Tadej Pogacar rebate no estágio 6 enquanto Jonas Vingegaard se esgueira em amarelo no Tour de France

Desconta-o por tua conta e risco. Tadej Pogacar (UAE Team Emirates) provou sua classe a tempo com a vitória na etapa seis, quando o atual campeão Jonas Vingegaard (Jumbo-Visma) arrebatou a camisa amarela de Jai Hindley (Bora-hansgrohe).

A curta passagem de Hindley em amarelo terminou no segundo dia nos Pirineus, depois que Jumbo-Visma pulverizou o campo no lendário Col du Tourmalet para manter o australiano afastado e demitir o atual campeão Vingegaard em direção ao cume da corrida.

Mas o dinamarquês não teve tudo a seu gosto, já que seu grande rival Pogacar se recuperou de sua decepção na quarta-feira, ultrapassando Vingegaard na subida final para Cauterets e conquistando sozinho a décima vitória na etapa do Tour de sua carreira.

Tour de France

Jumbo-Visma tentou ‘matar’ o Tour e falhou – vitória esmagadora de Vaughter em Pogacar

8 HORAS ATRÁS

Pogacar está agora 25 segundos atrás da nova camisa amarela Vingegaard na classificação, com Hindley de Bora-hansgrohe sendo o melhor com 1:34. O britânico Simon Yates (Jayco-AlUla) e o espanhol Carlos Rodriguez (Ineos Grenadiers) subiram entre os cinco primeiros, mas ambos os pilotos estão mais de três minutos atrás de Vingegaard e estão operando em uma esfera diferente.

A maior parte da difícil etapa dos Pirinéus de 145 km parecia ser de mão única, já que Vingegaard e sua equipe Jumbo Visma mais uma vez colocaram o super internacional Wout van Aert no intervalo antes de acabar com seus rivais.

Depois de esmagar o campo no Col d’Aspin, Jumbo-Visma jogou uma granada GC no Tourmalet enquanto Sepp Kuss montou Vingegaard a cerca de 4 km do cume e apenas Pogacar, a camisa branca, poderia segui-lo.

Vingegaard então juntou forças com Van Aert na longa e rápida descida depois que o incansável belga caiu de um quinteto de ponta para abrir caminho para seu líder. Oito pilotos – incluindo o americano Neilson Powless da EF Education-EasyPost, novamente vestindo a camisa de bolinhas – começaram a subida final de 16 km com uma margem de mais de dois minutos sobre o grande grupo Hindley atrás.

Van Aert montou metade da subida como um maníaco antes de Vingegaard pular do volante em busca da camisa amarela e uma possível vitória na etapa – levando apenas Pogacar com o polonês Michal Kwiatkowski (Ineos Grenadiers) com ele.

“Lá vai ele!” – Pogacar voa na subida final enquanto Vingegaard cai para trás

Mas o esloveno Pogacar não cumpriu o roteiro, o bicampeão do Tour distanciou Vingegaard a cerca de 2,5 km do fim com uma rápida aceleração. Pogacar cruzou a linha 24 segundos à frente de seu rival, deixando-o a 25 segundos da liderança de Vingegaard na classificação – quebrando as afirmações de que o Tour já havia terminado.

Questionado se a vitória foi uma doce vingança depois de conceder mais de um minuto para Vingegaard em Laruns cerca de 24 horas antes, Pogacar disse: “Eu não chamaria isso de vingança, mas é bom vencer hoje e algo para ganhar tempo de volta”. um pouco de alívio e me sinto muito melhor agora.

“A atuação do Jonas ontem foi inacreditável. Quando puxaram o Tourmalet, pensei que podíamos fazer as malas e ir para casa. Mas felizmente eu tinha boas pernas hoje e fui capaz de seguir o tourmalet com bastante conforto e depois atacar quando chegasse a hora. Foi um grande alívio. Vai ser uma luta dura até a última etapa.”

“Isso é loucura!” – Van Aert e Alaphilippe atacam o estágio 6 desde o início

Van Aert dá o tom com um ataque de tiro

Assim que Christian Prudhomme acenou com a bandeira para enfrentar a etapa, Van Aert lançou o ataque, levando um grupo de 15 pilotos a escapar limpo. O belga encontrou-se ao lado de seu rival clássico e ciclocross Mathieu van der Poel (Alpecin-Deceuninck) em um trem forte que também incluiu o ex-campeão mundial Julian Alaphilippe (Soudal-QuickStep).

Powless (EF Education-EasyPost) estava entre os poucos pilotos que conseguiram preencher a lacuna enquanto um grupo de 20 pilotos enfrentava a primeira das quatro subidas com quase três minutos de vantagem sobre o campo.

Com o percurso tendo que subir mais de 3.700m, Powless esperava voltar à camisa de bolinhas que deu a Felix Gall na quarta-feira. E com o AG2R-Citroen austríaco perdendo o trem, Powless retomou o controle da competição Rei das Montanhas ao garantir o máximo de pontos na Cote de Capvern-les-Bains e no Col d’Aspin.

Jumbo-Visma deu uma amostra de como seriam suas táticas ao ultrapassar o movimento de Bora-hansgrohe de Hindley para acelerar o ritmo no aspin. Os companheiros de equipe de Vingegaard repetiram isso no Tourmalet com efeito devastador: a dupla holandesa Dylan Van Baarle e Wilco Kelderman foi fundo antes de passar o bastão para Kiss, que logo escapou claramente com apenas Vingegaard e Pogacar ao volante.

‘bang!’ – Jumbo e Vingegaard acendem Tourmalet enquanto Hindley se distancia

Enquanto isso, as perspectivas para o intervalo não eram tão favoráveis ​​quanto quando os doze líderes restantes detinham quatro minutos de vantagem sobre o Tourmalet.

O estreante dinamarquês Tobias Johannessen (Uno-X) ultrapassou o português Ruben Guerreiro (Movistar) na liderança do Tourmalet, seguido pelos britânicos James Shaw (EF Education-EasyPost), Van Aert e Kwiatkowski. Passaram-se apenas 40 segundos antes que os “Dois Grandes” escalassem o cume ao lado de Powless, que eles pegaram pouco antes do cume de uma subida épica concluída pela 89ª vez na história do Tour.

Van Aert caiu para trás na descida para ultrapassar Vingegaard e uma vantagem de oito homens se formou antes da final, perdoando Cauterets pela derrota, com o grupo de camisa amarela caindo bem mais de dois minutos e entrando no modo de controle de danos.

Nas palavras humildes do diretor de corrida Hindley: “Foi apenas um dia épico andando com a camisa amarela e enfrentando algumas subidas míticas. Para ser honesto, minha bunda foi entregue a mim. Mas eu realmente gostei. Eu sabia que só queria correr minha própria corrida e se pudesse manter os dois favoritos, faria o meu melhor. Mas a quatro quilômetros do final do Tourmalet fui cuspido e depois disso praticamente não sobrou luz.”

“Eu fui enganado!” – Hindley em seu único dia em amarelo

O ritmo acelerado de Van Aert eliminou o grupo da frente antes de Vingegaard bater o martelo nos últimos cinco quilômetros – um avanço que apenas Pogacar e Kwiatkowski poderiam igualar.

Mas esse não foi o momento decisivo, e quando o veterano polonês tocou a parede foi Pogacar – não Vingegaard – quem deu o golpe final, dando nova vida a uma luta da GC que parecia uma rua de mão única em apenas um dia antes.

Pogacar não teve como negar a Vingegaard a camisa amarela. Mas com a décima vitória de sua carreira no Tour, ele ficou a 25 segundos de seu grande rival e, assim, preparou o cenário perfeito para o confronto de domingo no histórico Puy de Dome, no Maciço Central.

Pogacar estava tão subjugado depois de suas derrotas na quarta-feira que voltou ao seu eu otimista e positivo – e até deu uma palavra sorrateira de advertência a Mark Cavendish, o veterano velocista britânico de olho em uma vitória recorde na 35ª etapa antes de se aposentar: ” Agora dez vitórias em etapas – estou indo atrás de você, Mark!”

Depois de dois dias consecutivos nos Pirinéus, Cavendish (Astana Qazaqstan) tem a chance de fazer história na sexta-feira nos 170 km da Etapa 7 de Mont-de-Marsan a Bordeaux, onde venceu o Tour de France pela última vez em 2013 e participou da cidade em sudoeste da França.

– – –

Transmita o Tour de France e o Giro d’Italia Donne 2023 ao vivo e sob demanda Descoberta+ e eurosport.co.uk

Tour de France

‘Estou indo atrás de você, Mark’ – Pogacar brinca em perseguir as 34 vitórias de Cavendish

9 HORAS ATRÁS

Tour de France

‘É uma gestão de equipe fraca’ – Emirados Árabes Unidos sob fogo após Pogacar se destacar nos Pirineus

12 HORAS ATRÁS

By Patricia Joca

"Professional troublemaker. Friend to animals everywhere. Social media expert. Dedicated analyst. Amateur entrepreneur."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *