Na correria do dia a dia, nem sempre conseguimos acompanhar as notícias como gostaríamos – principalmente considerando a “avalanche” diária de informações que vem de todos os lados. Muitas pessoas que se interessam por ciência, aliás, acabam ficando de fora dos últimos acontecimentos, e justamente por isso o Canaltech dedica-se, todas as semanas, à preparação deste “sumário” com as principais notícias científicas dos últimos sete dias.

E aqui está a compilação desta semana!

Starlink em Marte, o “planeta livre”

(Imagem: Playback / SpaceX)

Agora que a internet Starlink está sendo oferecida ao público em beta, alguns “fofos” Elon Musk comece a ir a público. Um deles está oculto nos termos de serviço da SpaceX: a empresa exige que, para usar a Internet Starlink, seja necessário reconhecer Marte como um planeta livre, e também concordar que nenhum governo baseado na Terra tenha autoridade ou soberania sobre Atividades marcianas.

Além disso, o presidente e COO da SpaceX, Gwynne Shotwell, disse ainda que a empresa pretende criar, na órbita de Marte, uma constelação Starlink semelhante à da Terra, para que os futuros colonizadores do Planeta Vermelho tenham esta internet à sua disposição.

Você é curioso? Clique aqui para saber mais!

Astrofísico Neil deGrasse Tyson incentiva a ciência brasileira

Famosa por ser a atual apresentadora da série Cosmos, Neil deGrasse Tyson publicou, em seu Twitter, uma carta aberta de incentivo à ciência brasileira. O texto, aliás, faz parte de seu novo livro, denominado Cartas de um Astrofísico (“Respostas de um astrofísico”), que é pré-vendida aqui no Brasil.

Clicando aqui, você pode ler o texto completo e em português.

Sonda japonesa derrubou mais de 200 rochas no asteroide Ryugu

Detalhe da superfície do asteróide Ryugu (Imagem: Reprodução / JAXA / Jaumann)

Mais de 200 novas rochas foram encontradas na superfície do asteróide Ryugu. Eles foram lançados com o impacto da sonda japonesa Hayabusa-2, cuja missão era justamente abrir uma cratera no objeto espacial, coletando amostras que serão trazidas para a Terra.

Mais detalhes sobre tudo isso você pode encontrar aqui.

Teoria de Einstein confirmada de uma forma sem precedentes

Na Teoria Geral da Relatividade, Albert Einstein previu o redshift gravitacional, como um efeito que a luz sofre sob a influência da gravidade, tornando-se mais vermelha à medida que se afasta de um grande objeto cósmico. Isso já havia sido confirmado em observações no Sistema Solar, mas agora uma equipe de pesquisadores conseguiu confirmar a teoria de uma forma sem precedentes: eles fizeram isso detectando o desvio para o vermelho em um sistema estelar distante.

Poucas evidências foram encontradas em lugares distantes do Sistema Solar para determinar que esse efeito seja universal. No entanto, um novo estudo mostra como uma equipe de pesquisadores detectou um desvio para o vermelho gravitacional em um sistema de duas estrelas a uma distância de 29.000 anos-luz.

Entenda melhor essa história! Clique aqui.

Molécula “estranha” na atmosfera da lua Titã

A superfície mapeada da lua Titã (Imagem: Reprodução / Equipe VIMS / U. Arizona / U. Nantes / ESA / NASA)

Na atmosfera da lua de Saturno, Titã, eles acabaram de descobrir uma molécula “estranha”: o ciclopropenilideno até então só havia sido encontrado em nuvens de gás e poeira entre os sistemas estelares, nunca sendo observado na atmosfera. É uma molécula baseada em carbono e hidrogênio que pode ser um dos precursores dos compostos mais complexos, aqueles que formam os blocos de construção da vida como a conhecemos.

Entenda por que essa descoberta é importante clicando aqui.

O buraco negro no centro da Via Láctea é “preguiçoso”

A simulação mostra as órbitas de estrelas muito próximas a Sagitário A *. Uma dessas estrelas orbita o buraco negro a cada 16 anos e passou muito perto dele em maio de 2018 (Imagem: Reproduction / ESO / L. Calçada / Spaceengine.org)

De acordo com um novo estudo, o Buraco negro supermassivo no centro de nossa galáxia, chamado Sagitário A *, tem uma rotação lenta. Esta foi a primeira vez que a rotação deste buraco negro foi medida com precisão. De acordo com os autores do estudo, se Sagitário A * tivesse um spin significativamente alto, os planos orbitais das estrelas no nascimento estariam fora de alinhamento. Como este não é o caso, o par se esforçou para medir essa taxa de rotação, também concluindo que Sagitário A * provavelmente não terá um jato – como não é incomum em outros buracos negros supermassivos.

Aqui você descobre mais sobre este assunto.

Metade das estrelas semelhantes ao Sol podem ter planetas habitáveis

Representação de Kepler-186f, o primeiro planeta com um tamanho de Terra validado orbitando uma estrela na zona habitável (Imagem: Reprodução / NASA Ames / JPL-Caltech / T. Pyle)

Em busca de respostas para a pergunta “quantos planetas orbitando outras estrelas podem abrigar vida?” NASA, analisando dados do telescópio espacial Kepler, chegou à conclusão de que metade das estrelas com temperatura semelhante à do Sol poderia ter, em sua órbita, um planeta rochoso com água líquida em sua superfície.

Clique aqui para mais detalhes deste estudo.

Trio de crateras descobertas em Marte

Crateras em perspectiva (Imagem: Reprodução / ESA / DLR / FU Berlin)

Dados da missão Mars Express revelaram um “novo” trio de crateras no hemisfério sul de Marte, pois parecem estar sobrepostas. O maior tem 45 km de comprimento, enquanto o menor tem 28 km. Ainda não se sabe exatamente como se formaram: se três objetos diferentes atingiram o Planeta Vermelho em momentos diferentes, criando a sobreposição, ou se o único objeto que causou esse impacto se partiu em três antes de atingir o solo, formando o trio.

Descubra mais clicando aqui.

Havia água em Marte por muito mais tempo do que imaginávamos

Devido à cor, o meteorito marciano recebeu o apelido de “Black Beauty” (Imagem: Reprodução / NASA / Luc Labenne)

Meteoritos descobertos no deserto do Saara, aqui na Terra, foram analisados ​​recentemente, com pesquisadores descobrindo mais detalhes sobre o passado de Marte, de onde vieram essas rochas. Estudando as assinaturas químicas dos objetos, os cientistas deduziram que era muito provável que a água estivesse presente no Planeta Vermelho 4,4 bilhões de anos atrás. Além disso, a análise também sugere que tal impacto poderia ter liberado grandes quantidades de hidrogênio, o que teria contribuído para o aquecimento do planeta em uma época em que Marte já possuía uma espessa atmosfera de dióxido de carbono.

Tudo isso e muito mais você pode descobrir clicando aqui.

“Irmão” perdido da Lua encontrado atrás de Marte

Representação de Marte e Trojans circulando os pontos Lagrange L4 e L5 (Imagem: Reprodução / Observatório Armagh)

Um asteróide com uma composição muito semelhante à da Lua foi descoberto atrás de Marte. Os cientistas entendem que esta rocha pode ser o que restou dos destroços do período em que a Lua foi formada – a teoria mais aceita aqui é que a Lua é o resultado da união dos destroços remanescentes de um grande impacto entre o planeta Theia e os Terra, bilhões de anos atrás.

Aqui você pode encontrar mais detalhes sobre esta análise.

Leia também:

Gostou deste artigo?

Assine seu e-mail no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas novidades do mundo da tecnologia.

By Carlos Jorge

"Proud coffee expert. Webaholic. Zombie guru. Introvert. Avid beer aficionado. Analyst. Total TV practitioner. Award-winning foodie. Student."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *