NOVA DELHI (AP) – No ano passado, o primeiro-ministro indiano Narendra Modi disse às Nações Unidas que seu país produziria vacinas COVID-19 suficientes “para ajudar toda a humanidade” no aumento das infecções.

Como o maior fabricante mundial de vacinas, a Índia deve sempre desempenhar um papel central nos esforços globais de imunização contra COVID-19. Mas uma mistura de excesso de confiança, mau planejamento e azar impediu isso.

Veja o que deu errado:

DESTROÇOS, PEDREGULHO

Funcionários indianos parecem ter sido pegos de surpresa por várias coisas, incluindo a velocidade com que as vacinas estavam sendo aprovadas para uso mundial. A Índia, como muitos outros países, havia trabalhado na suposição de que as vacinas não estariam prontas para uso até meados de 2021.

Em vez disso, foram iluminados em verde em alguns países em dezembro – o que aumentou a pressão não apenas para produzir gravações prometidas, mas também para entregá-las o mais rápido possível. A Índia, que aprovou duas vacinas em janeiro, não se mostrou nem doméstica nem no exterior preparada para a eventual demanda.

O governo havia planejado vacinar 300 milhões dos quase 1,4 bilhão de indianos até agosto. Mas não reservou filmagem suficiente para isso. Acabou de se presumir – com base em parte nas projeções dos fabricantes de vacinas do país – que haveria doses suficientes para vacinar as pessoas no país e cumprir os pedidos prometidos no exterior.

Também havia pouca urgência doméstica, já que as infecções na Índia vinham diminuindo continuamente há meses. De fato, em janeiro, poucos dias depois que a Índia lançou sua campanha de vacinação doméstica e também começou a exportar vacinas, Modi declarou vitória sobre a pandemia em uma reunião virtual do Fórum Econômico Mundial.

O governo Modi parecia gozar do sucesso inicial de sua chamada “diplomacia de vacinas”, e o Departamento de Estado afirmou repetidamente que as exportações estavam sendo calibradas de acordo com as necessidades do programa de vacinação nacional.

Especialistas dizem que isso acabou se revelando um erro de julgamento perigoso, já que uma explosão de casos domésticos estava ao virar da esquina.

Dr. Vineeta Bal, que estuda o sistema imunológico no Instituto Indiano de Educação e Pesquisa Científica em Pune, disse que o governo deveria estar planejando o futuro, em vez de comemorar sua “vitória” sobre o vírus.

“Não tenho ideia de por que as pessoas não pensaram nisso”, disse ela. “Ninguém fez o cálculo … quantas doses são necessárias na Índia?”

PROBLEMAS DE PRODUÇÃO

A Índia tem dois fabricantes principais de vacinas COVID-19: o Serum Institute of India, que fabrica a vacina AstraZeneca, e a Bharat Biotech, que fabrica sua própria vacina local.

A Índia permitiu que as empresas produzissem suas gravações no ano passado, dependendo da aprovação regulamentar formal. Tanto o governo quanto as empresas acreditavam que, quando as injeções fossem aprovadas, eles teriam um estoque maior de vacinas do que tinham.

O dimensionamento da manufatura acabou sendo um problema para ambas as empresas.

O diretor executivo do Serum Institute, Adar Poonawalla, disse à Associated Press em dezembro que a meta é obter até 100 milhões de gravações por mês até janeiro e dividi-las igualmente entre a Índia e o mundo. Mas o governo federal disse aos estados no mês passado que a empresa estava produzindo apenas 60 milhões de gravações por mês.

A empresa disse que um fogo em suas instalações em janeiro e um Embargo norte-americano à exportação de matéria-prima precisava fazer os solavancos, a produção mancava. Poonawalla AP disse que o swing de fornecedores nos Estados Unidos pode resultar em um atraso de até seis meses.

Krishna Ella, presidente da Bharat Biotech, disse a repórteres em janeiro que a empresa planeja fazer 700 milhões de gravações até 2021. O governo federal indiano anunciou no mês passado que a empresa estava produzindo apenas 10 milhões de gravações por mês.

O governo disse no mês passado que estava dando à empresa milhões em doações para tentar aumentar a produção.

Nem a empresa nem o Ministério da Saúde indiano responderam aos pedidos de comentários.

E AGORA?

Com a Índia registrando centenas de milhares de novas infecções todos os dias, o governo abriu a vacinação para todos os adultos em 1º de maio. Isso levou a um aumento na demanda, o que deixou clara a extensão da escassez.

A Índia recebeu apenas 196 milhões de vacinas até o momento, incluindo 10 milhões da COVAX, uma iniciativa global para garantir o acesso justo às vacinas. Apenas 41 milhões de pessoas foram totalmente vacinadas, enquanto outras 104 milhões receberam a primeira injeção.

No entanto, o número de injeções administradas caiu de uma média de 3,6 milhões por dia em 10 de abril para cerca de 1,4 milhão por dia em 20 de maio.

Para lidar com a escassez, a Índia deu sinal verde para a vacina russa Sputnik V, e 200.000 doses dela chegaram na semana passada.

O governo diz que os suprimentos vão melhorar em breve e espera que mais de 2 bilhões de vacinas estejam disponíveis entre agosto e dezembro, de acordo com o Dr. VK Paul, um conselheiro do governo. Isso inclui 750 milhões de gravações do Serum Institute, 550 milhões de gravações da Bharat Biotech e 156 milhões de gravações da Rússia.

Também há planos para cinco empresas indianas fazerem a vacina russa no local e para o Serum Institute fazer uma versão da vacina Novavax e vacinas de cinco outras empresas indianas cujos registros ainda estão sendo testados.

No entanto, os especialistas alertam que essas estimativas são novamente muito otimistas.

“Essas são estimativas otimistas … há muitos se e mas a serem considerados”, disse Bal.

___

O Departamento de Saúde e Ciência da Associated Press é apoiado pelo Departamento de Educação Científica do Howard Hughes Medical Institute. O AP é o único responsável por todo o conteúdo.

By Carlos Eduardo

"Fã de música. Geek de cerveja. Amante da web. Cai muito. Nerd de café. Viciado em viagens."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *