O Santos entendeu a razão porque Guilda tem o apelido de “Imortal”. Depois de abrir o placar no primeiro tempo e segurar o resultado até as adições, o time alvinegro viu o árbitro marcar um pênalti polêmico com a ajuda do VAR e sofreu um empate aos 56 minutos do segundo tempo. A igualdade por 1 a 1 deixa a disputa por uma vaga na semifinal do Copa libertadores de américa. O duelo de volta será na próxima semana, na Vila Belmiro. A equipe do técnico Cuca terá a vantagem de jogar pelo empate sem gols para avançar.

O Grêmio aumentou sua invencibilidade para 17 partidas. O Santos segue sem perder como visitante nesta edição da Libertadores. Promessa de um grande duelo na próxima semana para definir será eliminada das quartas de final.

No jogo desta quarta-feira, se o Santos não contava com Soteldo, que contraiu o coronavírus, o Grêmio também teve uma ausência importante: Jean Pyerre, que tem sido um dos principais jogadores do time e está desgastado. Cuca apostou em Lucas Braga, enquanto Renato Gaúcho colocou Pinares. Os gaúchos perderam mais o meio-campista ofensivo do que os alvinegros do venezuelano.

O Santos mostrou superioridade e conseguiu neutralizar os ataques adversários na fase inicial. Ele mereceu ir ao intervalo com vantagem no placar, com gol de Kaio Jorge, aos 35 minutos. Na jogada, o Pará cruzou, Vanderlei saiu mal e a bola caiu para Felipe Jonathan, que chutou e viu o atacante desviar para o fundo da rede.

Kaio Jorge só ficou disponível para o confronto porque o Santos conseguiu liberar a CBF para o atacante se apresentar à Seleção Brasileira sub-20 apenas nesta quinta-feira. Ele voltará mais cedo e poderá jogar o duelo de volta.

Depois do gol, a partida foi ainda mais intensa. Jobson teve problemas com Pinares quando acertou uma bola quando o adversário já estava caído. Houve um push-push entre os jogadores e o meia santista recebeu o amarelo. Em seguida, Pinares dividiu com Pituca e recebeu cartão vermelho, mas o juiz foi chamado pelo vídeo árbitro, voltou atrás na expulsão e deu cartão amarelo a Pituca.

O Grêmio teve muitas dificuldades para criar jogadas. O Santos, bem organizado, conseguiu conter o avanço dos adversários. O meio-campista Sandry, que tem 18 anos e foi uma das surpresas de Cuca, fez uma grande largada: não deu espaços e soltou a bola para fora com bons passes.

No segundo tempo, o Grêmio tentou pressionar mais em busca do empate. Mas esbarrou principalmente com Pinares, que deu pouca sequência às jogadas. Luiz Fernando e Pepê também não tiveram muita atuação e Diego Souza quase não recebeu bolas.

As melhores chances gremistas eram de bola parada. David Braz perdeu uma boa chance ao escalar livre e sair. Então, o zagueiro cobrou falta de longo alcance e exigiu uma boa defesa de John. O goleiro santista voltou a aparecer na cabeçada de Diego Souza.

O Santos sentiu a pressão, fechou e passou a apostar nos contra-ataques. Arriscou muito em duas finalizações na mesma jogada: Pituca arriscou de fora da área, Vanderlei rebateu, Darlan errou o campo e a bola sobrou para Kaio Jorge, que chutou rasteiro.

Cuca resolveu deixar o Santos mais protegido quando Kaio Jorge pediu uma substituição. O lateral-direito Madson foi escolhido como ala, na linha do meio-campo, e Marinho ficou com o “falso 9”. O novo esquema não durou muito, porque o Pará pediu para sair. Depois, Pituca ainda foi expulso brutalmente.

Renato Gaúcho colocou Everton e Churín para dar novo gás ao sistema ofensivo. E o Grêmio empatou em uma jogada bastante polêmica. Depois de ser chamado para rever a jogada no monitor, o árbitro marcou pênalti por tocar a bola no braço de Balieiro, após cruzamento de Ferreira. Aos 56 minutos, Diego Souza entrou na cobrança e empatou a partida.

FICHA DE DADOS

1 x 1 SANTOS GREMIUM

GUILD: Vanderlei; Victor Ferraz (Churín), Geromel, Kannemann (David Braz) e Diogo Barbosa; Maicon (Darlan), Matheus Henrique, Luiz Fernando (Ferreira), Pinares (Everton) e Pepê; Diego Souza. Técnico: Renato Gaúcho.

SANTOS: John; Pará (Jean Mota), Lucas Veríssimo, Luan Peres e Felipe Jonatan; Sandry (Balieiro), Diego Pituca e Jobson (Alison); Marinho (Bruno Marques), Lucas Braga e Kaio Jorge (Madson). Treinador: Cuca.

Metas: Kaio Jorge, com 35 anos no primeiro tempo; Diego Souza, aos 56 minutos do segundo tempo.

Cartões amarelos: Matheus Henrique, Maicon, Luan Peres, Jobson, Diogo Barbosa, Sandry.

Cartão vermelho: Pituca.

Juiz: Juan Benítez (Paraguai).

Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS).

By Patricia Joca

"Professional troublemaker. Friend to animals everywhere. Social media expert. Dedicated analyst. Amateur entrepreneur."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *