O ex-presidente francês Valery Giscard d’Estaing morreu de insuficiência cardíaca aos 94 anos em sua residência em Authon, no departamento de Loir-et-Cher, no centro da França. Nascido em 26 de fevereiro de 1926, viveu o turbulento século 20 na primeira pessoa, participou da Resistência e lutou na Alemanha e na Áustria, e em 1974 tornou-se, aos 48 anos, o mais jovem presidente francês a ser eleito, antes de Emmanuel Macron, encarnando a imagem de um político jovem e dinâmico, de centro, que encarnou a renovação em relação aos rivais.

Valery Giscard d ‘Estaing (VGE, em iniciais popularizadas para tornar mais fácil pronunciar seu nome, algo complicado) foi o primeiro não gaullista a entrar no Palácio do Eliseu no pós-Segunda Guerra Mundial, quando a França ainda tentava entender o furacão que ali havia passado em maio de 1968.

Mas ele não teve uma vida fácil. Ele liderou o país quando a Europa e o mundo ocidental enfrentaram choques do petróleo e as crises econômicas que se seguiram, com aumento do desemprego.

VGE também foi um dos arquitetos da integração europeia, em seu mandato presidencial por sete anos, entre 1974 e 1981. Somente em 2000 os mandatos presidenciais acabaram sendo reduzidos na França para cinco anos.

Na Europa, ele estabeleceu uma relação próxima com o ex-chanceler alemão Helmut Schmidt e juntos criaram o Conselho Europeu em dezembro de 1974. Juntos, lançaram as bases para a moeda única europeia. Foi também durante a sua liderança, e sob o impulso franco-alemão, que o Sistema Monetário Europeu – o ECU, a Unidade de Conta Europeia, antecessora da União Económica e Monetária Europeia e do euro, foi lançado.

Sua história como Presidente da República da França começou quando, no segundo turno das eleições de 1974, derrotou o socialista François Mitterrand, em uma campanha eleitoral inovadora. A frase com a qual o candidato da União de Esquerda, que derrotou, ficou famosa no debate presidencial entre os dois turnos: “Você não tem o monopólio do coração”. Mitterrand se vingou em 1981, vencendo o Elisha.

Ele defendeu “uma sociedade liberal avançada”, lembra o O mundo. Acabou modernizando a sociedade francesa durante sua presidência, numa época em que o país estava enterrando o período conhecido como “os gloriosos anos 30”, três décadas de progresso econômico do pós-guerra.

A VGE permitiu o divórcio por consentimento mútuo, legalizou o aborto e baixou a idade de votar de 21 para 18, por exemplo. Seu primeiro-ministro era Jacques Chirac, o futuro presidente – uma forma de recompensar alguns gaullistas que se juntaram a ele, que se rebelaram contra a força dominante de direita e centro-direita na França para serem eleitos.

Mas, ao longo de sua carreira política, esses dois homens tiveram uma forte rivalidade, expressa de várias formas. “VGE, o Monarca” e “Chirac, o Agitado”, título ou O mundo esta quarta-feira um texto dedicado a essa rivalidade que foi, na verdade, uma batalha sem quartel da direita francesa, mesmo depois de ambos serem presidentes. Chirac, que morreu no ano passado, era diferente em caráter, origem e formação, mas entre os dois políticos havia uma espécie de rancor, diz o diário francês.

A VGE nasceu em 1926, em Koblenz (Alemanha), então ocupada pela França. Licenciado em Matemática, exerceu o cargo de Secretário de Estado das Finanças (1959-1962) e foi nomeado Ministro das Finanças (1962-1966) pelo Presidente Charles de Gaulle.

Desde setembro, ele teve várias hospitalizações, que teriam sido relacionadas a problemas de insuficiência cardíaca. Em 17 de novembro, ele foi hospitalizado em Tours por problemas desse tipo, mas morreu em sua propriedade em Anthon, cercado por parentes, diz o jornal. Le Figaro.

By Carlos Henrique

"Introvertido amigável. Estudante. Guru amador de mídia social. Especialista em Internet. Ávido encrenqueiro."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *