A Rússia foi excluída por dois anos das principais competições esportivas mundiais, incluindo os Jogos Olímpicos de Tóquio2020, adiados para 2021, por não cumprimento das regras antidoping, anunciou o Tribunal Arbitral do Esporte (TAS) nesta quinta-feira.

A decisão, que também proíbe a participação da Rússia nos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim 2022, é metade da sanção proposta pela Agência Mundial Antidopagem (AMA), que havia pedido quatro anos de suspensão.

Atletas russos que nunca foram sancionados por doping podem, segundo a decisão, participar de competições internacionais, mas sob bandeira neutra.

A declaração da TAS não esclarece se a possibilidade de competir sob uma bandeira neutra se estende aos esportes coletivos. A Rússia está qualificada para a final do Campeonato Europeu de Futebol de 2020, que também foi adiada para 2021 devido à pandemia.

Os três árbitros nomeados pela TAS para revisar o caso reconheceram que as consequências do escândalo de doping, com a manipulação de resultados de análises em grande escala, “não são tão grandes” quanto a AMA pretendia.

Para justificar a escala da sanção, os árbitros do TAS explicaram que levaram em consideração “questões de proporcionalidade” e levantaram a necessidade de promover “mudança cultural”, incentivando a próxima geração de atletas russos a participar de um esporte limpo.

A TAS também ordenou que a Agência Antidopagem Russa (Rusada) pague US $ 1,27 milhão (cerca de um milhão de euros) à AMA, para cobrir os custos da perícia realizada desde 2019 na investigação da manipulação dos resultados dos controles de dopagem.

A AMA anunciou em dezembro de 2019 a decisão de proibir a bandeira russa por quatro anos de grandes eventos esportivos, incluindo os Jogos Olímpicos de Tóquio2020 e Paris2024, além dos Jogos de Inverno de Pequim2022, enquanto evita que eventos de grande escala ocorram em solo russo.

Rusada, acusado de adulterar os arquivos informáticos deste laboratório entre 2011 e 2015, para encobrir um programa generalizado de dopagem no país, recorreu da decisão para o TAS.

Doping na Rússia

Em julho havia sido anunciado que a Rússia seria excluída dos Jogos Olímpicos de Tóquio2020 e da rodada final da Copa do Mundo de Futebol do Catar em 2022 devido ao uso recorrente de substâncias dopantes por seus atletas, com apoio do Estado, em um processo há muito revelado atrás. cerca de seis anos.

O país negou todas as acusações e garantiu que a sanção imposta pela AMA tem motivação política.

Veja também:

By Patricia Joca

"Professional troublemaker. Friend to animals everywhere. Social media expert. Dedicated analyst. Amateur entrepreneur."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *