Parlamento tailandês é dissolvido antes das eleições de maio
  • Por Jonathan Head e Nicholas Yong
  • em Bangkok e Cingapura

descrição da imagem,

O principal adversário do primeiro-ministro tailandês, Prayuth Chan-ocha, será a filha de seu antecessor, Thaksin Shinawatra, Paetongtarn

O rei da Tailândia dissolveu o parlamento, abrindo caminho para novas eleições no início de maio.

O novo partido conservador e monarquista do primeiro-ministro Prayut Chan-ocha enfrenta um forte desafio do partido Pheu Thai, liderado por Paetongtarn, filha do ex-primeiro-ministro Thaksin Shinawatra.

Prayut, que liderou um golpe contra o último governo pró-Thaksin em 2014, está meses atrás nas pesquisas de opinião.

A data da eleição não foi definida, mas deve ocorrer dentro de 60 dias após a dissolução.

Prayut e seu partido United Thai Nation esperam que ainda haja animosidade suficiente contra Thaksin entre os tailandeses conservadores para lhe dar uma chance de manter seu emprego.

A atual constituição da Tailândia – escrita pelos militares – pode tornar difícil para a oposição formar um novo governo.

Campanhas de dezenas de partidos já estão em andamento. As calçadas de Bangkok desaparecem atrás de uma nevasca de pôsteres de partidos que fazem todo tipo de promessa aos eleitores.

Em última análise, porém, esta eleição é sobre uma coisa: Pheu Thai pode vencer por uma margem grande o suficiente para garantir que recupere o poder? Quase todas as pesquisas preveem que ele será novamente o maior partido, como tem sido em todas as eleições nos últimos 22 anos, contando com uma forte lealdade a Thaksin no Norte e no Nordeste.

Alguns acreditam que Pheu Thai pode até ganhar uma maioria absoluta de assentos na câmara baixa. Mas isso pode não ser suficiente, dada a hostilidade contínua contra Thaksin e seus aliados por parte de monarquistas conservadores e militares.

No passado, decisões judiciais ou golpes militares impediram que três governos apoiados por Thaksin terminassem seus mandatos, incluindo um liderado por sua irmã Yingluck. Prayut está no poder desde que liderou o golpe contra o governo de Yingluck, nove anos atrás.

Thaksin permanece no exílio desde que foi deposto em um golpe militar em 2006, evitando acusações criminais, embora muitos de seus tenentes estejam agora fora da política.

Ainda assim, ele ainda está lá, pairando como um fantasma sobre esta eleição, sua filha de 36 anos é o mais novo membro da família Shinawatra a liderar o partido.

Falando em um evento para revelar os candidatos de Pheu Thai na sexta-feira, a Sra. Paetongtarn disse que estava confiante em vencer a eleição por uma vitória esmagadora.

Após o último golpe, os militares decidiram resolver o problema de Thaksin de uma vez por todas, reescrevendo a constituição para garantir que seu partido não chegasse ao poder. Eles nomearam 250 senadores, muitos dos quais ainda são leais aos generais Prayut e Prawit Wongsuwan, os homens que lideraram o último golpe.

Com o apoio dos senadores e após muitas manobras, Pheu Thai foi afastado do cargo na última eleição de 2019. Desde então, os dois generais lideraram uma coalizão conservadora fragmentada.

No entanto, agora cada um lidera seus próprios partidos, arriscando dividir as vozes conservadoras.

Sob a constituição elaborada pelos militares, os senadores podem votar novamente para escolher o próximo primeiro-ministro. Com o apoio deles, os dois generais poderiam formar um governo mesmo que Pheu Thai ganhasse a maioria.

Mas os senadores não podem votar em legislação ou orçamentos, e qualquer administração que dependa de seu apoio não pode funcionar. Se Pheu Thai conquistar mais de 200 das 500 cadeiras disputadas, será difícil, senão impossível, derrubá-la do próximo governo.

Como estamos na Tailândia, ninguém pode descartar outro passo extraparlamentar contra o partido; Nenhum golpe desta vez, mas talvez outra dissolução partidária pelos tribunais conservadores confiáveis.

By Carlos Eduardo

"Fã de música. Geek de cerveja. Amante da web. Cai muito. Nerd de café. Viciado em viagens."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *