Portugal deveria se desculpar e enfrentar passado de escravidão, diz presidente

Por Catarina Demy

LISBOA (Reuters) – O presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, disse nesta terça-feira que seu país deveria se desculpar e assumir a responsabilidade por seu papel no comércio transatlântico de escravos, a primeira vez que um líder do país do sul da Europa propôs tal pedido de desculpas nacional.

Do século 15 ao 19, 6 milhões de africanos foram sequestrados e transportados à força através do Atlântico por navios portugueses e vendidos como escravos, principalmente para o Brasil.

Mas até agora Portugal manteve pouco público sobre seu passado e pouco é ensinado nas escolas sobre seu papel na escravidão.

Em vez disso, a era colonial do país, quando países como Angola, Moçambique, Brasil, Cabo Verde, Timor-Leste e partes da Índia caíram sob o domínio português, é frequentemente vista como motivo de orgulho pela maioria dos portugueses.

Na comemoração anual em Portugal da revolução dos “cravos” de 1974, que derrubou a ditadura do país, Rebelo de Sousa disse que o país deveria ir além de um mero pedido de desculpas, embora não tenha dado detalhes.

“Às vezes pedir desculpa é a coisa mais simples: pede desculpa, vira-se e o trabalho está feito”, disse, acrescentando que o país deve “assumir a responsabilidade” pelo seu passado para construir um futuro melhor.

Paula Cardoso, fundadora da plataforma online Afrolink para profissionais negros em Portugal, disse que os comentários de Rebelo de Sousa foram “simbólicos”, mas importantes porque trouxeram a questão para a mesa.

“(Mas) eu gostaria de ouvir algo mais específico do presidente”, disse Cardoso à Reuters. “Para surtir efeito, essas reflexões… devem ser acompanhadas de ações e compromissos.”

Reparações e ações públicas para lidar com as desigualdades causadas pelo passado de Portugal são essenciais, disse Cardoso.

Rebelo de Sousa fez as declarações depois que o presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva, que esteve em Portugal em sua primeira visita à Europa desde que assumiu o cargo, se dirigiu ao parlamento português. O Brasil conquistou a independência de Portugal em 1822.

Ele disse que a colonização do Brasil também teve fatores positivos, como a difusão da língua e da cultura portuguesas.

“(Mas) do lado ruim, a exploração dos indígenas… a escravidão, vítima dos interesses do Brasil e dos brasileiros”, disse.

O ministro dos Direitos Humanos do Brasil, Silvio Almeida, disse que Rebelo de Sousa deu um passo “extremamente importante”.

“Continuamos a sofrer os efeitos do legado da escravidão no Brasil”, disse Almeida em comunicado. “O reconhecimento da exploração de milhões de pessoas na escravidão por mais de 300 anos é um passo em direção a uma sociedade menos desigual.”

O principal grupo de direitos humanos da Europa disse anteriormente que Portugal deve fazer mais para enfrentar seu passado colonial e seu papel no comércio transatlântico de escravos, a fim de ajudar a combater o racismo e a discriminação hoje.

(Reportagem de Catarina Demony; Edição de Deepa Babington)

By Patricia Joca

"Professional troublemaker. Friend to animals everywhere. Social media expert. Dedicated analyst. Amateur entrepreneur."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *