Finais femininas: Companheiras do Arsenal lideram seus países no Estádio de Wembley

fonte de imagem, Getty Images

descrição da imagem,

Rafaelle Souza e Leah Williamson formaram uma forte parceria de defesa-central no Arsenal

As companheiras de equipe do Arsenal, Leah Williamson e Rafaelle Souza, se enfrentarão enquanto lideram seus países em um Wembley esgotado na final feminina.

Williamson, da Inglaterra, e Souza, do Brasil, são uma das duplas de defesa-central mais eficazes da Superliga Feminina – mas só pode haver um vencedor entre eles na noite de quinta-feira.

É um confronto delicioso entre a campeã europeia Inglaterra e o Brasil, vencedor da Copa América, apenas quatro meses antes do início da Copa do Mundo Feminina na Austrália e na Nova Zelândia.

“Quando você joga contra um time como o Brasil, você aprecia a habilidade individual e a criatividade, o que é difícil de enfrentar porque você não sabe o que está por vir”, disse Williamson.

“Quando eles têm o dom de acrescentar algo à estrutura, é difícil e é algo que os jogadores admiram uns nos outros.”

Souza acrescentou: “Estou jogando aqui na Inglaterra há um ano e sei como eles são bons. Sei que vai ser físico e sabemos como eles são bons nos cruzamentos.

“É meu trabalho defender esses cruzamentos. Precisamos ser físicos e melhorar nosso jogo para vencer essas pequenas lutas.”

“Eu sinto que ela é meio brasileira”

legenda de vídeo,

‘Ela precisa aprender samba’ – Williamson e Souza do Arsenal trocam elogios antes da Finalíssima

Nenhum amor foi perdido entre os dois defensores enquanto assistiam ao confronto decisivo.

Souza brincou que Williamson precisa melhorar o samba e revelou que tem planos de levar a capitã das Leoas de férias ao Brasil no final do ano.

“Leah é uma grande jogadora e estou muito feliz por jogar com ela. [at Arsenal] mas não estou feliz em jogar com ela na quinta-feira porque ela é muito boa”, acrescentou Souza.

“Eu sinto que ela é meio brasileira porque ela tem as habilidades. Ela só precisa aprender a tocar samba e vai ficar bem.

“Ela me ajudou muito [in England]. Não só dentro de campo, mas também fora dele. Ela quer que eu me sinta em casa, então vamos a lugares para nos acostumar com a cultura.

“O que mais sinto falta do Brasil é do clima. Sempre que tem dia de treino ensolarado, ela sorri. Vou tentar ensinar mais português para ela vir para o Brasil comigo. Adoro estar com ela e nós somos bons amigos.”

Williamson descreveu a capitã do Brasil como uma “guerreira” enquanto se preparava para um teste difícil.

As Lionesses estão invictas sob o comando da técnica Sarina Wiegman e chegam a esta partida depois de defender o título da Copa Arnold Clark em fevereiro.

“Acho que a Rafaelle é um pouco guerreira. Como atleta, ela está muito à frente de nós”, completou Williamson.

“Ela tem jeitinho brasileiro [of playing] e o que ela pode fazer com os pés é bastante impressionante. Estou admirado com ela na maioria dos dias. É um novo território estar em um time diferente deles.”

“Todos nós teremos respostas depois”

fonte de imagem, Getty Images

descrição da imagem,

Millie Bright, da Inglaterra, e Rafaelle Souza, do Brasil, estão indisponíveis devido a lesão

O Brasil estará sem as principais jogadoras Debinha e Marta para a Finalíssima em Londres.

Mas a gerente Pia Sundhage disse que sua “equipe inexperiente” ficará grata pela oportunidade de enfrentar os vencedores da Euro 2022.

“Será incrível ver como eles lidam com essa multidão”, acrescentou. “Conversamos sobre a bola entrar na área”, disse Rafaelle [Souza] deve ascender.

“Vamos ficar bem. Quando se trata deste jogo, faz parte da jornada para a Copa do Mundo.

“Estou muito agradecido e muito feliz por jogar contra um dos melhores times do mundo com o melhor técnico do mundo.

“Todos nós teremos respostas depois do jogo. Estou grato pela oportunidade e temos alguns planos para isso.”

Espera-se que a Inglaterra seja uma equipa forte, mas não poderá contar com a lesionada defesa-central do Chelsea, Millie Bright.

“Ela jogou tantos jogos para nós e para o Chelsea, mas temos nosso plano reserva, então veremos isso”, disse o técnico Wiegman.

“Por um lado, é uma oportunidade de ver onde nosso time está quando não está jogando. Eles têm um time jovem e menos experiente, mas é um time de futebol muito bom.

“Eles são fortes e têm muito atletismo. Eles jogam em uma estrutura reconhecível. Estamos curiosos para ver como ficaremos contra o Brasil.”

By Patricia Joca

"Professional troublemaker. Friend to animals everywhere. Social media expert. Dedicated analyst. Amateur entrepreneur."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *