O partido está aumentando a pressão sobre Netanyahu para interromper a revisão judicial

JERUSALÉM, 26 de março (Reuters) – Um parlamentar sênior do partido Likud, do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, reiterou neste domingo um pedido do chefe de defesa para interromper uma polêmica revisão judicial, levantando a possibilidade de que a maioria parlamentar do governo possa ser prejudicada.

A dissidência do próprio partido e gabinete do primeiro-ministro agravou meses de protestos em massa sem precedentes de israelenses que temem que o pacote de reformas possa comprometer a independência do tribunal.

Netanyahu, que está sendo julgado por suborno que nega, diz que a reforma equilibrará os ramos do governo.

Um projeto-chave que efetivamente dará à sua coalizão religioso-nacionalista mais controle sobre as nomeações de juízes deve ser ratificado esta semana no Knesset, onde ele e seus aliados ocupam 64 das 120 cadeiras.

Mas como – ou mesmo se – essa votação ainda não planejada acontecerá tem sido questionado por dissidentes do Likud.

O ministro da Defesa, Yoav Gallant, um parlamentar do Likud, quebrou as fileiras no sábado ao pedir publicamente a Netanyahu que suspendesse a legislação por um mês. Ele disse que os protestos em todo o país contra a reforma, que incluíam um número crescente de reservistas militares, também estavam afetando as forças armadas regulares e minando a segurança nacional.

“Não vou facilitar isso”, disse Gallant em seu discurso televisionado, insinuando que se a votação de ratificação ocorrer esta semana, ele pode se abster.

Também no domingo, Yuli Juwel, parlamentar do Likud que chefia o Comitê de Relações Exteriores e Defesa do Knesset, pediu uma pausa na reforma para permitir discussões e revisões.

Quando perguntado em uma entrevista se ele se absteria ou votaria contra a futura lei, ele não respondeu diretamente, citando sua ausência nas sessões do Knesset no início deste mês.

“Devo lembrá-lo de que não estava na primeira leitura desses projetos de lei quando eles não me ouviram no Likud e ignoraram meu apelo ao diálogo”, disse Juwel à Rádio do Exército de Israel.

“Não queremos enterrar as reformas”, acrescentou, mas “colocá-las em votação antes que fique claro que há apoio para elas seria um aventureirismo que seria melhor evitar”.

A declaração de Gallant foi bem recebida pelo parlamentar sênior do Likud, David Bitan. Um jovem legislador do Likud, Eli Dalal, se manifestou a favor da suspensão da legislação na semana passada. Mas não ficou claro se eles ou outros no Likud poderiam se abster de um voto de ratificação.

Netanyahu, que voltou no domingo de manhã de uma visita a Londres, não comentou imediatamente sobre a dissidência dentro de seu partido. Mas um legislador pró-reforma do Likud, Tally Gotliv, não parecia impressionado.

“Temos 62 (‘Sim’), e mesmo que não apareça mais alguém, teremos 61. A votação acontecerá esta semana”, disse ela à estação de rádio 103 FM de Tel Aviv.

Escrita por Dan Williams Edição por Raissa Kasolowsky

Nossos padrões: Os Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

By Carlos Eduardo

"Fã de música. Geek de cerveja. Amante da web. Cai muito. Nerd de café. Viciado em viagens."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *