Paolo Rossi foi um dos melhores jogadores italianos de sempre.

O ex-futebolista Paolo Rossi, herói da vitória da Itália na Copa do Mundo de 1982, morreu nesta quinta-feira, aos 64 anos, vítima de uma doença incurável, anunciou o diário italiano Gazzetta dello Sport.

Nascido em 23 de setembro de 1956, em Prato, Pablito era um internacional transalpino de 48 anos e marcou 20 gols, seis deles na Copa do Mundo da Espanha e acabou sendo o maior goleador.

Paolo Rossi se juntou à lenda do futebol em 5 de julho de 1982, quando, no Estádio Sarrià, em Barcelona, ​​fez três gols contra uma fantástica seleção brasileira, derrotando-os por 3 a 2 e eliminando-os da prova.

Os brasileiros, que pareciam invencíveis, com um futebol de qualidade, comandados por Zico, Sócrates, Falcão, Éder, Júnior ou Cerezo, sucumbiram a Rossi, em jogo da segunda fase de grupos que só precisou empatar para ir às semifinais .

O então atacante da Juventus, cuja escolha para ingressar nos onze foi bastante contestada, assim como a convocação para a própria Copa do Mundo, depois de ter sido suspenso por dois anos devido a um caso de apostas, conhecido como “Totonero”, partiu para um fim inesquecível prova.

Rossi marcou duas vezes nas semifinais, batendo a Polônia por 2 a 0, e então marcou o primeiro gol da Itália na final com a República Federal da Alemanha (RFA), que a “Seleção Azzurri” venceu por 3-1 para conquistar seu terceiro cetro mundial.

Suas atuações na Copa do Mundo renderam-lhe a Chuteira de Ouro, troféu da revista francesa France Football, então reservado aos jogadores do velho continente.

Pela Itália, que representou entre 1977 e 1986, já esteve presente na Copa do Mundo de 1978, na Argentina, onde o Transalpine terminou na quarta colocação, sendo Rossi também o artilheiro da equipe, com três gols.

Em um dos 48 jogos pela Itália, Rossi uma vez cruzou com a seleção portuguesa, para a qual fez um gol, em partida privada realizada no dia 3 de abril de 1985. Em Ascoli, cobrou pênalti aos 77 minutos, fazendo o mesmo. 2-0 Final.

No seu percurso a nível de clubes, destacamos os inúmeros títulos que conquistou com a Juventus, nomeadamente uma Taça dos Campeões (1984/85), uma Taça das Taças (1983/84), a expensas do FC Porto, derrotado na final do Basileia 2-1, e uma SuperTaça Europeia em 1984.

Na Itália, conquistou dois campeonatos e uma Copa da Itália, sendo o artilheiro da Série A em 1977/78, com 24 gols, uma temporada depois de ter sido o artilheiro da Série B com 21, ajudando Lanerossi Vicenza a vencer a competição.

Ao longo de sua carreira, o ex-atacante atuou em treinamentos pelo Santa Lúcia, Ambrosiana, Cattolica Virtus e Juventus, e foi também no time de Turim que se estreou na Seleção, na temporada 1973/74.

Além da Juve, jogou pelo Como, Lanerossi Vicenza, Perugia, Milan e Verona, equipa em que se despediu do “calcio” em 1986/87, com apenas 30 anos.

By Patricia Joca

"Professional troublemaker. Friend to animals everywhere. Social media expert. Dedicated analyst. Amateur entrepreneur."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *