diferente, mas tenho a mais sincera esperança de que, ao tomar medidas mais restritivas agora, possamos permitir que famílias de todo o país fiquem juntas”, disse Johnson.

Com o confinamento anunciado neste sábado, a Inglaterra adere assim ao França e Alemanha, que na última quarta-feira anunciou medidas semelhantes a nível nacional para lutar contra a pandemia covid-19.

Desde o início da pandemia, o Reino Unido registrou mais de um milhão de infecções por SARS-CoV-2, com quase 47.000 pessoas morrendo de covid-19.

By Carlos Eduardo

"Fã de música. Geek de cerveja. Amante da web. Cai muito. Nerd de café. Viciado em viagens."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *