Trens da Grã-Bretanha param na maior greve ferroviária em 30 anos
Espaço reservado ao carregar promoções de itens

LONDRES – O deslocamento da Grã-Bretanha tornou-se um incômodo para milhões de pessoas quando dezenas de milhares de trabalhadores ferroviários entraram em greve na maior ação do gênero em três décadas nesta terça-feira.

Enquanto os trens passavam pela Inglaterra, Escócia e País de Gales, os viajantes enchiam as rodovias, lotados de táxis apertados e vigiando os ônibus. Muitos britânicos recorreram ao aluguel de bicicletas.

Com 80% dos trens interrompidos e 40.000 trabalhadores em greve, algumas linhas foram completamente fechadas e as estações centrais mais movimentadas estavam quase vazias.

O metrô de Londres – também conhecido como “o metrô” – foi fechado principalmente devido a outra greve.

A ação de terça-feira foi a primeira de três greves ferroviárias planejadas para esta semana. Mais miséria está marcada para quinta e sábado.

As equipes de manutenção, tíquetes e condutores – representados pelo Trabalhadores ferroviários, marítimos e de transporte (RMT) Sindicato – chegou a um impasse com seus patrões trilho de rede na luta por salários, pensões, segurança no emprego e condições de trabalho.

A Network Rail disse que estava “profundamente arrependida” pela interrupção. As negociações estão em andamento, diz o sindicato.

Os líderes sindicais britânicos estão ameaçando um “verão de descontentamento”, já que mais trabalhadores podem entrar em greve para exigir aumentos salariais para lidar com o aumento da inflação e o aumento do custo de vida.

Sindicatos que representam motoristas de ônibus, professores, trabalhadores de asilos, catadores de lixo, médicos, enfermeiros, carteiros e porteiros de aeroportos podem participar de futuras greves.

O primeiro-ministro Boris Johnson condenou os grevistas em declarações públicas ao seu gabinete na terça-feira por causar “perturbação e inconveniência em todo o país, dificultando o acesso das pessoas ao trabalho, arriscando consultas de saúde e dificultando a realização de exames por crianças”. “

Johnson chamou as greves de “erradas e desnecessárias”. Ele disse que o governo gastou US$ 20 bilhões para manter as ferrovias funcionando durante a pandemia e pediu aos “chefes sindicais” que encontrem um compromisso com as empresas ferroviárias e acabem com a greve.

By Carlos Eduardo

"Fã de música. Geek de cerveja. Amante da web. Cai muito. Nerd de café. Viciado em viagens."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *