ONU pede a funcionários afegãos que fiquem em casa depois que talibãs proibiram mulheres de trabalhar para organização

(CNN) As Nações Unidas ordenaram que todo o seu pessoal no Afeganistão fique longe de seus escritórios no país talibã Mulheres afegãs proibidas de trabalhar para a organização.

“O pessoal nacional da ONU – homens e mulheres – foi instruído a não se reportar aos escritórios da ONU, com exceções limitadas e calibradas para tarefas críticas”, disse a organização em um comunicado.

É sobre homens afegãos que trabalham para a ONU em Cabul ficou em casa semana passada em solidariedade com seus colegas.

As Nações Unidas disseram que a ação do Talibã foi uma extensão de uma proibição anterior, aplicada em dezembro passado, impedindo as mulheres afegãs de trabalhar para organizações não-governamentais nacionais e internacionais.

A organização disse que a proibição é “a mais recente de uma série de medidas discriminatórias implementadas pelas autoridades de fato do Talibã com o objetivo de proibir a participação de mulheres e meninas na maioria das esferas da vida pública e cotidiana no Afeganistão”.

Continuará a “avaliar o escopo, os parâmetros e as consequências da proibição e suspender as atividades quando impedidas”, disse o comunicado, acrescentando que o “assunto estará sob constante revisão”.

Várias funcionárias da ONU no país já enfrentaram restrições à liberdade de movimento, incluindo assédio e detenção, desde que o Talibã assumiu o poder em 2021.

Ramiz Alakbarov, enviado especial adjunto da ONU, coordenador permanente e humanitário para o Afeganistão, chamou na semana passada a decisão do Talibã de “violação sem precedentes dos direitos humanos”.

“As vidas das mulheres afegãs estão em jogo”, disse ele, acrescentando: “Não é possível alcançar mulheres sem mulheres”.

A enviada especial do secretário-geral da ONU para o Afeganistão, Roza Otunbayeva, está trabalhando com o Talibã no mais alto nível para “obter uma reversão imediata da ordem”, disse a ONU na semana passada.

“Na história das Nações Unidas, nenhum outro regime jamais tentou proibir as mulheres de trabalhar para a organização simplesmente porque são mulheres. Esta decisão é um ataque às mulheres, aos princípios fundamentais das Nações Unidas e ao direito internacional”, disse Otunbayeva.

Outras figuras dentro da organização também condenaram a medida, com o Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos chamando-a de “absolutamente desprezível”.

Depois que o Talibã proibiu as trabalhadoras de ajuda humanitária em dezembro, pelo menos meia dúzia de grandes grupos de ajuda estrangeiros interromperam temporariamente as operações no Afeganistão – reduzindo os já escassos recursos disponíveis para um país que precisa desesperadamente deles.

O retorno do Talibã ao poder precedeu o aprofundamento da crise humanitária no Afeganistão, que exacerbou os problemas que há muito atormentavam o país. Depois de tomar o poder, os EUA e seus aliados congelaram cerca de US$ 7 bilhões das reservas cambiais do país e cortaram o financiamento internacional – paralisando uma economia fortemente dependente da ajuda externa.

By Carlos Eduardo

"Fã de música. Geek de cerveja. Amante da web. Cai muito. Nerd de café. Viciado em viagens."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *