O período epidemiológico analisado teve início em agosto e segue até o final de julho de 2021. Na atualização desta terça-feira, não houve registro de novos óbitos.

O total é de cinco mortes pela doença em Londrina, Foz do Iguaçu, Cambé, Apucarana e Assaí.

De acordo com o relatório, 303 municípios apresentaram notificações da doença e 154 casos confirmados. Estado totaliza 11.086 notificações de dengue.

Veja, a seguir, as 10 regiões de saúde com maior número de casos de dengue:

  • Foz do Iguaçu: 201
  • Paranaguá: 152
  • Londrina: 151
  • Maringá: 95
  • Cascavel: 91
  • Campo Mourão: 79
  • Paranavaí: 79
  • Umuarama: 70
  • Cornélio Procópio: 32
  • Toledo: 28

Do total, 812 são casos indígenas – quando as pessoas contraem a doença na cidade onde moram, e cinco casos são importados. De acordo com o relatório, 4.443 casos estão sob investigação.

O primeiro caso de Zika vírus do período foi registrado em Cambé e é um caso autóctone, segundo a Sesa. Além disso, segundo o relatório, são 17 notificações da doença.

A secretaria destaca ainda que foram registrados dois casos confirmados e 59 notificações a Chikungunya.

Segundo a Sesa, existem quatro tipos de vírus da dengue no Paraná: DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4. Cada pessoa pode contrair a infecção causada por diferentes sorotipos, e a imunidade é gerada após a contaminação por cada um.

A recorrência da dengue pode agravar os sintomas e pode desenvolver a forma grave da doença, disse a secretaria.

Sintomas da dengue – Foto: Arte / TV Globo

O secretariado afirmou que 90% dos criadouros estão em residências, em recipientes e locais que acumulam água.

“O Paraná continua alerta no combate à dengue, principalmente promovendo a formação de profissionais para atuarem integrados no diagnóstico e manejo de doenças nas áreas de Atenção Básica e Urgência e Emergência. Esses profissionais são os responsáveis ​​pelo primeiro contato com o usuário do sistema de saúde e com o trabalho integrado pretendemos mais agilidade na identificação da doença e tratamento do paciente, evitando óbitos ”, afirmou o secretário de Saúde, Beto Preto.

VÍDEOS: Saiba mais sobre a doença transmitida pelo Aedes aegypti

By Gabriel Ana

"Passionate student. Twitter nerd. Avid bacon addict. Typical troublemaker. Thinker. Webaholic. Entrepreneur."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *