Lisboa, Portugal (AP) – Ativistas ambientais aplaudem o fim da geração de eletricidade a carvão em Portugal, apesar de afirmarem na segunda-feira que a possível conversão da última usina a carvão do país em uma que queima pellets de madeira seria um passo errado direção.

A central do Pego, a 150 quilómetros a nordeste da capital portuguesa, Lisboa, parou de gerar eletricidade no fim de semana porque Portugal se tornou o quarto país da União Europeia a parar de queimar carvão para gerar eletricidade. A Bélgica saiu do carvão em 2016, seguida pela Áustria e pela Suécia no ano passado.

Portugal não tem carvão, petróleo ou gás, todos importados, e tem investido fortemente em energia verde nas últimas décadas.

“A economia pobre do carvão e o desejo do público por proteção climática estão levando a saídas cada vez mais rápidas em toda a Europa”, disse Kathrin Gutmann, gerente de campanha da Europe Beyond Coal, que visa garantir que o carvão seja eliminado gradualmente da Europa até 2030.

A energia do carvão é a maior fonte de emissões de gases de efeito estufa.

“O desafio agora é garantir que as concessionárias não cometam o erro de substituir o carvão por gás fóssil ou biomassa insustentável”, disse Gutmann em um comunicado.

Mas as propostas para a continuação do uso do Pego, que é anunciado, incluem biomassa.

O ministro do Ambiente de Portugal, João Pedro Matos Fernandes, disse que outras propostas incluem a energia solar e a produção de veículos elétricos. As propostas devem ser enviadas até 17 de janeiro.

“Livrar-se da nossa maior fonte de gases com efeito de estufa é um dia importante para Portugal. Mas azeda com a perspectiva de reconversão da queimada florestal ”, disse Francisco Ferreira, presidente do grupo ambiental português ZERO.

“Livrar-se do carvão apenas para trocar para o próximo combustível de pior caso claramente não é uma resposta”, disse ele.

___

Siga os relatórios de clima da AP em https://apnews.com/hub/climate

By Gabriel Ana

"Passionate student. Twitter nerd. Avid bacon addict. Typical troublemaker. Thinker. Webaholic. Entrepreneur."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *