Ao lado da estátua do primeiro rei de Portugal, em Guimarães, em frente ao Paço dos Duques de Bragança, do outro lado da rua, encontra-se “O Henriquino”. Mais do que uma loja de souvenirs, é quase um posto de turismo, com um guia especialmente apaixonado e envolvido com Berço da cidade, Djalme Silva.

Os turistas sobem do centro histórico e quando chegam ao Paço dos Duques de Bragança ainda não conseguem ver o castelo de Guimarães. “Este é o castelo aqui?” – perguntam enfiando a cabeça pela porta de O Henriquino. Djalme, já perdeu a conta de quantos turistas ajudou ao longo dos 33 anos que passou naquele local. “Não, este é o Paço dos Duques, uma construção do século 15, que foi residência real e hoje é uma das residências oficiais do Presidente da República”, explica a um turista brasileiro que vagueia sozinho. “O castelo fica por cima, ali mesmo, atrás das árvores”.

Djalme Silva. Foto: Rui Dias

Os turistas agora são poucos, em alguns dias. A pandemia devastou o sector do turismo em Guimarães, Djalme estima que a queda foi de 70% e que algum movimento de verão não salvou o ano. “Nos piores dias, ninguém é visto, só quem está na porta”, aponta ele, do outro lado da rua, onde os funcionários do Palácio dos Duques fumam um cigarro do lado de fora do prédio. “Eles estão lá e eu aqui, só olhando um para o outro”, lamenta. Ele confessa que está passando por dificuldades, já teve que fazer adaptações que lhe custaram muito emocionalmente e das quais prefere não falar. “O aluguel e outras despesas do espaço são mantidos, mesmo sem ter quem comprar”.

Djalme Silva, 74, é um homem com um notável percurso de intervenção em Guimarães. A loja de souvenirs e produtos regionais “O Henriquino” nasceu da vontade de preencher uma lacuna na cidade. “Na época eu estava trabalhando no jornal e vi, em um anúncio, que esse espaço estava sendo alugado. Achei que este era o lugar onde deveria haver uma casa como esta. Porque este é um site espacial, sabe? ”- É uma pergunta retórica, até porque é um lugar especial por onde passam tanta gente.

33 anos atrás, não era como agora. Portugal ainda não tinha se tornado um dos destinos turísticos mais atraentes e os portugueses estavam chegando. Procuravam encontrar aqueles lugares que conheciam por meio de fotografias em livros escolares: o palácio, a estátua do rei e o castelo. O “Henriquino” já estava lá, naquela época em que não havia franceses, alemães ou americanos, muito menos brasileiros. “Sempre acreditei que o turismo aqui se desenvolveria, é um lugar mágico”, diz Djalme.

“Pensar que foi aí que tudo começou!”, Dilma Roussef

Muitas pessoas ilustres, das artes e da política, passaram pela loja Djalme. Djalme não gosta muito de falar nisso, quando andam por aí são apenas turistas, muitas vezes querem ser anônimos e ele dá vontade. Mesmo assim, ele não pode deixar de lembrar o dia em que Dilma Roussef entrou na loja, quando ainda era presidente do Brasil. “E pensar que foi aqui que tudo começou!” – Dilma disse, com lágrimas no rosto, com os olhos no Morro Santo.

Enquanto escrevia no Semanário de Guimarães, Notícias de Guimarães, Comércio de Guimarães e Gente de Guimarães, Djalme foi sempre muito incisivo para denunciar o que lhe parecia errado na cidade. Alguns dos temas de suas crônicas ainda são muito atuais no cenário político e social da cidade. É o caso de uma peça que publicou em 30 de junho de 1988, intitulada “As comemorações do 24 de junho são para toda a nação”, na qual defendia que o dia da Batalha de São Mamede fosse feriado nacional e o dia da nacionalidade.

Escreveu entre os anos 1970 e meados dos anos 1990 e diz que parou porque nunca o fez por dinheiro, mas pelo desejo de intervir a favor da cidade, “quando comecei a perceber que havia interesses instalados, me aposentei ”.

Havia RTP1, RTP2 e Televisão de Covas

Na comunicação social passou também pelas duas rádios ainda existentes na cidade de Guimarães, Santiago e a Fundação e fez parte da rádio Fermentões. Mas o episódio mais interessante foi quando ele fazia parte de um grupo de amantes que criou uma televisão local. Nos anos 80, a transmissão do sinal de televisão era uma característica da estação pública RTP, e os portugueses apenas podiam escolher entre os dois canais desta estação. Mas, no final daquela década, havia um cheiro de liberdade no ar – o muro de Berlim caiu em novembro de 1989 – que mudaria tudo em breve. Em outubro de 1992, começaram as transmissões da SIC e, em fevereiro de 1993, as transmissões da TVI. Porém, em meados da década de 1980, eram a RTP1, a RTP2 e a Televisão de Covas. Pelo menos em Guimarães, porque, ao mesmo tempo, surgiram outros projectos semelhantes por todo o país.

Djalme Silva revisita o passado. Foto: Rui Dias

Artigo de televisão de Covas. Foto: Rui Dias

A Televisão Covas emitida da serra da Penha, para que o sinal pudesse cobrir a maior área possível do território. Foram duas ou três horas de transmissão pirateada, como eram chamadas essas televisões na época. “Estávamos exibindo filmes, mas também havia informações. Uma vez houve uma visita ministerial e lá fomos entrevistar o ministro. Ele falou para a Covas Television, que remédio ”, diz Djalme, com saudade desses tempos de aventura.

A aventura acabou com a reclamação da RTP. “O Alberto Ribeiro da Silva ajudou-nos na altura, aconselhou-nos a parar. O processo acabou sendo engavetado ”, lembra.

Djalme fez uma passagem fugaz pela política como candidato à Junta de Freguesia de Azurém, onde nasceu. “Mas eu rapidamente percebi que havia muitos interesses lá também, então não me candidatei novamente. Ainda assim, tive o melhor voto de sempre, do PSD, de Azurém. ”

“Mimes” saiu de sua caneta para políticos de esquerda e de direita. Em época de campanha para o Parlamento Europeu, ele escreveu uma resposta a um folheto, em forma de carta a Mário Soares. A prosa era contundente, mas suficientemente cuidada para preservar sua elegância e não deixar o texto escorregar para o comum. Poucas semanas depois, dedica uma crônica no mesmo estilo a José Manuel Barroso.

As atividades pelas quais é conhecido, mesmo a loja “O Henriquino”, nunca os fizeram ganhar dinheiro. A profissão que sempre exerceu, paralelamente a tudo o que fez, foi a de projetista da construção civil.

A mão afinada dá-lhe mais do que apenas réguas e desenhos quadrados, ele é um artista da linha. Suas ilustrações estão à venda na loja em forma de pinturas e cartões postais. São de Guimarães, vistos do Centro Histórico, o Largo do Toural, como foi, o Monte Latito, com o Castelo e D. Afonso Henriques de espada na mão. Ele não diz imediatamente aos turistas que é o autor, quando alguém compra um, ele faz uma assinatura, “para que levem uma só peça”.

Centro histórico de Guimarães. Desenho de Djalme Silva

Centro histórico de Guimarães. Desenho de Djalme Silva

“Não há artigos chineses aqui, são produtos do artesanato nacional e preferencialmente de Guimarães”, diz.

As gravuras servem de guia quando se quer explicar algo aos turistas que fazem de O Henriquino um posto de turismo. Pegue o desenho a carvão do Largo da Oliveira e mostre o caminho aos americanos. “Aí eles vão passar por baixo de um prédio que tem arcos e vão ver a praça mais bonita do mundo”, diz de forma tão convincente que os americanos ficam de boca aberta.

“A Câmara deveria ter sinalizado tudo isso melhor”, critica, “estamos aqui na orla do castelo e um dia desses uma senhora veio aqui pedir um táxi para levá-la até lá. Com as árvores você não pode ver o castelo aqui e não há nenhuma placa para indicar ”. Você tem uma ideia muito clara de como a cidade deve receber as pessoas de uma forma mais acolhedora. “Deveria haver guias por aí que abordassem os turistas e lhes dessem informações, explicando como podem ir de teleférico à Penha, que possam visitar o Museu Alberto Sampaio e o Museu da Sociedade Martins Sarmento. Em vez de apenas andar por aí e pagar multas, eles investem em relações públicas para turismo na cidade ”.

Djalme Silva. Foto: Rui Dias

Ele tem uma paixão pela música que aprendeu como um homem autodidata quando lhe ofereceram um violão na juventude. Durante a sua estada no Centro de Arte e Recreio, ajudou a fundar os dois atuns académicos em Guimarães, Tuna Afonsina (masculino) e Tun’Obebes (feminino). Seu jeito com as palavras foi registrado como autor do hino Tun’Obebes e também no pregão de 1989 de Nicolinas.

O destino ou a providência pareciam adivinhar que tal homem precisava de um nome que ele não esqueceria. Ele ficou com o nome do padrinho, brasileiro. “Tornou-me mais fácil reconhecer o que é positivo, mas também o que é negativo”, diz ele, sorrindo. Às vezes, os assuntos de que tratava no jornal mexiam com interesses consagrados e chegava a assinar SD (as iniciais de Djalme Silva, ao contrário), para evitar problemas.

Agora vive mais sossegado à sombra do castelo, de frente para a estátua de D. Afonso Henriques. “Se forem brasileiros, mando descer, passo à esquerda no Jardim do Carmo, continuo pela Rua de Santa Maria, que fica bem em frente, atravesso todo o Centro Histórico, até chegarem a uma grande praça com uma igreja no ao fundo, é São Gualter e o largo denominado: ‘da República do Brasil’. Eles estão maravilhados! ”.

By Carlos Henrique

"Introvertido amigável. Estudante. Guru amador de mídia social. Especialista em Internet. Ávido encrenqueiro."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *