Qualquer quantidade de álcool pode danificar isso cérebroe mais do que se percebia anteriormente, segundo um estudo que os pesquisadores consideram um dos maiores do gênero até hoje.

Os resultados preliminares da Oxford University foram publicados recentemente Postou medRxiv antes da revisão por pares usando dados clínicos e amostras de imagem de mais de 25.000 adultos no estudo de biobanco do Reino Unido. Os sujeitos tinham de 40 a 69 anos quando foram contratados pela primeira vez, de 2006 a 2010.

Quase todos os participantes foram classificados como bebedores atuais, enquanto apenas 5,2% não bebiam, de acordo com o estudo. Quase metade dos participantes consumiu álcool em quantidades acima das diretrizes de “baixo risco” do Reino Unido, embora poucos fossem considerados bebedores pesados, escreveram os pesquisadores. Usando análises de ressonância magnética, a equipe procurou correlações entre o consumo de álcool e a massa cinzenta no cérebro.

CLIQUE AQUI PARA A COBERTURA COMPLETA DO CORONAVIRUS

“Não foi encontrada uma dose segura de álcool para o cérebro. O consumo moderado foi associado a efeitos adversos generalizados no cérebro do que se pensava”, disse o estudo. “Os indivíduos que bebem excessivamente ou têm pressão alta e IMC podem ser mais vulneráveis. Os efeitos nocivos do consumo de álcool parecem ser maiores do que outros fatores mutáveis. As diretrizes atuais para o consumo de álcool de baixo risco devem ser revisadas para refletir os efeitos sobre o cérebro para ser considerado. “

Talvez os resultados não sejam surpreendentes, disseram os autores do estudo, devido ao mecanismo pelo qual o etanol se difunde pelo tecido cerebral.

Quanto mais pessoas bebem álcool a cada semana, menor é a densidade da massa cinzenta no cérebro. Os pesquisadores culparam o álcool por uma “variação de volume de substância cinzenta” de 0,8% que, embora “um tamanho de efeito pequeno”, fez uma contribuição maior do que outros fatores de risco testados, como o fumo.

Além disso, o tipo de bebida (vinho, cerveja ou licor) parecia causar o mesmo dano; “Não encontramos nenhuma evidência de que o risco de danos ao cérebro relacionados ao álcool varie dependendo do tipo de bebida alcoólica”, escrevem os autores do estudo.

Obtenha o APP FOX NEWS

Os pesquisadores atribuíram o grande tamanho da amostra a fortes evidências estatísticas de associações anteriormente não caracterizadas em diferentes áreas do cérebro, bem como ligações com hábitos de beber. O estudo teve suas limitações, como uma amostra possivelmente não representativa; Os sujeitos eram “mais saudáveis, mais educados, menos desfavorecidos e com menos diversidade étnica do que a população em geral”, escreveram os autores.

Ainda existem algumas incógnitas, como o tempo que leva para beber para ter um efeito sobre o cérebro. Os pesquisadores sugeriram que certos períodos da vida, como a adolescência e a velhice, quando o cérebro muda significativamente, podem aumentar a vulnerabilidade.

By Gabriel Ana

"Passionate student. Twitter nerd. Avid bacon addict. Typical troublemaker. Thinker. Webaholic. Entrepreneur."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *