O piloto de Cascais sagrou-se campeão da Fórmula E este ano e diz que não se arrepende de ver o sonho da Fórmula 1 fugir, porque “tudo na vida acontece por um motivo”.

([email protected])

António Félix da Costa foi um dos convidados do Web Summit que este ano se realiza de forma virtual. O piloto expressou a sensação de ter se sagrado campeão da Fórmula E com a equipe DS Techeetah em um ano inusitado marcado pela pandemia de Covid-19.

«Foi um ano muito estranho. É um problema muito complicado em que praticamente tudo foi colocado em espera. Quando estourou a pandemia, não sabíamos o que ia acontecer, se o campeonato ia acabar ”, começou por dizer, antes de revelar os segredos que o levaram a vencer o campeonato de Fórmula E.

«Mesmo durante a pandemia, comecei a trabalhar com um“ treinador mental ”, porque percebi que tinha que estar preparado para vencer, mas o mais importante, preparado se isso não acontecesse. Muitas vezes eu estava na posição perdedora e sabia que muitos elementos tinham que ser sincronizados para ter sucesso. Trabalhei nisso ”, revelou em conversa com o jornalista João Carlos Costa.

Em 2013, o piloto esteve muito perto de entrar na Fórmula 1 pelas mãos da Toro Rosso, depois de ser piloto de testes da Red Bull, mas o sonho acabou desaparecendo. Mesmo assim, ele não se arrepende: “Tudo parecia ter lugar garantido, mas aí recebi um telefonema … Por questões políticas acabei não ficando. Felizmente, tive muitas pessoas que apoiaram isso. Foi uma lição, tudo na vida acontece por um motivo. Agora na Fórmula E existem vários pilotos que vieram da Fórmula 1 e consegui vencê-los ”, disse.

Questionado sobre a revolução do carro elétrico, António Félix da Costa considera que se trata de um conceito que veio para ficar e admite apenas uma exceção: “Os carros elétricos revolucionaram o mundo. A questão do carregamento e da autonomia foi bastante melhorada. Como piloto sempre adorei a Fórmula 1, era o meu sonho e estava perto. Cheguei à Fórmula E bem cedo e me deparei com um carro que não emitia ruído … Há seis anos não dava para fazer muitas voltas. Agora podemos rodar muito mais e os carros têm muito mais potência. Vimos um enorme progresso nos últimos quatro anos. Claro, se eu passar por uma Ferrari, eu olho para o lado, mas não precisamos de um carro assim para ir do ponto A ao ponto B no nosso dia-a-dia. A Fórmula 1 é um show. Os únicos carros no mundo que deveriam ser movidos por motores de combustão deveriam ser os de Fórmula Um ”, disse ele.

Sobre os anos que passou ao lado das vitórias, o piloto explica que só assim conseguiu evoluir e ter sucesso na Fórmula E: «Quando era jovem tinha Valtteri Bottas como adversário e só o ganhei uma vez. Foi bom ser piloto de testes na Red Bull, seguir pilotos como Sebastian Vettel. Tentei tirar o melhor proveito de cada um. Temos de saber perder antes de ganhar », sublinhou.

O Web Summit, um dos maiores cimeiras de tecnologia do mundo, vai decorrer este ano totalmente “online” com “um público estimado de 100 mil» pessoas, depois de ter começado a se realizar em Lisboa em 2016.

By Patricia Joca

"Professional troublemaker. Friend to animals everywhere. Social media expert. Dedicated analyst. Amateur entrepreneur."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *