O imunologista português Manuel Santos Rosa recebeu esta tarde uma coluna defendendo a importância da vacinação de crianças e adolescentes.

Assim que começou a história, o presidente Marcelo falou também da urgência dos jovens em “simplificar o processo de vacinação”, optando por uma picada o quanto antes.

São questões importantes que reforçam a mensagem do governo de que as autoridades estão “perdendo o controle da pandemia” (clique aqui).

Mas também são muito abrangentes, pois médicos e especialistas em outros lugares argumentam que não apenas as crianças não precisam da vacina, mas pode ser perigoso administrá-la a elas (clique aqui).

No Reino Unido, o grupo Hart insiste que seria “irresponsável e antiético” vacinar crianças com base no que agora se sabe sobre a novíssima tecnologia de vacinas.

“As crianças têm uma vida pela frente e seus sistemas imunológico e neurológico ainda estão se desenvolvendo, tornando-as potencialmente mais suscetíveis aos efeitos colaterais do que os adultos”, disse uma carta ao Dr. June Raine, CEO da Autoridade Reguladora de Medicamentos do Reino Unido. “Uma série de preocupações específicas foram levantadas, incluindo doenças autoimunes e possíveis efeitos sobre a placentação e a fertilidade. Um artigo publicado recentemente levantou a possibilidade de que as vacinas de mRNA COVID-19 poderiam induzir doenças neurodegenerativas baseadas em príons. Todos os riscos potenciais, conhecidos e desconhecidos, devem ser pesados ​​contra os riscos do próprio COVID-19, de modo que uma relação risco-benefício muito diferente se aplique às crianças e aos adultos.

Aqui em Portugal, o professor Santos Rosa defende que as crianças são “veículos de propagação do vírus” – ou seja, o vírus vai durar mais tempo e “independentemente da vacinação dos idosos, isso pode levar a situações de internamento graves porque é um idoso imunocomprometido ou uma pessoa que não responde bem à vacina que pode se infectar e a situação final pode ser fatal ”.

O imunologista acredita claramente que quaisquer riscos para a saúde de crianças em desenvolvimento devem ser considerados secundários aos riscos que podem representar para idosos imunocomprometidos.

Mas os pais verão dessa forma?

Diz o Diário de Notícias: “O professor frisa que todos devemos compreender que a imunidade do rebanho depende do país, da região, da população, até mesmo do estado imunológico da população, e não apenas do número de pessoas vacinadas. Portanto, a percentagem de vacinados pode ter de ser muito superior aos 70% definidos para Portugal e mesmo para a Europa ”.

Crianças e adolescentes constituem 30% da população, diz Santos Rosa, logo “se não vacinarmos crianças e adolescentes, estamos no limite dessa imunidade grupal, pois esse grupo será sempre um veículo de transmissão” do vírus “.

Em termos de drama na mídia, os últimos dias foram cheios disso. Pressione a pressão para que os portugueses aceitem que as novas restrições são “vitais”; ‘virá’; ‘a ser cumprido’ está em construção desde a última sexta-feira.

Mas esse problema não é definido e secado. No Reino Unido, por exemplo, a BBC relata que “a decisão de vacinar todas as crianças de 12 a 17 anos contra a Covid provavelmente não será recomendada tão cedo pelos especialistas em vacinas do Reino Unido”.

Talvez seja porque “JCVI – o comitê de especialistas em vacinas britânicos que aconselha o governo sobre a melhor abordagem … pode estar esperando por mais dados de segurança sobre crianças que foram vacinadas em outros países como os Estados Unidos e Israel antes de tomar sua decisão “, disse a emissora transmissão.

Até ao momento, não parece haver uma política aceite relativamente à vacinação infantil em Portugal, embora a entrevista de hoje possa ser uma tentativa de dar o pontapé de saída.

Até a Organização Mundial da Saúde afirma claramente:As crianças não devem ser vacinadas por enquanto ” (Clique aqui) acrescentando: “Ainda não há evidências suficientes do uso de vacinas para COVID-19 em crianças para fazer recomendações para vacinar crianças contra COVID-19”.

[email protected]

By Carlos Jorge

"Proud coffee expert. Webaholic. Zombie guru. Introvert. Avid beer aficionado. Analyst. Total TV practitioner. Award-winning foodie. Student."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *